Lean-Agile: Semelhanças, Diferenças e Aplicações

lean-agile
12 de novembro de 2019
Última modificação: 19 de agosto de 2021

Autor: Guilherme Mendes
Categorias: Lean

As organizações precisam encontrar maneiras de avançar mais rapidamente e fornecer produtos e serviços de melhor qualidade aos clientes, enquanto fornecem estrutura e estabilidade para promover uma cultura organizacional saudável. O sucesso no mercado global de hoje depende da capacidade de uma organização de agregar valor, tanto para seus clientes quanto para seus funcionários e, para isso as metodologias Lean e Agile são bastante proveitosas .

Estruturas corporativas convencionais e de baixa movimentação podem dificultar a capacidade organizacional das empresas, o que muitas vezes, pode significar o fechamento de suas portas. Portanto, para sobreviver, organizações de todo o mundo estão adotando os métodos mais inteligentes e eficientes usados pelas empresas dinâmicas e de rápido crescimento.

A fim de fazer com que as empresas produzam ofertas de maior qualidade e desenvolvam sustentabilidade e práticas saudáveis em seus negócios, são utilizadas as metodologias Lean e Agile. No entanto, como elas são implementadas de maneira diferente em diferentes equipes, organizações e indústrias, há muita confusão sobre as distinções entre essas metodologias e as práticas associadas a elas.

Quer se aprofundar nos conhecimentos sobre a metodologia Lean? Conheça nosso curso gratuito de Introdução ao Lean! Com ele você será capaz de identificar os 7 desperdícios visuais, aplicar as ferramentas do Lean para eliminá-los e identificar os processos que agregam valor ao cliente. Confira:

Introdução ao Lean Manufacturing

Qual a história do Agile e Lean?

As primeiras aplicações de ambas as metodologias trabalhando em conjunto se estabeleceu em empresas de TI. A metodologia Agile foi originalmente projetada para desenvolvimento de softwares e ainda é amplamente utilizada em organizações de TI em todo o mundo. O Lean começou muito antes da época do desenvolvimento de softwares, mas suas aplicações mais modernas encontraram um lar nas organizações de TI.

Hoje, 48% das transformações Lean começam em TI antes de se espalhar pela organização. Com a crescente necessidade de sistemas de informação sofisticados e adaptáveis, a influência da TI nas organizações aumentou significativamente. Esse significado crescente introduziu equipes não técnicas, como marketing e vendas, na eficiência, produtividade e estrutura que os princípios Agile e Lean fornecem.

Ao mudar a maneira como trabalhamos, mudamos a maneira como interagimos, o que por sua vez, muda nossa cultura. Assim, as organizações de TI também demonstraram o efeito transformador que os princípios Lean e Agile podem ter na cultura de uma organização.

Os princípios Lean e Agile promovem o foco no trabalho e nos processos pelos quais o trabalho flui, porém não nas pessoas responsáveis pelo trabalho. Essa abordagem, conhecida como desenvolvimento Lean-Agile (enxuto e ágil) em TI, permite que as equipes se previnam de problemas de trabalho envolvendo acusações e procurando culpados, permitindo melhor colaboração, mais criatividade com entrega mais rápida e de maior valor.

O que é gestão Agile?

As sementes da metodologia Agile foram plantadas décadas atrás, porém se consolidou de fato numa reunião histórica de 17 desenvolvedores no resort Snowbird, em Utah, em 2001, como o início do Agile moderno. Os desenvolvedores estavam procurando uma maneira de definir as novas práticas, mais “leves”, que estavam surgindo para se afastar de práticas “pesadas”, que afetavam o desenvolvimento inicial de um software.

Foi durante essa reunião que o Manifesto Ágil foi escrito. O manifesto descreve 12 princípios que orientaram a prática do Agile ao longo das últimas décadas.

As equipes de desenvolvimento de software começaram a praticar o Agile para melhorar a flexibilidade, a satisfação do cliente/usuário e adaptabilidade no mercado. Mas, em vez de implantar um software em versões grandes e agendadas, o Agile promove a divisão do trabalho em iterações pequenas e frequentes. Ao invés de gastar tempo investindo ouro em novos lançamentos internos, equipes levam o trabalho para um estado implantável, o lançam quando pronto e permitem que os usuários forneçam feedbacks sobre o que funciona, o que não funciona e o que pode ser aprimorado.

O Scrum é um subconjunto do Agile usado principalmente pelas equipes de desenvolvimento, que usa caixas de tempo para iterar um produto em sprints de duas semanas. Confiram mais sobre o método Scrum com a FM2S.

O que é Lean?

A história do Lean começa muito antes do tempo do desenvolvimento moderno de software. Começou nas fábricas da montadora japonesa Toyota nas décadas de 1950 e 1960. Desenvolvido por Taiichi Ohno, o Sistema Toyota de Produção (TPS) visava melhorar a redução de perdas e incentivar a produção sustentável. Utilizava sinais visuais para produzir inventário exatamente quando era necessário (conhecida como produção just-in-time) e focava na otimização de todo o sistema de produção para minimizar o desperdício.

Os fabricantes ocidentais lutaram para acompanhar o ritmo das empresas japonesas e, assim, começaram a adotar os princípios básicos  desta metodologia que, mais tarde, passou a ser conhecida como Lean Manufacturing. Durante esse período, o Lean se resumia a ideias excessivamente simplistas, geralmente usadas para justificar ​​cortes de custos nocivos para empresa.

Em seus livros, “A Máquina que Mudou o Mundo” e “Pensamento Lean”, Jim Womack e Dan Jones nos ajudaram a elevar nossa compreensão do Lean, permitindo assim que passássemos de imitar as práticas da Toyota para realmente entender e aplicar os princípios que fizeram todo o sistema Toyota. Confira os 10 melhores livros da literatura Lean.

A abordagem do Lean como um conjunto de princípios orientadores, em vez de um conjunto específico de práticas prescritivas, torna a implementação mais fácil, mais flexível e mais sustentável. Dessa forma, é essa versão do Lean que começou a se espalhar pelas organizações de TI e agora em todas as faculdades do conhecimento aplicado ao trabalho.

O que motivou a mistura Lean-Agile?

O Agile mantém sua participação no desenvolvimento de software e também se espalhou pelos departamentos de marketing, vendas e outros. O Agile provou ser eficaz a nível de equipe, mas não fornece uma estrutura para gerenciar o trabalho entre equipes multifuncionais, nem para escalar o planejamento e a priorização nos níveis de equipe, projeto e portfólio. É por isso que muitas organizações adotaram modelos híbridos, como o Scaled Agile Framework (SAFe), a fim de escalar o Agile, influenciado fortemente pelo Lean, em toda a organização.

Quais são as comparações e contrastes do Agile e Lean?

Metas

O objetivo do Agile é, portanto, tornar o processo de desenvolvimento flexível, o que é feito fornecendo iterações pequenas e frequentes. O objetivo do Lean é tornar o processo de desenvolvimento sustentável, o que é feito através da melhoria contínua dos processos. Ouvir e incorporar o feedback do cliente está no centro do Agile e do Lean.

Ciclos de ação e medidas de progresso

As equipes ágeis trabalham em iterações focadas em recursos, com uma predefinição de “concluído” como a medida do progresso de cada iteração. Dessa forma, o Agile Manifesto define “software de trabalho” como uma medida primária de progresso. Fora do software, o progresso pode ser medido pelo desenvolvimento bem-sucedido de um produto ou serviço (entregáveis).

As equipes Lean operam em um ciclo de “Build-Measure-Learn”, definindo o progresso como aprendizado validado. Dessa forma, comparado ao modelo iterativo do Agile, o desenvolvimento Lean envolve testar, medir e validar hipóteses com base nas tendências do mercado e em trabalhos anteriores. Assim, ao planejar e priorizar o trabalho, as equipes Lean se concentram nos esforços que proporcionariam maior valor ao cliente. Elas identificam continuamente maneiras de reduzir o desperdício enquanto maximizam o valor do cliente.

Ferramentas

Muitas equipes Lean usam os quadros Kanban para visualizar e gerenciar seus fluxos de trabalho. Além disso, também usam o Kaizen, um método de melhoria contínua, para identificar e remover habitualmente os resíduos. Desenhando influências do Lean, os princípios do Agile também incorporam elementos de melhoria contínua. Assim, muitas equipes Agile usam o Kaizen para melhorar seus processos. Além dessas, há muitas outras ferramentas do sistema Lean e outras metodologias, confira esses e outros materiais com a FM2S.

As equipes ágeis também usam o Kanban para visualizar o fluxo de trabalho necessário para liberar uma iteração específica de um produto ou recurso. Assim, a aplicação do fluxo Kanban ao Agile ajudou as equipes a trabalharem em locais onde o desenvolvimento iterativo do Agile teve dificuldades.

Agile e Lean em Larga Escala

Com o tempo, diferentes tipos de departamento e equipes encontraram maneiras novas e exclusivas de implementar os princípios Lean e Agile. Em algumas organizações, as equipes de negócios adotam o Lean enquanto o departamento de TI pratica o Agile. Em outros, as equipes praticam um híbrido Lean-Agile, utilizando elementos das duas metodologias. No entanto, como não há uma maneira única e definida de fazer Lean ou Agile, as organizações geralmente confundem as duas, o que pode ser problemático ao tentar dimensionar uma prática consistente em toda a organização.

O Agile provou ser eficaz no nível da equipe, mas não fornece uma estrutura para gerenciar o trabalho entre equipes multifuncionais, nem para escalonar o planejamento e a priorização nos níveis de equipe, projeto e portfólio.

A expansão da aplicação dos métodos Agile, para todo o processo de criação de produtos, requer o uso de uma estrutura Lean que inclua:

  • Equipes multifuncionais capacitadas;
  • Uso de métodos de melhoria contínua;
  • Gerentes como mentores e professores.

O Agile se concentra na evolução dos produtos para melhor atender aos requisitos do cliente, mas não aborda como evoluir os processos para suportar melhor a evolução do produto. Além disso, é aqui que o Kaizen, um método Lean para melhoria contínua, entra em cena.

Ter conhecimentos sobre essas metodologias e ferramentas ajudará você a se destacar e alavancar sua carreira. Pois com isso, você será capaz de identificar os desperdícios visuais, aplicar as ferramentas para eliminá-los e definir processos que agregam valor ao cliente. Confira neste vídeo da FM2S como o pensamento Lean pode ajudar na sua carreira:

Usando o pensamento sistêmico, a abordagem de melhoria contínua das práticas de desenvolvimento Lean e Agile pode ser usada para ajudar as organizações a criar organizações saudáveis e inovadoras que entregam valor ao cliente de maneira sustentável.

Se interessou pelo assunto? Confira mais conteúdos:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *