O que são Modelos de Gestão? Qual aplicar?

O que são modelos de gestão_ Qual aplicar_
05 de setembro de 2020
Última modificação: 05 de setembro de 2020

Autor: Paula Louzada
Categorias: Blog, Gestão de Projetos

Na atualidade, modelos de gestão se tornaram um tema bastante recorrente e relevante. Isso porque eles correspondem aos esforços das empresas de buscar novas formas de vantagem competitiva, além de serem fontes duradouras de distinção. Afinal,  são difíceis de copiar e valiosos no mercado.

Uma possibilidade emergente e intrigante é a ideia de que o modelo de gestão de uma empresa pode se tornar uma fonte de vantagem. Assim, perguntar “Qual é o seu modelo de gestão?” pode acabar sendo tão importante quanto perguntar “Em que negócio você realmente está?” – a questão mais fundamental que existe no mundo corporativo.

O que são os Modelos de Gestão?

Modelos de Gestão são as escolhas feitas pelos altos executivos de uma empresa em relação a como eles definem objetivos, motivam esforços, coordenam atividades e alocam recursos. Ou seja, é a forma como eles definem o trabalho da administração, da gestão.

Inspiradas por mudanças nas expectativas de seus funcionários, novas capacidades tecnológicas e ofertas de concorrentes emergentes, algumas empresas estão descobrindo que um modelo de gestão diferenciado pode ser um fator chave para sua competitividade.

Por que os Modelos de Gestão são importantes?

Vale a pena destacar os três principais motivos pelos quais é importante dar atenção aos modelos de gestão. São eles:

  1. Um modelo de gestão envolve escolhas no nível mais fundamental sobre como a empresa será administrada. Essas escolhas, por sua vez, moldam as práticas e comportamentos específicos na empresa. Mas como esses princípios são invisíveis e raramente explicitados, muitas vezes não temos conhecimento dos modelos de gestão que usamos. Por isso é necessário ir ativamente atrás desses conhecimentos.
  2. Com a compreensão dos princípios de gestão que operam nas empresas, assim como das alternativas existentes, é possível realizar mudanças conscientes em nossos modelos de gestão – as quais podem trazer enormes benefícios para a competitividade.
  3. Não existe um modelo de gestão ideal, da mesma forma como não existe um “antigo” conjunto de princípios que precise ser substituído. Em vez disso, há escolhas a serem feitas, e a escolha apropriada depende de uma série de fatores circunstanciais e competitivos. Assim, as empresas que geram vantagem competitiva a partir de seu modelo de gestão são aquelas que fazem escolhas conscientes e diferenciadas sobre quais princípios seguir.

Modelos de Gestão: conheça os 5 principais

Com esses modelos de gestão, você vai poder ver sua carreira em diferentes perspectivas, afinal, os modelos de gestão não são aplicáveis ​​apenas para negócios, mas para a sua vida também. Se você compreender bem o que os proponentes desses modelos têm a ensinar, você será capaz de ajustar detalhes na sua vida aqui e ali e será capaz de projetar um modelo personalizado para sua carreira e crescimento profissional.

1. Modelo de gestão da mudança de Kurt Lewin

A mudança é elemento essencial de uma carreira. Portanto, se você quer melhorar a sua, precisa entender esse modelo de Lewin, o qual consiste em 3 etapas. Digamos que você queira mudar o nível de produtividade da equipe ou a sua própria em uma determinada semana. Aqui está o que você deve fazer.

1- Descongelar

Neste estágio, você precisa comunicar (a si mesmo ou aos membros de sua equipe) porque o antigo método de trabalho não está melhorando a produtividade. Criar consciência e comunicar é o primeiro passo para iniciar o processo de mudança. Ou seja, mesmo que haja resistência, você precisa garantir que os membros da equipe (ou você mesmo) entendam por que a mudança é necessária.

2- Mudar

A mudança é a etapa mais difícil, pois os novos comportamentos e métodos levarão algum tempo para se ajustarem até que conduzam a melhores resultados. Mas depois que você ou sua equipe passam por esse estágio, as coisas começam a ficar mais fáceis.

3- Congelar novamente

Depois que você ou sua equipe se acostumarem com o novo sistema para melhorar a produtividade, é hora de defini-lo como uma norma. Mas como? Usar um sistema de recompensa pode ser uma boa! Se isso funcionar, sua carreira e produtividade irão disparar.

2. Pirâmide de Maslow

É bem provável que você já tenha ouvido falar da Pirâmide de Maslow; mas, se não, vale a pena conhecer! Basicamente, Maslow propôs que as necessidades humanas possam ser organizadas em uma hierarquia. Essa hierarquia varia de necessidades mais concretas – como comida e água – a conceitos mais abstratos, como auto realização. Segundo Maslow, quando uma necessidade mais baixa é atendida, a próxima necessidade na hierarquia se torna nosso foco de atenção.

Necessidades fisiológicas: você precisa atender a essas necessidades básicas antes de pensar nas outras . Ar, água, comida, abrigo, sexo, sono e calor são as necessidades básicas, como Maslow apontou. Eles também são chamados de necessidades biológicas.

Segurança: Uma vez que você possa atender às necessidades físicas, você irá em frente e pensará sobre sua segurança, mantendo a lei e a ordem, garantindo a segurança e se livrando do medo.

Amor e Pertencimento: Então, você precisa ter família, amigos e amor e carinho e um lugar onde você sinta que está incluído.

Estima: Depois das necessidades fisiológicas, de segurança e de amor e pertencimento, você pode pensar em conquista, domínio, respeito próprio, autonomia.

Realização pessoal: esta é a mais alta necessidade na pirâmide,  e consiste em atingir todo o seu potencial. Ou seja, extrair o melhor de você e deixando um legado que, por exemplo, Steve Jobs chamou de “fazer uma marca no universo”.

Seguindo o modelo de gerenciamento de Hierarquia de Necessidades de Maslow, você será capaz de criar um excelente equilíbrio entre sua carreira e vida pessoal.

3. Cinco Disciplinas

Proposto por Peter Senge, este é um modelo de negócio cuja essência é: aprender é uma parte essencial do seu crescimento e carreira.

Nessa linha, nós te convidamos a conhecer a Assinatura FM2S, que tem como intuito, através de 12 meses de acesso a mais de 50 cursos (aos quais se soma um novo a cada mês), mudar a sua vida desde a parte profissional até o ambiente que o cerca. Conheça!

Agora, vamos conferir uma a uma as disciplinas de Senge.

1- Pensamento sistêmico: isso deve vir por último, mas esta disciplina entrelaça as outras quatro disciplinas para que você possa praticá-las da maneira adequada.

2- Domínio pessoal: de acordo com Senge, você não deve ver seu trabalho como um meio de ganhar dinheiro, mas sim que você veja seu trabalho como um artista olharia para uma obra de arte. Ou seja, você precisa se esforçar constantemente para torná-la melhor e bonita.

3- Modelos mentais: vemos o mundo de acordo com nossos modelos mentais arraigados. Para melhorar nossa maneira de pensar, precisamos melhorar nossa visão dos mundos e uma melhor compreensão dos velhos e novos modelos mentais.

4- Construir uma visão compartilhada: Uma organização não pode avançar sozinha. Isso significa que para administrar bem uma organização e alcançar o sucesso, precisamos depender uns dos outros. É realmente tudo sobre interdependência. Portanto, sua visão deve ser pelo menos compartilhada por sua equipe para torná-la eficaz e para poderem ajudar uns aos outros na busca pelo sucesso.

Quanto a esta disciplina, separamos uma dica para você: o POP, ou Procedimento Operacional Padrão. O POP é um documento que formaliza o passo a passo de tarefas repetitivas e pode ser seu maior aliado em casos de rotação de colaboradores. Conheça mais sobre o POP!

5- Aprendizagem em equipe: quando os membros da equipe estão fechando todas as suas suposições e, em vez disso, se engajando em um diálogo verdadeiro, eles aprenderão mais rápido.

Para aperfeiçoar-se nessas duas últimas disciplinas, confira o curso de Gestão de Equipes da FM2S!

4. Ciclo de Deming – PDCA

Este é um modelo de gestão muito útil se você deseja melhorar sua produtividade ou fazer qualquer coisa em sua carreira. Além disso, é simples de entender e fácil de implementar. Existem quatro partes do Ciclo de Deming, o guru de negócios proponente desse modelo de gestão – o qual pode-se denominar também de Ciclo PDCA. Veja as fases abaixo:

Plan (Planeje): nesta fase, você precisa planejar o que vai implementar. É fácil articular um plano antes de agir.

Do (Faça): depois de planejar, você deve ir em frente e implementar seu plano de ação.

Check (Verifique): uma medida de controle deve estar lá para que você possa entender o quão bem-sucedido está em seus esforços para implementar seu plano de ação. A melhor maneira de verificar sua ação é ter um conjunto de padrões estruturado de antemão.

Act (Agir): Depois de verificar e fazer correções de curso, você pode melhorar o processo que Deming chamou de “agir”. Dessa forma, quando houver melhora no processo, você voltará ao planejamento.

Você pode estar se perguntando como esse modelo de gestão o ajudaria em sua carreira. Portanto, pense em um projeto que você deseja concluir dentro de um limite de tempo. Para simplificar, você decidiu dividir seus grandes projetos em subprojetos gerenciáveis ​​e definir sub-prazos para cada um deles.

Por fim, vale pontuar que há uma variação do ciclo PDCA: o PDSA; neste ciclo, o C (de verificar) é substituído por S (de estudar). Saiba mais no nosso post sobre PDSA ou baixe nossa apostila grátis sobre os Ciclos PDCA e PDSA!

5. Metas SMART

O SMART é um conceito incrível proposto pelo pai da gestão moderna, Peter Drucker, que defende principalmente que se você quer criar ótimos resultados, você precisa medi-los. Suas máximas são as seguintes:

“Não há nada tão inútil quanto fazer algo com eficiência que não deveria ser feito.”

“O que é medido é feito.”

Vejamos o que é SMART e como esse modelo de gerenciamento pode ajudá-lo a ter sucesso em sua carreira. Assim, segundo este modelo você deve ter metas que sejam:

Specific (Específicas): a primeira parte deste modelo de gestão é ser específico sobre o que você deve fazer. Ou seja, não seja vago ou ambíguo, mas sim muito claro sobre o que exatamente deseja alcançar para a organização ou para sua carreira.

Measurable (Mensuráveis): se sua meta não for mensurável, como você saberá quando a alcançou? Você não vai. Portanto, crie uma estrutura até mesmo para objetivos intangíveis, pois ajudará a medir os resultados.

Achievable (Atingíveis): o que você definir para si mesmo deve ser factível. Estabeleça uma meta que você sabe que pode alcançar.

Realistic (Relevante): deve ser realista, relevante. Se você quer ganhar um milhão de dólares em um mês, mas está apenas começando,  essa meta não está apenas além dos seus sonhos, também é extremamente irreal.

Timely (Oportunas): a meta deve ter um prazo. Afinal, sem definir um prazo você provavelmente não realizará uma  atividade no menor tempo possível.

Resumindo

Neste post, abordamos a importância da gestão e, principalmente, de definir quais suas principais características. Isto é: qual é o seu modelo de gestão? Se você ainda não sabe, qual o melhor para você? Conta pra gente nos comentários sua experiência com modelos de gestão!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − onze =