Design for Six Sigma (DFSS): o que e para que serve?

DFSS - Design for Six Sigma
13 de julho de 2017
Última modificação: 13 de julho de 2017

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Seis Sigma

Design for Six Sigma: contexto atual

No atual mercado global, a competição por produtos e serviços nunca foi tão alta. Os consumidores têm várias opções para muitos produtos muito semelhantes. Portanto, muitas empresas manufatureiras estão continuamente se esforçando para introduzir produtos completamente novos ou entrar em novos mercados. Às vezes, os produtos atendem às necessidades e expectativas do consumidor e, às vezes, não. A empresa geralmente reprojetará o produto, às vezes desenvolvendo e testando várias iterações antes de reintroduzir o produto no mercado. Múltiplos redesenhos de um produto são caros e dispendiosos. É por isso que existe o Design for Six Sigma (DFSS).

Seria muito mais benéfico se o produto atendesse às necessidades e expectativas reais do cliente, com um nível mais alto de qualidade do produto na primeira vez. O Design for Six Sigma (DFSS) se concentra na realização antecipada de trabalho adicional para garantir que você compreenda totalmente as necessidades e expectativas do cliente antes da conclusão do projeto. O DFSS requer o envolvimento de todos os interessados ​​em todas as funções. Ao seguir uma metodologia DFSS, você pode alcançar níveis mais altos de qualidade para novos produtos ou processos.

O que é Design For Six Sigma: DFSS?

DFSS é o acrônimo de Design For Six Sigma. Ao contrário da metodologia DMAIC, as fases ou etapas do DFSS não são universalmente reconhecidas ou definidas – quase todas as empresas ou organizações de treinamento definirão DFSS de forma diferente. Muitas vezes, uma empresa irá implementar DFSS para se adequar aos seus negócios, indústria e cultura. Outras vezes, eles implementarão a versão do DFSS usada pela empresa de consultoria que auxilia na implantação. Por isso, o DFSS é mais uma abordagem do que uma metodologia definida.

O DFSS é usado para projetar ou redesenhar um produto ou serviço desde o início. O nível de Sigma do processo esperado para um produto ou serviço DFSS é pelo menos 4,5 (não mais do que aproximadamente 1 defeito por mil oportunidades), mas pode ser 6 Sigma ou superior dependendo do produto. Produzir em um nível de defeito tão baixo no lançamento do produto ou serviço significa que as expectativas e necessidades do cliente (CTQs) devem ser completamente compreendidas antes que um projeto possa ser concluído e implementado.

Uma metodologia popular de Design para Seis Sigma é chamada DMADV, que tem o mesmo número de letras e número de fases que o acrônimo DMAIC. As cinco fases do DMADV são definidas como: Definir, Medir, Analisar, Projetar e Verificar.

  • Defina os objetivos do projeto e os requisitos do cliente (interno e externo).
  • Meça e determine as necessidades e especificações do cliente, competidores de referência e indústria.
  • Analise as opções do processo para atender às necessidades do cliente.
  • Conceba (detalhe) o processo para atender às necessidades do cliente.
  • Verifique o desempenho do projeto e a capacidade de atender às necessidades do cliente.

Uma modificação leve na metodologia DMADV é DMADOV: Defina, meça, analise, projete, otimize e verifique.

Existem alguns outros “sabores” do DFSS que você pode estar interessado em saber: DCCDI, IDOV e DMEDI.

O que é o DCCDI?

DCCDI está sendo popularizado por Geoff Tennant e é definido como Definir, Conceito de Cliente, Design e Implementação. Você pode ver que existem muitas semelhanças entre essas fases e as fases DMADV.

  • Defina os objetivos do projeto.
  • A análise do cliente está concluída.
  • Ideias de conceito são desenvolvidas, revisadas e selecionadas.
  • O design é realizado para atender às especificações do cliente e de negócios.
  • A implementação é completada para desenvolver e comercializar o produto / serviço.

O que é o IDOV?

O IDOV é uma metodologia de design bem conhecida, especialmente no mundo da fabricação. O acrônimo IDOV é definido como Identificar, Desenvolver, Otimizar e Validar.

  • Identifique o cliente e as especificações (CTQs).
  • O desenvolver traduz os CTQ do cliente em requisitos funcionais e em soluções alternativas. Um processo de seleção reduz a lista de soluções para a “melhor” solução.
  • Otimizar, usa ferramentas estatísticas avançadas e modelagem para prever e melhorar o design e o desempenho.
  • A validação garante que o design que você desenvolveu atenda ao CTQs do cliente.

O que é o DMEDI?

DMEDI significa Define, Measure, Explore, Develop e Implement. Tenho certeza de que você não terá muitos problemas para identificar os principais objetivos em cada uma dessas fases com base no título de cada fase.

Como você pode ver, a abordagem DFSS pode utilizar qualquer uma das muitas metodologias possíveis. O fato é que todas essas metodologias DFSS usam as mesmas ferramentas de design avançadas (Implementação de Funções de Qualidade, Modos de Falha e Análise de Efeitos, benchmarking, Design de Experimentos, simulação, otimização estatística, prova de erros, Design robusto, etc.). Cada metodologia difere principalmente em nome de cada fase e o número de fases (e, claro, o acrônimo).

Como você decide qual metodologia DFSS usar?

Se você a FM2S para ajudar com sua implantação, use nossa metodologia, pois nossos materiais de treinamento são adaptados para isso. Se você estiver implementando o DFSS por conta própria, qualquer um dos livros do DFSS disponíveis deve fazer você se mudar na direção certa. Em qualquer caso, seguindo uma metodologia DFSS detalhada irá ajudá-lo a atingir níveis de alta qualidade para novos produtos e serviços. Se você está interessado em melhorar seus produtos ou serviços existentes, o DMAIC é uma metodologia mais apropriada para usar.

DFSS ou DMAIC?

Muitos especialistas são de opinião que, com semelhanças entre o Seis Sigma e o DFSS, o DFSS pode ser chamado de uma extensão lógica do Seis Sigma. Embora isso possa ser verdade, existem algumas diferenças entre DMAIC e DFSS.

A diferença básica reside no fato de que o DMAIC é uma metodologia que se concentra em promover melhorias nos produtos e serviços existentes da organização. O DFSS tem como objetivo projetar um novo produto ou serviço livre de defeitos para atender aos fatores do CTQ que levem à satisfação do cliente.

O DMAIC concentra-se na detecção e resolução de problemas com produtos e serviços existentes, enquanto a abordagem DFSS é a prevenção de um problema.

Os benefícios e economias do DMAIC são rapidamente quantificáveis, enquanto os do DFSS serão visíveis apenas no longo prazo. Pode ser de cerca de seis meses ou mais antes que o resultado de um produto recém-desenvolvido seja visível.

Pode-se dizer que o DMAIC se baseia mais em processos de fabricação ou transacionais, enquanto o DFSS engloba marketing, pesquisa e design também. O DFSS traz uma enorme mudança de papéis em uma organização. A equipe do DFSS é multifuncional, pois o fator-chave abrange todos os aspectos do produto da pesquisa de mercado para o processo de lançamento.

Assim, o DFSS fornece ferramentas para que o processo de melhoria seja feito de forma eficiente e efetiva. Isso prova ser uma técnica de gerenciamento poderosa para projetos. Otimiza o processo de design de modo a alcançar o nível de Seis Sigma para o produto.

Por que implementar o design para o Six Sigma (DFSS)?

Quando sua empresa projeta um novo produto ou processo a partir do zero, requer uma quantidade considerável de tempo e recursos. Muitos produtos hoje são altamente complexos, oferecendo múltiplas oportunidades para que as coisas corram mal. Se o seu projeto não atender às reais necessidades e expectativas do cliente ou se o seu produto não fornecer o valor pelo qual o cliente está disposto a pagar, as vendas do produto serão prejudicadas.

Redesenhar produtos e processos é caro e aumenta o tempo de lançamento no mercado. Em contraste, ao utilizar as metodologias Design for Six Sigma, as empresas reduziram seu tempo de mercado em 25 a 40 por cento, ao mesmo tempo em que fornecem um produto de alta qualidade que atende aos requisitos do cliente. O DFSS é uma abordagem proativa para projetar com dados quantificáveis ​​e ferramentas de design comprovadas que podem melhorar suas chances de sucesso.

Quando implementar o Design for Six Sigma (DFSS)?

O DFSS deve ser usado ao projetar um produto ou serviço completamente novo. O DFSS é destinado ao uso quando você deve substituir um produto em vez de reprojetar. Quando o produto ou processo atual não puder ser melhorado para atender aos requisitos do cliente, é hora de substituí-lo. As metodologias DFSS não devem ser aplicadas a mudanças incrementais em um processo ou design. O DFSS é usado para prevenção de problemas de qualidade. Utilize a abordagem DFSS e suas metodologias quando seu objetivo é otimizar seu projeto para atender às reais necessidades e expectativas do cliente, reduzir o tempo de lançamento no mercado, fornecer um alto nível de qualidade inicial do produto e ter sucesso na primeira vez.

O que você deve considerar para utilizar o DFSS?

  • Se o resultado do negócio está mostrando “gráficos em forma de escada”.
  • Novos produtos / serviços / processos
  • Mudança exponencial
  • Introdução de novas tecnologias

Metodologia de design baseada em conjunto que incorpora concepção simultânea de engenharia, conceitos de robustez de taguchi e soluções de projeto de convergência usando um amplo conjunto de possíveis soluções, convergindo para um conjunto estreito de alternativas e, em seguida, para uma solução final.

Design for Six Sigma (DFSS) na prática: Starbucks

Em 40 anos, a Starbucks passou de uma loja autônoma em Seattle para a maior rede de cafeterias do mundo. Não importa onde você mora, as chances são que você pode encontrar um local próximo, cheio de entusiastas do café e aficionados. Ao entrar em um Starbucks, os clientes experimentam uma atmosfera sofisticada. A combinação de grãos torrados, música jazz relaxante e jovens profissionais digitando em seus notebooks, cria um senso muito familiar. No entanto, a Starbucks nem sempre foi um nome familiar para o qual os adolescentes e os pais se regozijaram. Como muitas outras empresas, a Starbucks participou de um programa de treinamento Lean Six Sigma, lançando novas operações em todas as suas localidades. Veja o que a gigante do café fez para se tornar a história de sucesso pela qual é conhecida hoje!

Cafés Tradicionais vs. Starbucks

Quando você pensa em um café, imagina um ambiente calmo e relaxante. Talvez você imagine-se desfrutando de um café saboroso enquanto se atualiza em alguns e-mails. Embora essa imagem seja comum na maioria dos cafés, a Starbucks está começando a diferir lentamente. À medida que a corporação cresce, sua base de seguidores força-a a se adaptar à velocidade e precisão que os clientes esperam agora. Semelhante aos restaurantes fast-food, os clientes querem o seu café ideal, feito fresco, em poucos minutos. A Starbucks viu esse desafio como uma maneira de implementar as metodologias Lean Seis Sigma enquanto permanecia fiel à sua fundação.

Métodos Lean Six Sigma

Para a Starbucks, a gerência queria unir a velocidade e a eficiência de restaurantes fast-food comuns com o elemento humano que os clientes esperam. No entanto, ao tentar fazer isso, é fácil substituir um pelo outro. Sabendo como os clientes pedem seus cafés e suas experiências na loja, o gigante do café criou duas mudanças úteis:

  • Primeiro, a Starbucks fornece novas técnicas de treinamento para os funcionários, especificamente os baristas. Embora seja comum que a caixa registradora faça pedidos, os baristas cobram proativamente os pedidos dos clientes antes de pagar. Isso diminui o tempo de espera para receber o café e pagar por ele.
  • A outra maneira pela qual a Starbucks acelera o processo de compra é por meio do aplicativo para dispositivos móveis. Em seu aplicativo, você pode pré-encomendar e pagar por sua bebida de acordo com suas especificações e buscá-la quando chegar à loja.

Lembrando o Elemento Humano

Embora essas eficiências tenham acelerado as operações gerais, a administração da Starbucks está empenhada em manter as interações humanas bem presentes em cada loja. Ao pedir sua bebida na loja, a gerência encoraja os baristas a conversar com os clientes. Perguntar como vai o seu dia, se o seu pedido é o seu café habitual e outras formas de tornar cada transação pessoal. Por meio do aplicativo, a Starbucks lançou sua própria versão de um programa de fidelidade. Ao contrário dos cartões de selos tradicionais, o aplicativo móvel permite coletar “estrelas” que você pode acumular para cafés gratuitos. Além disso, ao atender a um determinado número de transações, você obterá diferentes níveis de status de lealdade. Esta é apenas uma outra forma pela qual a Starbucks reconhece e recompensa os clientes por fazer compras em seus locais.

Embora o Lean Six Sigma tenha sido originalmente projetado para organizações de manufatura e produção, o serviço, a hospitalidade e vários outros setores encontraram maneiras de usar a metodologia em seu benefício. A Starbucks é um exemplo excelente de estudo de caso de uma organização que encontra maneiras inovadoras de aumentar a eficiência e, ao mesmo tempo, preservar sua individualidade.

Como aprender tudo isso?

Recomendamos nossas certificações Yellow BeltGreen Belt e Black Belt. Com as técnicas aprendidas no curso, você conseguirá passar pelo DFSS de maneira tranquila e assertiva. Hoje, o Design, a Experiência do Usuário e a Experiência do cliente, são competências muito procuradas em todos os negócios relacionados à internet. Domine essa parada!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *