Estudar vale a pena? Veja o exemplo do Brasil e dos EUA

estudar vale a pena
15 de agosto de 2017
Última modificação: 15 de agosto de 2017

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog, Carreira

Estudar vale a pena?

Para saber se estudar vale a pena, vamos para os EUA. Imagine se o governo dos Estados Unidos cobrasse impostos para que o país tivesse uma participação, pós-imposto na renda, de 10% do PIB, aproximadamente o que era em 1979. Se o excesso de dinheiro recolhido hoje fosse distribuído igualmente entre o resto da população, em 2012, todas as famílias abaixo desse nível superior teriam obtido um cheque de US $ 7,105. Será que o Green Belt e o Black Belt, com custos inferiores a mil dólares comprovam a tese?

Este não é um dinheiro trivial. Mas isso contrasta com a diferença entre os salários de uma família de dois graduados da faculdade e uma família de graduados apenas no ensino médio. Entre 1979 e 2012, essa diferença cresceu cerca para US$ 30.000, após a inflação. Ou seja, pais graduados tem em média, uma renda de 30 mil dólares superior a pais que cursaram somente o colegial. Trazendo para nossa realidade, esse GAP seria de quase cem mil reais.

Este cálculo inteligente de Lawrence Katz, um economista trabalhista de Harvard, equivale a um poderoso contra-argumento para quem duvida da importância da educação na batalha contra a desigualdade entrincheirada no mundo.

Mas no sistema educacional americano, a desigualdade está ganhando, engolindo a mobilidade que a prosperidade precisa. A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico lançou, em 2014, sua coleção de estatísticas educacionais de todo o mundo industrializado, mostrando que os Estados Unidos seguem quase todas as outras nações industrializadas quando se trata de igualdade educacional.

Apenas 30% dos adultos americanos alcançaram um nível de educação superior ao que os pais fizeram. Somente a Áustria, a Alemanha e a República Tcheca pioram. Na Finlândia, mais de 50% dos adultos são mais educados do que seus pais. E as coisas estão piorando. Entre os jovens de 25 a 34 anos, apenas 20% dos homens e 27% das mulheres, ambos fora da escola, alcançaram um nível de educação maior do que seus pais.

É ainda mais sombrio no fundo: apenas um em cada 20 americanos de 25 a 34 anos, cujos pais não terminaram o ensino médio, tem um diploma universitário. A média em 20 países ricos na O.E.C.D. é quase uma em cada quatro.

Quando defendemos a importância da educação, das ferramentas VSM, SIPOC, Fluxograma, ficam claro esses valores.

Quem é prejudicado com essa realidade?

Isso prejudica particularmente os pobres. Dois economistas, Martha J. Bailey e Susan M. Dynarski, da Universidade de Michigan, documentam uma crescente diferença de renda entre a taxa de graduação dos adolescentes de meados da década de 1970 e aqueles de meados da década de 1990. A taxa de graduação dos jovens no quarto mais pobre da distribuição caiu de 9% para 5%; Entre o quarto mais rico, ele subiu de 36% para 54%.

Em um estudo comparando adolescentes no início da década de 1980 e no início dos anos 2000, Philippe Belley da Universidade Estadual do Kansas e Lance Lochner, da Universidade de Western Ontario, observaram um aumento acentuado do impacto da renda familiar no comparecimento à faculdade. Para todos, exceto os estudantes mais capazes, no início dos anos 2000, a taxa de atendimento da faculdade para crianças do quarto mais rico das famílias americanas era de 15 a 30 pontos percentuais superior à do quarto mais pobre.

Dado o retorno, o fato de que muitos dos que mais se beneficiam não estão investindo em uma educação universitária sugere uma falha épica. E o crescente quadro de países que superam os Estados Unidos sugere que o fracasso dificilmente é inevitável. O maior paradoxo é que os Estados Unidos sabem como oferecer uma educação ampla para todos. Mais de um século atrás, surgiu um consenso de que os americanos precisavam, pelo menos, de uma educação secundária para atender à crescente demanda por trabalhadores qualificados. E a nação providencia.

Entre 1900 e 1950, a matrícula do ensino médio dos americanos de 14 a 17 anos aumentou para 75%, de cerca de 11%. Para as nações europeias, felizes em educar suas elites, isso não era apenas inédito, era absolutamente estúpido. Em meados da década de 1950, a taxa de matrícula em tempo integral dos jovens americanos de 15 a 19 anos no ensino médio era mais do dobro do que em qualquer país europeu.

O impulso levado à faculdade. Em 1944, quando o governo da Grã-Bretanha assinava a Lei de Educação, garantindo às crianças britânicas uma educação pública até a escola secundária, a maioria dos americanos já tinha isso. Em 1944, o presidente Roosevelt assinava o G.I. Bill, que pagou a taxa de matrícula para todos os veteranos que frequentassem a faculdade.

“Historicamente, a educação nos Estados Unidos foi o grande equalizador”, admitiu Andreas Schleicher, especialista em educação do O.E.C.D. Que dirige o seu Programa de Avaliação Internacional de Estudantes. Algo caiu sobre a última geração. Na década de 1970, as taxas de graduação das faculdades de quatro anos diminuíram acentuadamente e até entraram em revés para os homens.

Esse padrão de mobilidade estagnada e crescente desigualdade de educação se resume a um paradoxo assustador. Os trabalhadores americanos com um diploma universitário são pagos 74 por cento mais do que aqueles com apenas um ensino médio, em média, quase o maior prémio no O.E.C.D.

E o mundo alcançou. Para aqueles americanos entre 55 a 64, 42 por cento têm um diploma universitário, uma taxa ultrapassada apenas pelo Canadá e Israel no O.E.C.D. Entre as pessoas de 25 a 34 anos, os Estados Unidos estão no 11º lugar, com uma taxa de graduação da faculdade apenas ligeiramente maior, em 44%.

“Nós fomos o primeiro fora do portão com o ensino médio, com educação em quadrinhos, com acesso antecipado à faculdade”, observou o professor Katz. “Algo deu errado”.

Hoje, a demanda por trabalhadores mais altamente qualificados continua intensa. A globalização e a mudança técnica acelerada eliminaram muitos dos empregos de fabricação com os quais um trabalhador com apenas um ensino médio poderia suportar uma vida de classe média.

O que explica a estagnação educacional da América?

Uma causa é, certamente, o alto custo da faculdade, que – ao contrário dos custos da escola secundária – as famílias devem suportar em grande parte por conta própria e é maior do que em qualquer outro país avançado.

“Nos Estados Unidos, mais do que em outros países, você como família está fazendo um investimento maior e mais arriscado em seu próprio futuro”, disse David Deming, professor da Harvard. “A faculdade paga mais em média, mas tem uma tonelada de risco. Famílias de baixa renda não podem amortecer esse choque “.

Outro fator é a incapacidade do sistema educacional – seja por pobreza e segregação, seja por professores impróprios e mal pagos – para preparar os americanos desfavorecidos para a faculdade. Mas há outro fator crítico que é mais intangível, e isso é uma perda de fé no que pode ser chamado de projeto nacional.

Em meados da década de 1960, o governo nos Estados Unidos investiu cerca de 25% do orçamento em educação, aproximadamente o mesmo que no resto do O.E.C.D. Hoje, a participação no resto do O.E.C.D. Cresceu 10 pontos percentuais. Nos Estados Unidos, continua a ser o mesmo.

À medida que a demanda por pensões e cuidados de saúde do envelhecimento da população crescia, os orçamentos limitados não tinham o espaço para se envolver em um amplo esforço para financiar o ensino superior para todos. O fosso étnico entre a diminuição das populações de brancos envelhecidos e populações crescentes de minorias mais novas com crianças em idade escolar enfraqueceu ainda mais a base política da educação.

Estudar vale a pena nos EUA?

Em seu livro “The Race Between Education and Technology” (Belknap Press, 2010), o Sr. Katz e Claudia Goldin de Harvard sugerem que no início do século XX, os estados com residentes mais idosos tiveram maiores taxas de graduação porque tinham comunidades mais estáveis nas quais os antigos podiam entender os benefícios de educar os jovens.

Hoje em dia, os idosos não vivem mais nessa comunidade estável, onde cresceram. Como observou James Poterba do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, os lugares com maiores populações idosas agora gastam menos na educação pública. Isto é especialmente verdadeiro quando os idosos e os jovens são de raças diferentes.

A crescente desigualdade de renda poderia se tornar o último prego no caixão da educação pública. Contribui para a segregação residencial que condena os distritos escolásticos ricos dos pobres e reduz o apoio à educação pública entre os americanos ricos que podem optar por não participar.

E o Brasil? Como está a educação do Brasil?

Uma população bem instruída e bem treinada é essencial para o bem-estar social e econômico de um país. A educação desempenha um papel fundamental no fornecimento de conhecimentos, habilidades e competências necessárias para participar efetivamente na sociedade e na economia. Ter uma boa educação melhora consideravelmente a probabilidade de encontrar um emprego e ganhar dinheiro suficiente. Os brasileiros esperam estudar 15,7 anos de educação entre 5 e 39 anos, menos do que a média da OCDE de 17,5 anos.

A graduação do ensino secundário superior tornou-se cada vez mais importante em todos os países, uma vez que as competências necessárias no mercado de trabalho estão a tornar-se mais baseadas no conhecimento. As taxas de graduação do ensino médio, portanto, fornecem uma boa indicação de se um país está preparando seus alunos para atender aos requisitos mínimos do mercado de trabalho. No Brasil, 46% dos adultos de 25 a 64 anos completaram o ensino secundário superior, muito menos do que a média da OCDE de 76%.

Mas as taxas de graduação, embora importantes, falam pouco da qualidade da educação recebida. O Programa da OCDE para Avaliação Internacional de Estudantes (PISA) analisa a extensão em que os alunos adquiriram alguns dos conhecimentos e habilidades essenciais para a plena participação nas sociedades modernas. Em 2012, a PISA concentrou-se em examinar a capacidade de leitura dos alunos, as habilidades em matemática e o nível em ciências, uma vez que a pesquisa mostra que essas habilidades são preditores mais confiáveis de bem-estar econômico e social do que o número de anos que passaram na escola.

O estudante médio no Brasil obteve 402 em alfabetização, leitura, matemática e ciências, inferior à média da OCDE de 497. Os sistemas escolares de melhor desempenho conseguem fornecer educação de alta qualidade a todos os alunos.

Como ficam os ganhos dos brasileiros nesse cenário?

Embora o dinheiro não consiga comprar a felicidade, é um meio importante para alcançar padrões de vida mais elevados e, portanto, maior bem-estar. A riqueza econômica mais alta também pode melhorar o acesso a uma educação, cuidados de saúde e habitação de qualidade.

O rendimento disponível ajustado líquido é a quantia de dinheiro que uma casa ganha anualmente após impostos e transferências. Representa o dinheiro disponível para uma casa gastar em bens ou serviços. No Brasil, o rendimento disponível médio líquido ajustado domiciliar per capita é inferior à média da OCDE de USD 29 016.

A riqueza financeira do agregado familiar é o valor total do valor financeiro de uma casa, como dinheiro ou ações detidas em contas bancárias. No Brasil, a riqueza financeira líquida doméstica média é consideravelmente menor do que a média da OCDE de US $ 84 547. Embora a medida ideal da riqueza familiar também inclua ativos não financeiros (por exemplo, terrenos e habitações), essa informação está disponível atualmente apenas para um pequeno número de países da OCDE, e não está incluído aqui.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *