Gestão de Empresas: tendências e novidades sobre o tema

gestão de empresas
27 de julho de 2015
Última modificação: 27 de julho de 2015

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Blog

O que é Gestão de Empresas?

A maioria dos investidores percebe que é importante para uma empresa ter uma boa equipe de gerenciamento. O problema é que avaliar a gestão de empresas é difícil – muitos aspectos do trabalho são intangíveis. É claro que os investidores nem sempre podem ter a certeza de uma empresa apenas por meio de declarações financeiras. Catástrofe como Enron, Worldcom e Imclone demonstraram a importância de enfatizar os aspectos qualitativos de uma empresa. Não existe uma fórmula mágica para avaliar o gerenciamento, mas há fatores aos quais você deve prestar atenção. Neste artigo, vamos discutir alguns desses sinais.

Qual é o trabalho da gestão de empresas?

Uma gestão forte é a espinha dorsal de qualquer empresa de sucesso. Isso não quer dizer que os funcionários também não são importantes, mas é uma gestão que, em última instância, toma as decisões estratégicas. Você pode pensar em gerência como o capitão de um navio. Embora não conduza fisicamente o barco, ele ou ela dirige outros para cuidar de todos os fatores que garantem uma viagem segura.

Teoricamente, a administração de uma empresa de capital aberto é responsável por criar valor para os acionistas. A gerência deve ter o bom conhecimento do negócio para dirigir uma empresa no interesse dos proprietários. Claro, não é realista acreditar que a administração só pensa sobre os acionistas.

Os gerentes também são pessoas e estão, como qualquer outra pessoa, procurando ganhos pessoais. Problemas surgem quando os interesses dos gestores são diferentes dos interesses dos acionistas. A teoria por trás da tendência para que isso ocorra é chamada de teoria de agência. Ele diz que o conflito ocorrerá a menos que a remuneração da administração esteja vinculada de alguma forma com os interesses dos acionistas. Não seja ingênuo pensando que o conselho de administração sempre venha ao resgate dos acionistas. A administração deve ter algum motivo real para ser benéfico para os acionistas.

Onde estão os problemas na gestão de empresas?

Aqui estão três áreas principais de fraqueza nas pequenas empresas que causam problemas, todos centrados na gestão.

O crescimento das vendas é comumente visto como a solução para todos os problemas. Há uma falta de consciência de que, exceto no curto prazo, não existe tal como despesas gerais fixas. Os gerentes, presos pelo conceito de contabilidade de renda marginal, trazem produtos adicionais, acreditando que suas despesas gerais não serão afetadas.

A análise inadequada do custo do produto evita que os gerentes vejam às perdas incorridas com a adição de novos produtos. Normalmente, há um ou mais produtos ou linhas de produtos que devem ser descartados.

As operações encaminham apenas as receitas para a demonstração do resultado, ignorando o balanço. A falta de preocupação com o fluxo de caixa e a produtividade do capital empregado podem ser fatais. Os gerentes tendem a buscar novos fundos em vez de usar melhor aqueles que já possuem.

Como a Gestão de Empresas procura crescimento por causa do crescimento?

A causa mais comum de problemas é a convicção de que o único caminho para o sucesso é por meio do crescimento. Muitos empresários veem o crescimento das vendas como a solução para todos os problemas. Raramente é. O crescimento não é sinônimo de sucesso capitalista. De fato, reduzir o número de produtos ou linhas de produtos geralmente é a rota mais segura para obter melhores lucros e maior retorno do investimento.

A mania para o crescimento é comumente expressa na batalha para aumentar as vendas. Métodos padrão de contabilidade tendem a encorajar a crença de que os maiores lucros resultam automaticamente de maiores vendas. Várias técnicas contábeis padrão tendem a enganar aqueles que aceitam alocações de custos padrão como evangelho.

Como a Gestão de Empresas lida com a contabilidade de renda marginal?

Muito tem sido escrito sobre as vantagens da renda marginal. A teoria é que, por um curto período, as vendas adicionais podem ser adicionadas ao volume de vendas normal de forma rentável mesmo a preços muito baixos para cobrir uma parcela proporcional das despesas gerais fixas. Os gerentes costumam fazer isso porque eles presumem que 100% dos gastos gerais fixos da empresa são suportados por seus negócios regulares de qualquer maneira.

No entanto, o preço do seu produto para que ele não cobre uma parcela total de despesas gerais é perigoso. Exceto por exceções raras e bem controladas, os negócios marginais levados a manter a operação incorrem nos mesmos custos indiretos que os negócios regulares e, adicionando à complexidade da operação total, muitas vezes requerem despesas gerais mais do que normais.

Recentemente, um gerente da empresa mencionou orgulhosamente que sua empresa de contabilidade líder havia aconselhado a avaliar todos os produtos para obter qualquer margem de lucro em relação ao seu material direto e custos diretos de mão-de-obra. Ele tomou este conselho. Não é de admirar que sua empresa estivesse com problemas.

No entanto, se a sobrecarga realmente não pode ser cortada durante um curto período de supercapacidade, pode fazer sentido adotar negócios a preços que pagam menos do que despesas gerais. Mesmo uma modesta contribuição para pagar essas despesas para esse período pode ser melhor do que nenhuma. No entanto, o perigo é que uma medida de emergência geralmente se torna prática padrão. É uma boa maneira de acabar.

Gestão de Empresas no ponto de equilíbrio

Outra ferramenta de gerenciamento que, inadvertidamente, encoraja o crescimento por causa do crescimento é a contabilidade do ponto de equilíbrio. Como a contabilidade de renda marginal, a teoria é que certos elementos do custo indireto variam com o volume de operações, enquanto outros, que são chamados de “custos fixos”, não.

O preço de venda é estabelecido para fornecer custos materiais e trabalhistas, além de custos indiretos variáveis, além de um incremento adicional para permitir custos indiretos fixos e lucros. Quando o volume de vendas é alto o suficiente em um período determinado para absorver todos os custos variáveis, bem como o nódulo de custos indiretos fixos, você alcançou o ponto de equilíbrio. A margem acima dos custos variáveis nas vendas adicionais é totalmente lucrativa, pois todos os custos indiretos fixos já foram atendidos.

Não é de admirar que um fabricante se gagueie com um mês de alto volume, porque, embora ele não ganhe dinheiro e realmente perca até o volume atingir o nível de equilíbrio, o lucro no volume acima do ponto de equilíbrio é desproporcionalmente grande.

Quais os cuidados com esses modos de Gestão de Empresas?

A falácia da contabilidade intercalar é a suposição de que as despesas são facilmente divisíveis em fixas e variáveis. Os gastos gerais raramente são tão fixos quanto os contadores estão inclinados a pensar, exceto por períodos muito curtos. Em qualquer análise de longo alcance de um negócio, não existe uma despesa fixa, é variável em algum grau, mesmo itens como aluguel, calor, luz e energia, depreciação e amortização, serviços profissionais e salários executivos. Os termos “despesas gerais variáveis” e “despesas gerais fixas” seriam melhor chamados “despesas gerais que variam imediatamente com o nível de atividade” e “despesas gerais que variam a longo prazo com o nível de atividade”.

Exceto no curto prazo, há poucas, se houver, despesas fixas. Se você alugar uma unidade de 100.000 metros quadrados por um período de dez anos, os contadores de custos normalmente tratarão seu aluguel como uma despesa fixa. Mas é mesmo? Se você não tem espaço suficiente, você pode alugar mais e assim aumentar essa despesa. Se você tem muito espaço, você pode subarrendar parte do espaço, ou se isso não é prático, você pode comprar sua saída do contrato e se mudar para um prédio menor. Assim, a despesa de aluguel pode subir ou diminuir.

O perigo é que alguns gerentes tendem a não prestar atenção às chamadas despesas fixas. Pior ainda, eles assumem que estão presos com eles e veem um aumento de volume como o único meio de pagar por eles.

Um executivo capaz de uma grande empresa de merchandising disse recentemente: “Nosso maior problema é a venda. Nossa indústria tem altos custos fixos, e temos que manter uma taxa de vendas para cobrir esses custos. Garantir mais vendas é, de longe, nosso problema n.1 “. Esta é uma atitude comercial típica e equivocada: supondo que a estrutura de custos seja dada e que a empresa deve crescer para cobrir todas as despesas gerais.

Você conhece o Ngram Viewer?

Gestão de empresas: no post de hoje eu gostaria de utilizar uma ferramenta do Google que gosto muito chamada Ngram Viewer. Esta ferramenta busca quantas vezes alguns termos aparecem nos livros publicados numa determinada língua em um intervalo de tempos específico. Neste primeiro post sobre o tema, gostaria de pesquisar na língua inglesa (não temos português), entre os anos de 1980 a 2015, a evolução de algumas palavras chave relacionadas a métodos de gestão. Qual será que é a nova moda nos livros? Qual modelo de gestão está crescendo mais? Vamos lá. A primeira busca são por palavras referentes a gestão de projetos. A evolução dos termos estão no gráfico abaixo.

Gestão de Empresas: Lean Six Sigma

Agora vamos pesquisa sobre melhoria de processos – Lean Six Sigma.

Agora vamos pesquisa termos relacionados ao empreendedorismo.

E por último, estratégia.

E aí? O que achou desta análise? Como estão as ferramentas que você utiliza? Em alta? Ou está utilizando coisas que não se utilizam mais? #ficaadica #upgradeyourself

Que aprender mais sobre Gestão de Empresas?

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *