Estatística: o treinamento para melhoria

estatística
30 de julho de 2015
Última modificação: 30 de julho de 2015

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Blog

Aprender Estatística é difícil?

Neste momento, em alguma sala de aula, um aluno que acabou de sair de um curso de Estatística Green Belt tradicional está xingando o professor. O professor acaba de lhe pedir que passe uma parte substancial de seu amado fim de semana analisando dados e elaborando PDSAs e contratos de melhoria.

Há milhares de coisas que o aluno prefere fazer, especialmente após uma semana de trabalho exaustiva. Na verdade, dificilmente há alguma coisa que não prefira fazer. E ele sabe disto muito bem, pois passou vários sábados fazendo isto. Em algum ponto de sua conversa interior, ao chegar em casa, o aluno pergunta: “Quando será que vou usar isso na empresa? Não tenho tempo nem de tocar a minha rotina e cá estou a estudar análises estatísticas e este caminhão de ferramentas lean six sigma“.

Provavelmente há muitos mitos sobre estatísticas, mas existe um que acredito que leva à maior frustração em pesquisadores (e estudantes) enquanto tentam aprender e aplicar estatísticas.

Você conhece a Fábula do Carpinteiro?

Havia uma vez um homem que precisava construir uma casa. Ele tinha uma grande pilha de madeira e ele precisava de um lugar para viver, então ele pensou que ele iria construir um.

Ele percebeu que não tinha conhecimento e muitas habilidades necessárias para construir uma casa.

Então ele fez o que qualquer pessoa inteligente e educada faria. Ele tomou um curso. Havia um monte de novos jargões: trusses, paredes de prumo, 16 “no centro, studs. Era difícil manter tudo certo. Não faz sentido. Por que alguém nunca precisaria de um cabeçalho de qualquer maneira?

Mas ele fez isso com um 7. Ele aprendeu o básico. A casa de cachorro que ele construiu no laboratório era bem reta. Ele mesmo tomou outro curso para se certificar de que ele sabia o suficiente: Carpintaria Avançada.

Era hora de o homem construir sua casa. Ele tinha sua terra, seu plano, suas ferramentas, suas pilhas de concreto, janelas, madeira e unhas.

O primeiro dia começou com entusiasmo. Ele balançou o martelo com entusiasmo e pregou sua primeira parede no lugar. Foi bom.

Mas espere. Sua casa estava sendo construída em uma colina. O livro de texto tinha apenas uma terra plana. Como ele deve lidar com colinas? E esta casa tem uma janela de baía. Sua casa de cachorro tinha apenas janelas com batentes duplas. Não há uma janela de baía fora? E ele não tinha certeza de qual técnica usar para fazer esse ângulo de 145 graus no corredor. Os cursos nunca mencionaram nada além de ângulos de 90 graus. Na classe, eles usavam serras circulares. Para instalar a guarnição que ele ordenou, ele precisava usar uma serra cortada e uma serra de mesa. Mesmo com os planos na frente dele, havia tantas decisões a tomar, tantas novas habilidades para aprender.

E ele deveria mudar para a casa em 4 meses, quando seu aluguel acabaria. Ele nunca conseguiria fazer isso no tempo. Não por conta própria. Parece um idiota, não é? Ninguém poderia construir uma casa depois de tomar alguns cursos.

Construir uma casa requer o conhecimento de como as paredes são construídas, a capacidade de usar as ferramentas e as habilidades práticas para implementar as técnicas.

O Mito da Estatística: Ter conhecimento sobre estatísticas é a única coisa necessária para aplicar estatística.

Sim, o conhecimento é necessário, mas não é suficiente.

Como a Estatística deveria ser ensinada?

As estatísticas não fazem sentido para os alunos porque é ensinado fora do contexto. A maioria das pessoas realmente não aprende estatística até que comecem a analisar dados em sua própria necessidade. Sim, torna essas aulas difíceis, porque os alunos precisam adquirir o conhecimento antes de realmente entenderem isso.

A única maneira de aprender a construir uma casa é construir uma. A única maneira de aprender a analisar dados é analisar alguns. Mas os Green Belts (e construtores de casas) precisam de suporte prático enquanto aprendem. Sim, ambos poderiam ficar com os seus próprios problemas, mas demoram mais, são mais frustrantes e geram muitos outros erros.

Nada disso é necessário. Pode haver um final feliz.

O papel do EAD com Projetos na Estatística

Os carpinteiros trabalham ao lado de um mestre para aprender seu ofício. Nunca ouvi falar de um estatístico ou de um consultor que se senta ao lado de um pesquisador inicial que analise dados. (Qualquer um que tivesse um consultor como esse deveria se considerar afortunado). Ao contrário de um carpinteiro novato, um analista de dados novatos não é útil. Eles nem conseguem segurar a escada.

Mais comuns são os conselheiros que dizem aos alunos quais as aulas de estatística a serem tomadas (novamente, se tiverem sorte) e depois os envia para analisar os dados. O aluno pode fazer perguntas à medida que avançam se não tiverem muito medo de parecer estúpidos. Os bons conselheiros não estão muito ocupados para responder em tempo hábil e estão dispostos a admitir, se não conhecem a resposta.

Mas a maioria se sente um pouco perdida. Não apenas novos – muitos pesquisadores experientes nunca aprenderam muito bem a prática estatística, em primeiro lugar. Quase todos os pesquisadores enfrentam novos desafios estatísticos à medida que sua pesquisa progride, e muitas vezes é difícil encontrar alguém suficientemente experiente que esteja disposto e capaz de explicá-lo.

  • Eles não estão perdidos porque são estúpidos.
  • Eles não estão perdidos porque as estatísticas estão além das suas capacidades.
  • Eles não estão perdidos porque não fizeram bem em suas aulas de estatística.
  • Eles estão perdidos porque estão inclinados como estão fazendo, e qualquer um que aprenda uma habilidade prática precisa de suporte oportuno, prático e preciso para aprender.

Estatística: minha experiência

O que eu posso dizer para você? Penso que a Estatística e o Six Sigma em geral não são apenas uma sequência de procedimentos a serem executados por rotina até que sua paciência ou sua energia se esgote, embora possa parecer num curso tradicional de Green Belt. As ferramentas e análises estatísticas são para a melhoria continua o mesmo que trabalhar com pesos e fazer ginástica são para o futebol.

Se você quer jogar futebol – quer dizer, jogar mesmo, em nível de competição -, vai ter que fazer um monte de exercícios chatos, repetitivos e aparentemente sem sentido. Será que os jogadores profissionais algum dia usam esses exercícios? Bom, você nunca vai ver ninguém em campo levantando halteres nem correndo em zigue-zague entre cones de trânsito. Mas vê os jogadores usando a força, a velocidade, a percepção e a flexibilidade que desenvolveram fazendo esses exercícios, semana após semana, de forma tediosa. Praticar estes exercícios é parte de aprender futebol.

Estatística: Black Belt

Se quiser jogar futebol bem, não há outro jeito. Com a Estatística acontece a mesma coisa. Pode ser que você não este almejando uma carreira de acadêmico na área. Tudo bem – a maioria não almeja. Mesmo assim, você ainda pode usá-la para o seu sucesso na empresa. Acredite! A Estatística entrelaça as coisas de forma racional e deixa você melhor em muita coisa.

Saber Estatística, como diria George Box, é ter um rádio que consegue captar os programas de rádio que te dizem como melhorar. Ela é a Ciência de como não estar errado em relação as coisas. Suas técnicas e hábitos foram moldados ao longo de séculos de trabalho árduo e muita argumentação. Em 40 horas de um Green Belt focado na prática como o nosso você aprende um método de Excelência Operacional que foi aperfeiçoado por vários séculos. Vale ou não a pena? Se quiser mais, também tem o Black Belt.

Com o caminhão de dados que temos disponíveis hoje, saber extrair informações para a tomada de decisão deles é fundamental. Embarquem nesta aventura, mas cuidado: vicia!

Quer aprender mais?

Deixe seu comentário

4 Comentários

  • Marcelo Uezu disse:

    Análise interessante. O exemplo do jogador foi ótimo.

  • Débora disse:

    Descreveu a minha história. Estou saindo exatamente agora da aula de estatística da pós graduação e tive o mesmo pensamento: como vou usar isso?

    • admin disse:

      Bom dia Debora,

      Não se deixe desanimar. Você usará bastante Estatística na sua vida. Vai por mim. Como primeiros passos, por que não tenta fazer algumas análises como fazemos aqui no blog? Faz e manda para gente. Quem sabe você não arrebenta logo na primeira e ainda deixa os músculos estatísticos mais fortes ainda.

      Abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *