Qual a nova relação entre gerente e aprendizagem nas empresas?

aprendizagem nas empresas
04 de janeiro de 2020
Última modificação: 04 de janeiro de 2020

Autor: Paula Louzada
Categorias: Blog, Liderança

Qual a nova relação entre gerente e aprendizagem nas empresas?

No mundo atual, as habilidades são a moeda na economia da especialização e os gerentes têm um papel vital na construção de culturas bem-sucedidas de aprendizagem nas empresas.

Qual é considerada a maior ameaça que as empresas enfrentam atualmente? Quando a PricewaterhouseCoopers consultou os CEOs de todo o mundo sobre isso no final de 2018, as três principais respostas estavam praticamente vinculadas: excesso de regulamentação, incerteza política e disponibilidade de habilidades essenciais. Os dados mostram que, para muitos líderes globais, a preocupação com lacunas de habilidades supera diversas vezes conflitos comerciais, ameaças cibernéticas, incerteza geopolítica e outros problemas que dominam regularmente o ciclo de notícias.

Para Kelly Palmer, essa descoberta foi feita a partir de uma pequena surpresa. Como diretora de aprendizado da Degreed e coautora da The Expertise Economy – um livro sobre a necessidade urgente de aperfeiçoar cada vez mais a força de trabalho -, ela viajou o mundo trabalhando com empresas e organizações profissionais. Atualmente, os executivos estão preocupados com a criação de uma força de trabalho ágil, que está constantemente desenvolvendo novas habilidades, para que possam responder às novas tecnologias e dinâmicas dos negócios.

Uma das sugestões mais importantes que pode ser oferecida a esses executivos: é hora de revolucionar a maneira como pensamos e gerenciamos o desenvolvimento de habilidades dentro do local de trabalho.

Qual é o novo papel dos gerentes quando se trata da aprendizagem nas empresas?

Uma nova pesquisa desenvolvida pela Degreed com a Harvard Business Publishing Corporate Learning mostra quanta mudança é necessária no nível gerencial. Na pesquisa, 40% dos trabalhadores concordaram que seu gerente os ajuda a entender quais habilidades eles precisam para avançar em suas carreiras. 1 em cada 5 (22%) trabalhadores disseram que os seus gerentes não incentivam ou possibilitam a aprendizagem, e apenas 17% disseram que seus gerentes ajudam a criar um plano ou estabelecer metas para o desenvolvimento de habilidades ao longo da carreira.

Esses números são sombrios, mas não são surpreendentes. Embora as empresas falem cada vez mais sobre a importância das iniciativas de desenvolvimento de habilidades, muitas simplesmente não sabem quais ações devem ser tomadas para dar início a esse processo. Com as mudanças no local de trabalho acontecendo de maneira tão rápida, os gerentes não podem mais se concentrar em estratégias de desenvolvimento plurianuais, direcionando os funcionários a subir a escada corporativa.

Hoje, os indivíduos estão possuindo muito mais do seu desenvolvimento, mas há também um novo papel vital para os gerentes.

O comprometimento com o aprendizado precisa começar do topo, com a liderança do alto escalão comunicando uma visão e uma missão para o desenvolvimento de habilidades. Para que qualquer plano seja bem-sucedido, os funcionários precisarão ver o valor e adotá-lo. Cabe aos líderes da organização apoiar esse compromisso e garantir que o aprendizado aconteça. É por isso que dentro das empresas, os gerentes são realmente o ponto principal de uma cultura de aprendizado bem-sucedida.

Como estabelecer planos de aprendizagem nas empresas?

Os gerentes devem se reunir individualmente com seus relatórios para discutir planos de qualificação e re-qualificação. Pode ser útil focar nos tipos de habilidades que a empresa procura e nas que os funcionários estão mais interessados ​​em desenvolver. E então permita que esses planos se realizem.

Planeje ativamente que seus funcionários gastem uma quantidade dedicada de seu tempo em desenvolvimento de habilidades ou cursos (e torne esse número concreto). Faça check-in com frequência para ver como seus esforços estão progredindo. Convide pessoas com experiência nessas habilidades para dar feedback aos funcionários. Na pesquisa da Degreed-Harvard, menos de 40% dos trabalhadores disseram que seus gerentes atualmente fazem check-in de suas iniciativas de desenvolvimento ou oferecem feedback regular.

Ao permanecerem envolvidos no progresso dos funcionários, os gerentes enviam a mensagem de que a organização valoriza seu desenvolvimento, reforçando o relacionamento de longo prazo entre a empresa e o funcionário. Afinal, seria uma perda para uma organização investir no desenvolvimento de funcionários apenas para vê-los ir trabalhar em um outro lugar com suas novas habilidades.

Deixe os funcionários escolherem o que e como aprender

Embora os gerentes devam ser “práticos” o suficiente para construir culturas que apoiem ​​o aprendizado de seus funcionários, eles também devem ser “práticos” de maneiras que vão contra a antiga norma. Fora do treinamento de conformidade, os gerentes devem abster-se de escolher quais habilidades seus funcionários aprendem e como eles aprendem.

As pessoas estão mais motivadas a gastar tempo aprendendo quando estão buscando habilidades pelas quais são apaixonadas. E todo indivíduo é um aprendiz único. Com todo o conteúdo disponível para eles, de vídeos a artigos e podcasts, as pessoas gravitam em direção ao que funciona melhor para eles. Frequentemente, eles recorrem às suas redes profissionais, mentores ou colegas para aprender. Portanto, também é crucial que os gerentes deem aos funcionários tempo para ensinar suas habilidades a outras pessoas e viverem esse tipo de troca que é tão enriquecedora.

Gerentes como bons exemplos de comportamentos de aprendizagem

Finalmente, os gerentes devem dar bons exemplos participando das atividades de aprendizado. Informe seus relatórios sobre as habilidades nas quais você está trabalhando e como está se aproximando do processo de aprendizado. Inclua um horário bloqueado para aprender na sua agenda para todo mundo ver. Um método para compartilhar conhecimento com sua equipe pode ser criar uma lista ou canal de recomendação com livros, artigos ou vídeos que foram úteis para você na construção de novas habilidades.

Para fazer tudo isso funcionar, os executivos devem adicionar aprendizado às métricas usadas para julgar os gerentes, como o número de funcionários que desenvolvem novas habilidades com sucesso.

Estamos entrando cada vez mais em um novo paradigma quando se trata das habilidades necessárias para prosperar no futuro do trabalho. Para competir na economia global, as empresas precisam de conhecimento não apenas em colocar novas ferramentas em uso, mas também nas habilidades humanas únicas que a inteligência artificial, o aprendizado de máquina e outras tecnologias atualmente não podem fornecer – coisas como empatia, criatividade e construção de relacionamentos. As habilidades são a moeda da economia da especialização e as organizações devem sempre construir suas reservas.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + oito =