Six Sigma: O que é e como aplicar na sua empresa?

13 de outubro de 2017
Última modificação: 19 de janeiro de 2022

Autor: Paula Louzada
Categorias: Blog, Melhoria de Processos, Seis Sigma

Afinal, o que é Six Sigma?

O Six Sigma é um método que fornece ferramentas às organizações para melhorar a capacidade de seus processos de negócios. Esse aumento no desempenho e a diminuição na variação do processo levam à redução de defeitos e à melhoria nos lucros, na moral dos funcionários e na qualidade dos produtos ou serviços. A qualidade Six Sigma é um termo geralmente usado para indicar que um processo é bem controlado (dentro dos limites do processo ± 3s da linha central em um gráfico de controle e limites de requisitos / tolerância ± 6s da linha central).

Diferentes definições foram propostas para o Six Sigma, mas todas compartilham alguns tópicos comuns:

  • Uso de equipes que recebem projetos bem definidos com impacto direto no resultado final da organização.
  • Treinamento em “pensamento estatístico” em todos os níveis e fornecendo às pessoas-chave um extenso treinamento em estatísticas avançadas e gerenciamento de projetos. Essas pessoas-chave são designadas como “Black Belts”. Examine os diferentes cintos, níveis e funções do Six Sigma .
  • Ênfase na abordagem DMAIC para a solução de problemas: definir, medir, analisar, melhorar e controlar.
  • Um ambiente de gerenciamento que suporta essas iniciativas como uma estratégia de negócios.

O método Six Sigma, orientado para a qualidade, visa reduzir a variabilidade de um processo para se orientar para o defeito zero. O método Six Sigma baseia-se em uma abordagem referenciada tanto na voz do cliente (o famoso VOC -Voice of Costumer) que nos ajuda a coletar informações como em dados mensuráveis, no qual utilizamos a árvore CTC (critical do customer) ou CTQ (critical to quality), que nos ajuda a transformar ideias abstratas em indicadores concisos e confiáveis.

Este método é usado para reduzir a variabilidade nos processos de produção (ou outros) e no nível do produto e, portanto, visa melhorar a qualidade geral do produto e dos serviços.

O método Six Sigma encoraja a empresa a adotar ações mensuráveis ​​e efetivas, melhor satisfazer seus clientes, envolver equipes e muitas vezes melhorar sua imagem. Há duas formas para levar o Six Sigma para sua empresa: solicitar um Treinamento Corporativo à FM2S ou então, capacitar seu pessoal interno, formando Green Belts e Black Belts.

Quais as opiniões divergentes sobre a definição do Six Sigma?

  • Filosofia – A perspectiva filosófica vê todo trabalho como processos que podem ser definidos, medidos, analisados, aprimorados e controlados. Processos requerem entradas (x) e produzem saídas (y). Se você controlar as entradas, você controlará as saídas. Isso geralmente é expresso como y = f (x).
  • Conjunto de ferramentas – O especialista em Six Sigma usa técnicas qualitativas e quantitativas para impulsionar a melhoria de processos. Algumas dessas ferramentas incluem controle estatístico de processo (CEP) , gráficos de controle , modo de falha e análise causa-efeito e mapeamento de processo . Os profissionais do Six Sigma não concordam totalmente sobre quais ferramentas constituem o conjunto.
  • Metodologia – Esta visão do Six Sigma reconhece a abordagem subjacente e rigorosa conhecida como DMAIC (definir, medir, analisar, melhorar e controlar). DMAIC define os passos que um praticante de Six Sigma deve seguir, começando com a identificação do problema e terminando com a implementação de soluções duradouras. Embora o DMAIC não seja a única metodologia Six Sigma em uso, é certamente o mais amplamente adotado e reconhecido.
  • Métricas – Em termos simples, o desempenho da qualidade Six Sigma significa 3,4 defeitos por milhão de oportunidades (representando uma mudança de 1,5 sigma na média).

Qual é a origem do Six Sigma?

Em 1986, o método Six Sigma nasceu na Motorola, uma empresa americana, com sede nos subúrbios de Chicago. O Six Sigma® foi registrado pela empresa, para saber mais sobre esta história veja este artigo.

O principal objetivo do método foi aumentar a satisfação do cliente, melhorando a qualidade dos processos de produção dos produtos e, portanto, a qualidade dos produtos. O primeiro escopo do método foi, portanto, processos industriais, mas o método se estendeu a outras áreas, como processos logísticos, administrativos, comerciais e até economizando energia.

Por que o nome Six Sigma?

A letra grega sigma σ corresponde ao desvio padrão e lembremos que o desvio padrão é a raiz quadrada da variância no sentido matemático. Então “Six sigma” é 6 vezes o desvio padrão, como podemos observar na Figura 1 abaixo. O desvio padrão pode ser assimilado à dispersão de um processo.

Figura 1: 68,3% devem ficar na área delimitada pela média menos 1 desvio padrão e a média mais 1 desvio padrão. 99,7% dos dados ficam entre a média menos 3 desvios padrão e a média mais 3 desvios padrão.

Especificamente, o método visa garantir que todos os produtos originários de um processo estejam dentro de uma faixa de até 6 sigma em relação à média geral dos produtos resultantes desse processo. Reduzir a variabilidade dos produtos de processo reduz o risco de o produto e / ou serviço ser rejeitado pelo destinatário porque está fora de suas expectativas ou especificações. Então, tentamos melhorar o processo até que apenas os produtos que correspondem às expectativas, as especificações são entregues: produzir da maneira esperada desde a primeira vez evitando correções, alterações, reparos e, especialmente, os custos associados .

Os proventos da aplicação do seis sigma são dos mais variáveis e atingem tanto clientes, como também a própria empresa. São eles: elevação dos níveis de qualidade, aumento da satisfação de clientes e lucratividade, redução do tempo de produção, recursos e custos, maior engajamento das equipes de trabalho, entre outros.

Six Sigma e Qualidade Total

Cada projeto de implementação do método Six Sigma em uma organização responde a uma seqüência precisa e objetivos quantificados. Por exemplo, reduzindo o tempo de produção em v%, reduzindo a poluição em%, reduzindo x% os custos, aumentar y% a satisfação do cliente e aumentar z% de lucro. Aqui encontramos os princípios de Gestão de Qualidade Total (TQM), que é uma abordagem de gestão da qualidade que visa envolver toda a empresa para alcançar a qualidade perfeita, reduzindo o desperdício e melhorando permanentemente os elementos de saída. Esta abordagem é descrita em particular no livro de Tom Peters “In Search of Excellence”, uma versão brasileira do qual é conhecido como “Em busca da Excelência”.

Um processo industrial ou um serviço envolve várias tarefas repetitivas. Este é o caso, por exemplo, da produção de uma peça em produção em massa. Uma sala ou um serviço está de acordo com o que se espera se satisfizer vários critérios, mas as partes ou serviços não podem ser totalmente e estritamente idênticos. O método Six Sigma visa melhorar o processo para que esses produtos sejam bons, não é para controlar os produtos, mas para garantir que o processo seja confiável.

O método Six Sigma pode ser implementado em qualquer tipo de processo e não apenas na produção, é suficiente que o desempenho do processo seja mensurável.

Os consultores Six Sigma em todo o mundo desenvolveram metodologias proprietárias para implementar a qualidade Six Sigma, com base nas filosofias semelhantes de gerenciamento de mudanças e nas aplicações de ferramentas.

Como o Six Sigma integra-se ao Lean?

Lean e Six Sigma têm o mesmo propósito geral de fornecer ao cliente a melhor qualidade possível, custo, entrega e um novo atributo, agilidade. Há muita sobreposição, e os discípulos de ambos discordam sobre quais técnicas pertencem aonde.

As duas iniciativas abordam seu propósito comum de ângulos ligeiramente diferentes:

  • Lean se concentra na redução de desperdícios, enquanto Six Sigma enfatiza a redução de variação
  • O Lean alcança seus objetivos usando ferramentas menos técnicas, como kaizen, organização do ambiente de trabalho e controles visuais, enquanto o Six Sigma tende a usar a análise de dados estatísticos, o planejamento de experimentos e testes de hipóteses.

Os usuários mais bem-sucedidos de implementações começam com a abordagem enxuta, tornando o local de trabalho o mais eficiente e eficaz possível, reduzindo o desperdício e usando mapas de fluxo de valor para melhorar o entendimento e a produtividade.

Quando os problemas do processo permanecem, as ferramentas estatísticas mais técnicas do Six Sigma podem ser aplicadas. Uma coisa que eles têm em comum é que ambos exigem forte suporte da gestão para torná-los a maneira padrão de fazer negócios.

Algumas organizações responderam a essa dicotomia de abordagens formando uma equipe de resolução de problemas Lean Six Sigma com especialistas nos vários aspectos de cada disciplina, mas com cada membro ciente dos campos dos outros. As forças-tarefa dessa equipe são formadas e reformadas, dependendo do problema em questão.

Quem se beneficia com o uso do Lean Six Sigma?

Lean Six Sigma trabalha para pequenas e médias empresas (MPEs) e grandes empresas. Na verdade, muitas vezes, o mesmo sucesso alcançado em grandes empresas pode ser alcançado em pequenas e médias empresas, uma vez que organizações menores podem se mover mais rápido porque há menos pessoas, menos recursos e níveis mais baixos de burocracia.

Os benefícios são ilimitados, pois o Lean Six Sigma aumenta a receita e reduz os custos, enquanto libera recursos que podem ser utilizados para qualquer empreendimento que sua organização desejar.

Por exemplo:

  • Um novo produto ou serviço
  • Outros projetos de melhoria
  • Expandindo sua força de vendas

O Lean Six Sigma não só aumenta a receita e reduz custos, como também afeta positivamente as pessoas ao envolvê-las na melhoria da maneira como trabalham. Como os funcionários são os mais próximos do trabalho real (produção de um produto ou entrega de um serviço) de qualquer organização, eles se tornam os melhores recursos para entender como melhorar a eficiência e a eficácia dos processos de negócios.

Ao participar de projetos bem-sucedidos do Lean Six Sigma, os funcionários podem construir a confiança e desenvolver a capacidade de se tornarem os ativos mais importantes de sua empresa. Estudos mostram que quando os funcionários sentem que têm um efeito positivo na organização, eles têm um desempenho melhor, são mais responsáveis ​​e têm uma vida mais feliz. E assim que seus funcionários se familiarizarem com as habilidades do Lean Six Sigma, eles poderão continuar a encontrar e remover problemas e desperdícios em sua organização.

Six Sigma escuta a voz do cliente

Para que o método seja efetivo, primeiro é preciso ter em conta a voz do cliente, ou seja, coletar e analisar as opiniões dos clientes. Então, colocar uma abordagem de Six Sigma envolve antes de tudo investigar os clientes em suas necessidades reais.

Isso pode ser feito através de questionários, pesquisas on-line, uma força de vendas e análise de reivindicações. As ferramentas da Web, como o criador de questionários SurveyMonkey ou o GoogleForms são úteis para facilitar este trabalho.

Uma vez que as necessidades do cliente estão claramente determinadas. O método Six Sigma poderá questionar a capacidade dos processos da organização para entregar o produto e / ou serviço esperado.

Como melhorar os processos?

Em resumo, o método Six Sigma baseia-se, você entenderá, nas noções de cliente, processo e medição. Portanto, é uma questão de medir as expectativas dos clientes, medindo o desempenho dos processos comerciais da empresa em relação a essas expectativas. Usando ferramentas estatísticas para analisar as causas que influenciam o desempenho, soluções para corrigir as causas do não desempenho, utilizar ferramentas de medição para verificar se as soluções implementadas têm o efeito esperado na melhoria do desempenho.

O DMAIC

Assim, o método Six Sigma usa a ferramenta DMAIC:  Define (ou definir), Measure (ou medir), Analyze (ou analisar), Improve (ou melhorar) e Control (ou controlar).

Cada passo DMAIC tem ferramentas diferentes, aqui estão alguns exemplos:

  • Definir: VOC (Voice of Customer)SIPOC (Fornecedor Input Process Output Customer, …), contrato de melhoria, matriz de análise de stakeholders, matriz de comunicação.
  • Medir: começar a entender os processos e seu desempenho.  Para processos temos 0 SIPOC, com ênfase no mapeamento de processos, a criação de fluxogramas e elaboração de um VSM (value stream mapping, ou mapeamento do fluxo de valor). Para dos dados temos ferramentas como gráficos de tendência, de controle e de frequência  (como  histogramasBox-Plots, gráficos de barras, de setores, de Pareto) além das análises de capabilidade e MSA (Measure System Analysis)
  • Analisar: mapeamento detalhado do processo (por exemplo, análise do valor, diagrama de Ishikawa, criação de Poka-Yokes, análises de desconexões, técnicas de criatividade). Estudo de correlação e análise de Regressão Linear.
  • Melhorar:  iniciamos nossos experimentos. As ferramentas mais importantes a serem trabalhadas são o ciclo PDSA e o planejamento de experimentos, usando experimentos fatoriais.
  • Controlar: fase em que implementamos as mudanças vencedoras. Para que essa  implementação seja bem-feita, aplicamos algumas ferramentas de psicologia, como o diagrama de campos de força e elaboramos bons padrões e bons treinamentos. Sem isto, o risco de uma boa mudança perder-se é grande.

Quais são as Certificações Six Sigma?

É possível passar certificações para aprender a implementar corretamente o método Six Sigma.

Suba as escalas da pirâmide Six Sigma. Tal como no judô, os níveis de experiência são representados por faixas de cores diferentes. Seja White Belt, Yellow Belt, Green Belt, Black Belt e Master Black Belt.

– O White Belt: Primeiro passo para entender o método Lean e Six Sigma e aqui na FM2S temos a certificação inteiramente gratuita.

– O Yellow Belt: consciente dos problemas do Six Sigma, ele está ajudando a realizar um projeto de melhoria sob a orientação dos níveis mais altos.

– O Green Belt: que deverá dedicar parte do seu tempo (geralmente cerca de 25%) à implementação de projetos de melhoria.

– O Black Belt: um líder de equipe que se dedica em tempo integral à melhoria (gerenciamento de projetos, treinamento de Green Belts e outros Black Belts) e deve dominar o método como um todo.

– O Master Black Belt: um mentor e treinador de Black Belts, é o garante do respeito pela abordagem e está habilitado a supervisionar os Black Belts.

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.