Network: como criar e manter a rede de segurança profissional

network
19 de outubro de 2021
Última modificação: 21 de outubro de 2021

Autor: Victor Gabry
Categorias: Carreira

O LinkedIn é a única rede social que não parou de crescer – e isso tem um bom motivo. Todos os seus mecanismos giram em torno de criar e manter relações de trabalho, esperando que elas sejam úteis. A plataforma trabalha como empresários de sucesso sempre fizeram na prática: construindo uma sólida rede profissional de contatos para a carreira, ou, um Network.

O que é o Network

Filmes como O Lobo de Wall Street mostram um traço comum da cultura americana: falar e se relacionar sobre trabalho. A verdade é que passamos mais de 20% da nossa vida no trabalho. As relações construídas nesse espaço serão responsáveis pelo seu sucesso profissional, mas também pelo seu bem-estar pessoal, e é aqui que o network entra. A palavra, inglesa, significa rede de trabalho, mas pode ser muito mais do que isso.

Mais a fundo na etimologia, Net que significa “rede”, e work, “trabalho”, juntas formam uma cultura de contatos úteis para a sua vida profissional. Não são apenas possíveis clientes, mas fornecedores, colegas de escritório, pares do setor, referências profissionais… Todos eles podem compor o seu network e servir realmente como uma rede de proteção.

Network ou networking

A diferença aqui é de substantivo para verbo – Network (com o “N” maiúsculo ou minúsculo) é o substantivo, a rede propriamente dita. Networking (que será invariavelmente minúsculo no meio da frase) é o verbo: significa criar, traçar, costurar esses contatos na sua rede.

Quando se fala em network, está se referindo a sua rede consolidada. Há bons e maus networks, e para saber qual é o seu basta olhar para a sua carreira e ver qual te ampara. Já o networking é estratégia: envolve a manutenção dos seus contatos, o sortimento adequado, e a capacidade de selecionar os melhores e que mais fazem sentido para a sua carreira.

Criando um network

Todos já tivemos bons e maus chefes ou colegas de trabalho, e competentes e incompetentes também. Nem sempre um é sinônimo do outro. Um chefe incompetente pode ser incrivelmente amigável. Um colega supercompetente pode ser um pedante insuportável. Como escolher o certo para fazer parte do seu network?

Negócios são negócios, amizades à parte. Separamos aqui um passo a passo para você dar os primeiros passos na construção do seu network.

Trace Objetivos

Primeiro, é importante ter em mente onde se quer chegar. Talvez um cargo de analista faça mais sentido para você – há habilidades necessárias para se aprender, gerentes que precisarão de você e pares com quem você precisará trabalhar. Anotou tudo? Agora está na hora de ir aonde essas pessoas estão.

Se faça presente

O principal espaço hoje para manter uma relação é o LinkedIn. A rede social tem toda a interface amigável e pensada para as interações profissionais – lá você pode recomendar colegas de trabalho cadastrar cursos, publicar artigos e ter acesso a vagas distintas. E como todo espaço, ele tem as suas regras e macetes.

Mas ele não é o único. Você pode encontrar referências profissionais nos seus antigos colegas de trabalho, professores e colegas de classe, e claro, sempre participando dos eventos da sua área. Uma feira de tecnologia, uma exposição ou um debate podem ser lugares frutíferos para construir relações. Afinal, quem vai para lá já pode ser considerado um lead interessado.

Seja assertivo

A comunicação assertiva consiste na justa medida entre expressar o que se pensa e ser proativamente empático com seus interlocutores. Uma comunicação assertiva passa inconscientemente autoridade por quem a adota – o controle de quem consegue dar um comando sem soar arrogante, ou admitir um erro sem parecer servil dá destaque ao ator envolvido.

Para ser assertivo é necessário entender durante o desenrolar da conversa as suas vontades, objetivos e metas com aquela interlocução e conseguir se colocar no lugar do outro para perceber esses mesmos fatores nele. Como não é matéria de escola, a FM2S disponibilizou um curso exclusivo, com certificação adequada ao LinkedIn.

Curso Comunicação assertiva

Como fazer um bom networking

Agora que detalhamos o substantivo, podemos passar para o verbo. Já teve um momento que você conheceu uma pessoa, achou que tinha tudo para o assunto evoluir, trocou um papo bom e quando viu, ela desceu no ponto dela? A primeira impressão precisa ser bem definida, mas depois é necessário mantê-la.

E como tudo, existe método e o jeito mais eficiente de se fazer um bom networking. Para isso nós separamos alguns aspectos para você conseguir dar essa polida na sua rede.

Exercite a empatia

Não é exclusividade do mercado de trabalho que há interesses em jogo – e é assim que tem que ser. De um lado, você quer divulgar seus serviços ou produtos, se fazer ver no seu meio, aprender alguma habilidade. Do outro, tem alguém que gostaria dos seus serviços, pode aprender ou trocar com você, e de alguma forma, também tiraria algum benefício desse relacionamento.

É aqui que um bom networking entra: para começar, identifique o que você tem a oferecer e o que outras pessoas podem precisar de você. É nesse ponto que você vai encontrar o gancho ideal para começar as suas relações profissionais. E longe de ser algo egoísta – está bem mais próximo de um exercício de empatia.

Se mantenha atualizado

E não só cursos ou capacitações, embora esses também sejam bem vindos. Se manter atualizado é manter os contatos quentes. Mantenha um calendário com datas para entrar em contato com os indivíduos da sua rede periodicamente. Aqui, pergunte como estão, o que andam fazendo.

Se abra para a troca

Pode parecer redundante, mas existe um traço muito importante em se abrir. Algum problema no trabalho pode ser uma experiência em comum entre você e alguém que você quer conhecer. Uma solução que te ocorreu pode salvar a pele de alguém que vai se sentir grata por isso.

O mesmo vale para aprendizados. Se você se examinar bem, vai perceber que domina algumas ferramentas ou mecanismos que a maioria não conhece ou tem contato. Esse é um capital valiosíssimo de troca – um ensinamento por outro, uma dica por outra. Quid pro quo, uma mão lava a outra.

Certifique-se de que está funcionando

Não esqueça de avaliar se essa estratégia está sendo a melhor. Às vezes você está trocando com alguém que só te suga, ou que vendeu uma ideia que não corresponde à realidade. Para isso, mantenha alguns objetivos em mente e algumas métricas que você possa acompanhar.

Se você fez contato com o gerente na esperança de uma promoção que não veio no tempo esperado, avalie se: 1) sua estratégia é a melhor para mostrar o seu trabalho ou se 2) não vale mais a pena se aproximar de outro profissional. Se você buscava aprendizado em certa área, veja ao longo do tempo quanto conseguiu aprender. Isso te ajuda a nortear a construção e manutenção do seu networking.

Sobretudo, seja ético

Um traço da comunicação assertiva e de um bom networking é a ética. Aristóteles dizia que o preguiçoso só fala a verdade, porque mentir dá muito trabalho, e tinha razão. Priorize as relações e seja sempre transparente nas suas intenções.

Leia mais no blog

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *