O que é estresse? Como identificá-lo e controlá-lo?

estresse
15 de agosto de 2017
Última modificação: 15 de agosto de 2017

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog, Melhoria de Processos

O que é estresse?

Muitas pesquisas foram realizadas no estresse nos últimos cem anos. Algumas das teorias por trás disso estão agora resolvidas e aceitas; outras ainda estão sendo pesquisados e debatidos.

Durante esse período, parece ter havido algo que se aproxima da guerra aberta entre teorias e definições concorrentes: os pontos de vistas foram apaixonadamente defendidos. O que complica isso é que, intuitivamente, todos sentimos que sabemos o que é o estresse, pois é algo que todos experimentamos. Uma definição deve, portanto, ser óbvia … mas não é.

Para ser um ótimo Especialista Lean, Gerente de Projetos, Green Belt ou Black Belt, você precisa controlar o stresse.

Qual a definição de estresse?

Hans Selye foi um dos pais fundadores da pesquisa do estresse. Sua visão em 1956 foi que “o estresse não é necessariamente algo ruim – tudo depende da forma como você o toma. O estresse do trabalho emocionante e criativo é benéfico, enquanto o da falha, humilhação ou infecção é prejudicial”. Selye acreditava que os efeitos bioquímicos do estresse seriam experimentados independentemente de a situação ser positiva ou negativa.

Desde então, uma grande quantidade de pesquisa adicional foi conduzida e as ideias seguiram em frente. O estresse agora é visto como uma “coisa ruim”, com uma gama de efeitos prejudiciais bioquímicos e de longo prazo. Esses efeitos raramente foram observados em situações positivas.

A definição de estresse mais comumente aceita (principalmente atribuída a Richard S Lazarus) é que o estresse é uma condição ou sentimento experimentado quando uma pessoa percebe que “as demandas excedem os recursos pessoais e sociais que o indivíduo pode mobilizar”. Em resumo, é o que sentimos quando achamos que perdemos o controle de eventos.

Esta é a principal definição usada, embora também reconheçamos que existe uma resposta de estresse instintivo entrelaçada a eventos inesperados. A resposta ao estresse dentro de nós é, portanto, um instinto parcial e a maneira como pensamos.

Lutar ou Fugir

Algumas das primeiras pesquisas sobre o estresse (conduzidas por Walter Cannon em 1932) estabeleceram a existência da bem conhecida resposta de “luta ou fuga”. Seu trabalho mostrou que quando um organismo experimenta um choque ou percebe uma ameaça, ele rapidamente libera hormônios que ajudam a sobreviver.

Nos seres humanos, como em outros animais, esses hormônios nos ajudam a correr mais rápido e a lutar mais. Eles aumentam a frequência cardíaca e a pressão arterial, proporcionando mais oxigênio e açúcar no sangue para fortalecer os músculos importantes. Eles aumentam a transpiração em um esforço para esfriar esses músculos e ajudá-los a permanecerem eficientes. Eles desviam o sangue da pele até o centro de nossos corpos, reduzindo a perda de sangue se nos danificarmos. Além disso, esses hormônios focalizam nossa atenção na ameaça, excluindo todo o resto. Tudo isso melhora significativamente a nossa capacidade de sobreviver a eventos que ameaçam a vida.

Mas quando o estresse é demais?

Não só os eventos que ameaçam a vida desencadeiam essa reação: experimentamos quase toda vez que encontramos algo inesperado ou algo que frustra nossos objetivos. Quando a ameaça é pequena, nossa resposta é pequena e muitas vezes não percebemos isso entre muitas outras distrações de uma situação estressante.

Infelizmente, essa mobilização do corpo para a sobrevivência também tem consequências negativas. Nesse estado, somos excitantes, ansiosos, nervosos e irritáveis. Isso realmente reduz a nossa capacidade de trabalhar efetivamente com outras pessoas. Com o coração tremendo e pungente, podemos achar difícil executar habilidades precisas e controladas. A intensidade do nosso foco na sobrevivência interfere com a nossa capacidade de fazer bons julgamentos desenhando informações de várias fontes. Nos encontramos mais propensos a acidentes e menos capazes de tomar boas decisões.

Existem poucas situações na vida profissional moderna, onde esta resposta é útil. A maioria das situações se beneficia de uma abordagem calma, racional, controlada e socialmente sensível.

No curto prazo, precisamos manter essa resposta de luta ou fuga sob controle para ser efetiva em nossos empregos. No longo prazo, precisamos mantê-lo sob controle para evitar problemas de doença e burnout.

Atenção: o estresse pode causar graves problemas de saúde e, em casos extremos, pode causar a morte. Embora essas técnicas de gerenciamento de estresse tenham demonstrado ter um efeito positivo na redução do estresse, elas são apenas para orientação e os leitores devem tomar o conselho de profissionais de saúde adequadamente qualificados se tiverem alguma preocupação com doenças relacionadas ao estresse ou se o estresse estiver causando infelicidade persistente. Os profissionais de saúde também devem ser consultados antes de qualquer mudança importante na dieta ou níveis de exercício.

Como reagimos ao estresse?

Temos duas reações instintivas que compõem nossa resposta ao estresse. Estas são as respostas de “luta ou fuga” e a Síndrome de Adaptação Geral (GAS). Ambas as reações podem acontecer ao mesmo tempo.

Síndrome de Adaptação Geral (GAS)

GAS, que Hans Selye identificou em 1950, é uma resposta à exposição a longo prazo ao estresse. Selye descobriu que lidamos com o estresse em três fases distintas:

  • A fase de alarme, onde reagimos ao estressor.
  • A fase de resistência, em que nos adaptamos e enfrentamos o estressor. O corpo não consegue manter a resistência indefinidamente, então nossos recursos físicos e emocionais estão gradualmente esgotados.
  • A fase de exaustão, onde, eventualmente, estamos “desgastados” e não podemos funcionar normalmente.

Stress e a maneira que pensamos

Quando encontramos uma situação, fazemos dois julgamentos (muitas vezes inconscientes).

Primeiro, decidimos se a situação é ameaçadora – isso pode ser uma ameaça à nossa posição social, valores, tempo ou reputação, bem como a nossa sobrevivência. Isso pode desencadear a resposta de luta ou fuga e a fase de alarme do GAS.

Em seguida, julgamos se temos os recursos para enfrentar a ameaça percebida. Esses recursos podem incluir tempo, conhecimento, capacidades emocionais, energia, força e muito mais.

O estresse que sentimos, então, depende de quão longe de controle nós sentimos e quão bem podemos enfrentar a ameaça com os recursos que temos disponíveis.

Quais os Sinais de Stress?

Todo mundo reage ao estresse de forma diferente. No entanto, alguns sinais e sintomas comuns da luta ou fuga incluem:

  • Dor de cabeça frequente.
  • Mãos e pés frios ou suados.
  • Acidez frequente, dor de estômago ou náuseas.
  • Ataques de pânico.
  • Dormir excessivamente, ou insônia.
  • Dificuldade persistente na concentração.
  • Comportamentos obsessivos ou compulsivos.
  • Abstinência social ou isolamento.
  • Fadiga constante.
  • Irritabilidade e episódios irritados.
  • Ganho ou perda significativa de peso.
  • Consistentes sentimentos de estarem sobrecarregados ou sobrecarregados.

Quais as Consequências do estresse?

O estresse afeta nossa capacidade de fazer nossos trabalhos efetivamente, e afeta a forma como trabalhamos com outras pessoas. Isso pode ter um impacto sério em nossas carreiras, bem como em nosso bem-estar e relacionamentos gerais.

O estresse a longo prazo também pode causar condições como burnout, doenças cardiovasculares, acidentes vasculares cerebrais, depressão, pressão alta e um sistema imunológico enfraquecido. (Claro, se você está estressado, a última coisa que você quer pensar é como é prejudicial. No entanto, você precisa saber o quão importante é levar o estresse a sério).

Como gerenciar o estresse?

O primeiro passo no gerenciamento do estresse é entender de onde esses sentimentos são provenientes. Mantenha um diário de stress para identificar as causas do estresse de curto prazo ou frequente em sua vida. À medida que você escreve os eventos, pense em por que essa situação o impõe. Além disso, use a Escala de estresse Holmes e Rahe para identificar eventos específicos que possam colocá-lo em risco de estresse a longo prazo.

Em seguida, liste esses estressores em ordem de seu impacto. O que mais afeta sua saúde e bem-estar? E o que afeta seu trabalho e produtividade?

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *