Conheça alguns Gurus da Qualidade e da Melhoria Continua

gurus da qualidade
27 de maio de 2019
Última modificação: 27 de maio de 2019

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Ferramentas da Qualidade

Gurus 1: ARMAND V. FEIGENBAUM

Feigenbaum ainda era um estudante de doutorado no Massachusetts Institute of Technology, quando completou a primeira edição do Controle de Qualidade Total (1951). Engenheiro da General Electric durante a Segunda Guerra Mundial, Feigenbaum usou técnicas estatísticas para determinar o que havia de errado com os primeiros motores de aviões a jato. Durante dez anos, ele atuou como gerente de operações de fabricação e controle da qualidade em todo o mundo na GE. Feigenbaum é presidente da General Systems Company, Inc., Pittsfield, Massachusetts, uma empresa internacional de engenharia que projeta e instala sistemas operacionais integrados para grandes corporações nos Estados Unidos e no exterior. Ele foi um dos gurus da qualidade.

Feigenbaum foi o presidente fundador da Academia Internacional de Qualidade e ex-presidente da Sociedade Americana de Controle de Qualidade, que lhe entregou sua Medalha Edwards e o Prêmio Lancaster por suas contribuições para a qualidade e a produtividade. Seus conceitos de Controle de Qualidade Total tiveram um impacto muito positivo na qualidade e produtividade de muitas organizações em todo o mundo industrializado.

Gurus 2: DR. H. JAMES HARRINGTON

Autor e consultor na área de melhoria de processos, Harrington passou quarenta anos na IBM. Sua carreira incluiu o cargo de engenheiro sênior e gerente de projetos de garantia de qualidade da IBM, San Jose, Califórnia. Ele foi presidente da Harrington, Hurd e Reicker, uma empresa de consultoria de melhoria de desempenho bem conhecida até que a Ernst & Young comprou a organização. Ele é o consultor internacional de qualidade da Ernst and Young e membro do conselho de administração de várias empresas nacionais e internacionais.

Harrington foi presidente da American Society for Quality e da International Academy for Quality. Além disso, ele foi eleito membro honorário de seis associações de qualidade fora da América do Norte e foi selecionado para o Singapore Hall of Fame. Seus livros incluem O Processo de Melhoria, Melhoria de Processos de Negócios, Gerenciamento Total de Melhorias, ISO 9000 e Além, Análise de Atividade de Área, Kit de Ferramentas de Criatividade, Análise Estatística Simplificada, Conexão Qualidade / Lucro Benchmarking de Alto Desempenho.

Gurus 3: DR. KAORU ISHIKAWA (1915-1989)

Professor de engenharia na Universidade de Tóquio e aluno do Dr. W. Edwards Deming, Ishikawa era ativo no movimento da qualidade no Japão e era membro da União de Cientistas e Engenheiros Japoneses. Recebeu o Prêmio Deming, o Prêmio Nihon Keizai da Imprensa e o Prêmio de Padronização Industrial por seus escritos sobre controle de qualidade, e o Prêmio Grant da Sociedade Americana de Controle de Qualidade por seu programa educacional sobre controle de qualidade.

O livro de Ishikawa, Guia para Controle de Qualidade (1982), é considerado um clássico por causa de suas explicações detalhadas de ferramentas de qualidade e estatísticas relacionadas. A ferramenta pela qual ele é mais conhecido é o diagrama de causa e efeito. Ishikawa é considerado o Pai do Movimento do Círculo da Qualidade. Cartas de elogios de representantes de empresas para as quais ele era consultor foram publicadas em seu livro What is Total Quality Control? (1985). Essas empresas incluem IBM, Ford, Bridgestone, Komatsu Manufacturing e Cummins Engine Co.

Ishikawa acreditava que as iniciativas de melhoria da qualidade devem ser de toda a organização, a fim de ser bem-sucedida e sustentável em longo prazo. Ele promoveu o uso de Círculos de Qualidade para: (1) Apoiar a melhoria; (2) Respeitar as relações humanas no local de trabalho; (3) Aumentar a satisfação no trabalho; e (4) Reconhecer mais plenamente as capacidades dos funcionários e utilizar suas ideias. Os Círculos de Qualidade são eficazes quando a gerência entende as técnicas estatísticas e age de acordo com as recomendações dos membros dos Círculos de Qualidade.

Gurus 4: DR. WALTER A. SHEWHART (1891-1967)

Um estatístico que trabalhou na Western Electric, na Bell Laboratories, Dr. Walter A. Shewhart, usou estatísticas para explicar a variabilidade do processo. Foi o Dr. W. Edward Deming quem divulgou a utilidade dos gráficos de controle, bem como o Ciclo de Shewhart. No entanto, Deming legitimamente creditou a Shewhart o desenvolvimento de teorias de controle de processo, bem como o processo de transformação de Shewhart, no qual o Ciclo de Deming PDSA (Planejar-Fazer-Estudar-Agir) é baseado. As teorias de Shewhart foram publicadas pela primeira vez em seu livro Economic Control of Quality of Manufactured Product (1931).

Gurus 5: SHIGEO SHINGO (1919-1990)

Um dos maiores especialistas do mundo na melhoria do processo de fabricação, a Shigeo Shingo criou, com Taiichi Ohno, muitas das características dos métodos de fabricação, sistemas e processos just-in-time (JIT), que constituem o Sistema Toyota de Produção. Escreveu muitos livros, incluindo Um Estudo do Sistema Toyota de Produção do Ponto de Vista de Engenharia Industrial (1989), Revolução na Manufatura: O Sistema SMED (Troca de Minuto Único de Matrizes) (1985) e Controle de Qualidade Zero: Inspeção de Fonte e Poka Sistema Jugo (1986).

A grandeza de Shingo parece basear-se em sua capacidade de entender exatamente por que os produtos são fabricados da maneira como são e, então, transformar essa compreensão em um sistema viável para produção de alta qualidade e baixo custo. Fundado em 1988, o Shingo Prize é o principal prêmio de fabricação nos Estados Unidos, Canadá e México. Em parceria com a National Association of Manufacturers, a Universidade Estadual de Utah administra o Prêmio Shingo de Excelência em Manufatura, que promove a fabricação de classe mundial e reconhece as empresas que se destacam em produtividade e melhoria de processos, melhoria de qualidade e satisfação do cliente.

Em vez de se concentrar na teoria, Shingo se concentrou em conceitos práticos que fizeram uma diferença imediata. Conceitos específicos atribuídos ao Shingo são:

  • O Poka Yoke exige que os processos de parada ocorram assim que ocorrer um defeito, identificando a origem do defeito e impedindo que ocorra novamente.
  • Prova de Erro é um componente do Poka Yoke. Literalmente, isso significa tornar impossível cometer erros (ou seja, evitar erros na origem).
  • SMED (Single Minute Exchange of Die) é um sistema para trocas rápidas entre produtos. A intenção é simplificar materiais, máquinas, processos e habilidades, a fim de reduzir drasticamente os tempos de troca de horas para minutos. Como resultado, os produtos poderiam ser produzidos em pequenos lotes ou até mesmo em unidades únicas com o mínimo de interrupção.
  • Just-in-Time (JIT) é sobre abastecer os clientes com o que eles querem quando eles querem. O objetivo do JIT é minimizar estoques, produzindo apenas o que é necessário quando é necessário. As encomendas são “puxadas” por meio do sistema quando acionadas por pedidos de clientes, não empurradas através do sistema, a fim de obter economias de escala com a produção de lotes maiores.

Gurus 6: FREDERICK TAYLOR (1856-1915)

Um engenheiro industrial, gerente e consultor, Frederick Taylor é conhecido como o pai da gestão científica. Em 1911, publicou Os Princípios da Gestão Científica. Taylor acreditava na especialização de tarefas e é conhecido por seus estudos de tempo e movimento. Algumas de suas ideias são as antecessoras de ferramentas e conceitos de engenharia industrial modernos usados ​​na redução do tempo de ciclo.

Embora especialistas em qualidade concordem que os conceitos de Taylor aumentam a produtividade, alguns argumentam que seus conceitos estão focados apenas nela, não na melhoria do processo e, como resultado, poderiam causar menos ênfase na qualidade. O Dr. Joseph Juran disse que os conceitos de Taylor fizeram dos Estados Unidos o líder mundial em produtividade. No entanto, o sistema de Taylor exigia a separação do trabalho de planejamento do de execução do trabalho. Essa separação foi baseada na ideia de que os engenheiros deveriam fazer o planejamento porque os supervisores e os trabalhadores não eram instruídos. Hoje, a ênfase está na transferência do planejamento para as pessoas que estão realizando o trabalho.

Gurus 7: DR. GENICHI TAGUCHI (B. 1924)

Dr. Genichi Taguchi foi um engenheiro e estatístico japonês que definiu o que significa a especificação do produto e como isso pode ser traduzido em produção rentável. Trabalhou no Ministério de Saúde Pública e Bem-Estar do Japão, Instituto de Matemática Estatística, Ministério da Educação. Ele também trabalhou com o Laboratório de Comunicações Elétricas da Nippon Telephone and Telegraph Co. para aumentar a produtividade das atividades de P & D.

Em meados da década de 1950, Taguchi foi professor visitante do Instituto de Estatística da Índia , onde conheceu Walter Shewhart. Ele foi pesquisador visitante na Universidade de Princeton em 1962, no mesmo ano em que recebeu seu Ph.D. da Universidade de Kyushu. Foi professor da Universidade Aoyama Gakuin de Tóquio e diretor da Academia Japonesa de Qualidade.

Taguchi recebeu os prêmios Deming Application (1960), Deming awards por literatura sobre qualidade (1951, 1953 e 1984), Willard F. Rockwell Medal pelo International Technologies Institute (1986).

As contribuições de Taguchi estão em design robusto na área de desenvolvimento de produtos. A Função de Perda de Taguchi, o Método de Taguchi (Planejamento de Experimentos) e outras metodologias fizeram contribuições importantes na redução da variação e melhoraram grandemente a qualidade e a produtividade da engenharia. Ao considerar conscientemente os fatores de ruído (variação ambiental durante o uso do produto, variação de fabricação e deterioração de componentes) e o custo da falha no campo, as metodologias da Taguchi ajudam a garantir a satisfação do cliente.

O Design Robusto se concentra em melhorar a função fundamental do produto ou processo, facilitando projetos flexíveis e engenharia simultânea. O desenvolvimento de produtos da Taguchi inclui três etapas: (1) projeto do sistema (estágio não estatístico para engenharia, marketing, conhecimento do cliente e outros); (2) estágio do parâmetro (determinação do desempenho do produto em relação aos parâmetros definidos; e (3) desenho da tolerância (encontrar o equilíbrio entre o custo e a perda da fabricação).

Gurus 8: PHILIP CROSBY (1926–2001)

Philip Bayard Crosby nasceu em Wheeling, na Virgínia Ocidental, em 1926. Depois que Crosby se formou no colegial, ele ingressou na Marinha e tornou-se um paramédico do hospital. Em 1946, Crosby ingressou no Ohio College of Podiatric Medicine, em Cleveland. Após a formatura, ele retornou a Wheeling e praticou com o pai. Ele foi chamado de volta para o serviço militar durante o conflito coreano, desta vez ele serviu como um fuzileiro naval médico.

Em 1952, Crosby foi trabalhar para a Crosley Corp. em Richmond, Indiana, como técnico júnior de teste eletrônico. Ele se juntou à American Society for Quality, onde seus primeiros conceitos sobre Qualidade começaram a se formar. Em 1955, ele foi trabalhar para a Bendix Corp. como técnico de confiabilidade e engenheiro de qualidade. Ele investigou defeitos encontrados pelo pessoal de teste e inspetores.

Em 1957, tornou-se engenheiro sênior de qualidade na Martin Marietta Co. em Orlando, Flórida. Durante seus oito anos com Martin Marietta, Crosby desenvolveu seus conceitos “Zero Defeitos“, começou a escrever artigos para vários periódicos e iniciou sua carreira de palestrante.

Em 1965, a International Telephone and Telegraph (ITT) contratou Crosby como vice-presidente encarregado da qualidade corporativa. Durante seus quatorze anos na ITT, Crosby trabalhou com muitas das maiores empresas industriais e de serviços do mundo, implementando sua filosofia de gestão pragmática e descobriu que funcionava.

Depois de vários anos na indústria, Crosby estabeleceu o Crosby Quality College em Winter Park, Flórida. Ele é bem conhecido como autor e consultor e escreveu muitos artigos e livros. Ele é provavelmente mais conhecido por seu livro Quality is Free (1979) e conceitos como Absolutes of Quality Management, Zero Defects, Quality Management Maturity Grid, 14 Quality Improvement Steps, Cost of Quality Cost of Nonconformance. Outros livros que ele escreveu incluem Quality Without Tears (1984) e Completeness (1994).

A atenção aos requisitos do cliente e a prevenção de defeitos é evidente nas definições de qualidade e “não qualidade” da Crosby, da seguinte forma: “A qualidade é compatível com os requisitos; a não qualidade é uma não conformidade.”

CUSTO DE QUALIDADE DE CROSBY.

Em seu livro Quality Is Free (A qualidade é livre), Crosby argumenta que custa dinheiro para obter qualidade, mas custa mais dinheiro quando a qualidade não é alcançada. Quando uma organização projeta e cria um item corretamente na primeira vez (ou fornece um serviço sem erros), a qualidade é gratuita. Não custa nada acima do que já teria sido gasto. Quando uma organização tem que refazer ou desfazer um item por causa de má qualidade, custa mais. Crosby discute Custo de Qualidade e Custo de Não Conformidade ou Custo de Não-Qualidade. A intenção é gastar mais dinheiro na prevenção de defeitos e menos na inspeção e retrabalho.

CROSBY E AS QUATRO TEORIAS DA QUALIDADE.

Crosby adotou suas teorias básicas sobre qualidade em quatro Absolutes of Quality Management da seguinte forma:

  1. Qualidade significa conformidade com requisitos, não bondade.
  2. O sistema para causar qualidade é a prevenção, não a avaliação.
  3. O padrão de desempenho deve ser zero de defeitos, não “baixo o suficiente”.
  4. A medição da qualidade é o preço da não conformidade, não os índices.

Para apoiar suas quatro teorias de gestão de qualidade, Crosby desenvolveu a grade de maturidade de gerenciamento de qualidade e quatorze etapas de melhoria de qualidade. Crosby vê a Matriz de Maturidade da Gestão da Qualidade como um primeiro passo para mover uma organização para o gerenciamento da qualidade. Depois que uma empresa localizou sua posição na rede, ela implementa um sistema de melhoria de qualidade baseado nos 14 Passos de Melhoria da Qualidade de Crosby.

Os Absolutes of Quality Management da Crosby são delineados em seus Quatorze Passos de Melhoria da Qualidade, como mostrado abaixo:

  • Passo 1. Compromisso de Gestão
  • Etapa 2. Equipes de Melhoria da Qualidade
  • Etapa 3. Medição de Qualidade
  • Etapa 4. Custo da Avaliação da Qualidade
  • Passo 5. Conscientização da Qualidade
  • Etapa 6. Ação Corretiva
  • Etapa 7. Planejamento Zero Defeitos
  • Passo 8. Treinamento de Supervisão
  • Etapa 9. Zero Defeitos
  • Etapa 10. Definição de Metas
  • Etapa 11. Remoção da Causa do Erro
  • Etapa 12. Reconhecimento
  • Etapa 13. Conselhos de Qualidade
  • Passo 14. Faça Tudo Novamente

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + 8 =