Toyota Production System: quais as raízes desse conceito?

Toyota Production System
21 de julho de 2017
Última modificação: 21 de julho de 2017

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Melhoria de Processos

Raízes do Sistema de Produção Toyota

O Toyota Production System (TPS), está mergulhado na filosofia de “a eliminação completa de todos os desperdícios”. Dessa forma, impõe todos os aspectos da produção em busca dos métodos mais eficientes, tendo suas raízes no tear automático de Sakichi Toyoda. O TPS evoluiu através de muitos anos de tentativa e erro para melhorar a eficiência com base no conceito Just-in-Time desenvolvido por Kiichiro Toyoda, o fundador (e segundo presidente) da Toyota Motor Corporation.

Os desperdícios podem se manifestar como excesso de inventário em alguns casos, etapas de processamento estranhas em outros casos e produtos defeituosos em outros casos. Todos esses elementos de “desperdício” entrelaçam uns com os outros para criar mais desperdícios, impactando, eventualmente, no gerenciamento da própria corporação.

O tear automático inventado por Sakichi Toyoda não automatizou o trabalho que costumava ser executado manualmente, mas também construiu a capacidade de fazer julgamentos na própria máquina. Ao eliminar os produtos defeituosos e as práticas de desperdício associadas, Sakichi conseguiu melhorar tremendamente a produtividade e a eficiência do trabalho.

Kiichiro Toyoda, que herdou esta filosofia, decidiu perceber sua crença de que “as condições ideais para criar coisas são criadas quando máquinas, instalações e pessoas trabalham juntas para agregar valor sem gerar nenhum desperdício”. Ele concebeu metodologias e técnicas para eliminar o desperdício entre as operações, entre as duas linhas e os processos. O resultado foi o método Just-in-Time.

Ao praticar as filosofias de “Melhorias diárias” e “Bom pensamento, bons produtos”, o Toyota Production System evoluiu para um sistema de produção de renome mundial. Além disso, todas as divisões de produção da Toyota estão fazendo melhorias dia e noite para garantir sua evolução contínua.

Recentemente, o “espírito Toyota de fazer coisas” é referido como o “Toyota Way”. Ele foi adotado não apenas por empresas dentro do Japão e dentro da indústria automotiva, mas em atividades de produção em todo o mundo, e continua a evoluir globalmente.

O que é o Toyota Production System?

Um sistema de produção que é mergulhado na filosofia de “a eliminação completa de todos os resíduos” imbuindo todos os aspectos da produção na busca dos métodos mais eficientes.

O sistema de produção de veículos da Toyota Motor Corporation é uma maneira de “fazer coisas” que às vezes é referido como um “sistema de fabricação enxuto” ou um “sistema Just-in-Time (JIT)”, e passou a ser bem conhecido e estudado em todo o mundo.

Este sistema de controle de produção foi estabelecido com base em muitos anos de melhorias contínuas, com o objetivo de “fazer os veículos encomendados pelos clientes da maneira mais rápida e eficiente, para entregar os veículos o mais rápido possível”.

O Toyota Production System (TPS) foi estabelecido com base em dois conceitos: o primeiro é chamado de “jidoka” (que pode ser traduzido vagamente como “automação com toque humano”), o que significa que, quando ocorre um problema, o equipamento para imediatamente, impedindo que produtos defeituosos sejam produzidos. O segundo é o conceito de “Just-in-Time”, no qual cada processo produz apenas o que é necessário para o próximo processo em um fluxo contínuo.

Com base nas filosofias básicas da jidoka e do Just-in-Time, o Toyota Production System pode produzir de forma eficiente e rápida veículos de qualidade, um de cada vez, que satisfaçam plenamente os requisitos do cliente.

Quem foi Taiichi Ohno, um dos pais do Toyota Production System?

O Sr. Ohno nasceu na Manchuria em 1912, filho de um técnico de cerâmica japonesa trabalhando para a Ferrovia da Manchuria do Sul. Perto do fim da Primeira Guerra Mundial, a família mudou-se para o Japão e o Sr. Ohno se formou na Escola Técnica Superior de Nagoya em 1932.

Taiichi Ohno (1912-1990) não é tanto um guru, mas mais um símbolo do ressurgimento da fabricação do Japão após a segunda guerra mundial. Nascido em Dalian, no leste da China, ele se juntou ao Toyota Automatic Loom Works entre as guerras. Este foi o primeiro negócio da família Toyoda e foi vendido para uma empresa britânica, a Platt Brothers. Após a venda, a família decidiu investir o dinheiro que obteve na fabricação de automóveis.

Ohno mudou-se para trabalhar como engenheiro de produção da Toyota, uma empresa de automóveis, no final da segunda guerra mundial, em um momento em que sua produtividade era muito inferior à da poderosa indústria de Detroit na América. O chefe da Toyota decretou que “deveriam alcançar a América dentro de três anos”.

Ohno decidiu que não havia outra razão além da ineficiência e do desperdício porque a produtividade da Toyota deveria ser menor que a de Detroit. Por isso, ele tentou erradicar a ineficiência e eliminar o desperdício na parte do processo de produção que ele era responsável.

Isso se tornou o núcleo do chamado Toyota Production System (TPS) que ele e outros desenvolveram posteriormente entre meados da década de 1940 e meados da década de 1970. Vários elementos deste sistema tornaram-se familiares no Ocidente: por exemplo, muda (eliminação de desperdício), jidoka e kanban (as etiquetas usadas como parte de um sistema de controle de estoque just-in-time).

Como foi a saga de Ohno no Toyota Production System (TPS)?

Não foi um caminho suave. Logo de cara, encontrou resistência quando ele começou a persuadir a empresa a mudar radicalmente seus processos de fabricação. Uma grande parte de sua história é sobre o poder da perseverança japonesa, de como ele continuou perguntando repetidamente por que a empresa precisava (de forma econômica) armazenar grandes quantidades de componentes para sua linha de produção – até que eventualmente tenha nascido o just-in-time (JIT) para controle de estoque.

Ohno, muitas vezes, descreveu o TPS como um supermercado, que ele tinha visto pela primeira vez (e impressionado) em suas viagens à América para olhar para os sistemas de produção de carros. No TPS, cada processo de produção estabelece suas mercadorias para o próximo processo a escolher, assim como um supermercado faz. Assim, a produção é “puxada” pela demanda abaixo da linha em vez de, como em sistemas de linha de montagem anteriores, ser “empurrada” pela taxa de produção acima da linha.

O sucesso do TPS foi ajudado até certo ponto, pelo fato de que a principal fábrica da Toyota no Japão estava situada na cidade de Toyoda, perto de Nagoya, onde existe um clássico “cluster” de fornecedores e fabricantes de indústria automotiva. Com seus principais fornecedores, nunca mais do que alguns quilômetros de distância, era fácil para a Toyota escolher as peças sob demanda e garantir que elas chegassem às suas portas com precisão quando necessário. Com redes de fabricação mais distantes, obviamente é mais difícil aplicar o JIT.

A fama de Ohno foi espalhada até certo ponto pela narração de sua história em livros e artigos traduzidos para o inglês. Por exemplo, em “The Mind of the Strategist”, uma visão influente e precoce sobre o pensamento estratégico japonês escrito por Kenichi Ohmae, Ohno é citado como um excelente exemplo da perseverança de seu país. “Se em vez de aceitar a primeira resposta, você … persista [como Ohno] e pergunte “Por quê?” quatro ou cinco vezes seguidas “, escreveu Ohmae,” certamente haverá a coragem da questão, onde estão os estrangulamentos e os problemas fundamentais “.

Tudo isso e muito mais, você vê em nossa Certificação Green Belt, Black Belt e Lean.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − treze =