Métricas na Cadeia de Suprimentos

cadeia de suprimentos
15 de dezembro de 2015
Última modificação: 15 de dezembro de 2015

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Blog

O que é a Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM)?

O gerenciamento da cadeia de suprimentos (SCM) é o gerenciamento ativo das atividades da cadeia de suprimentos para maximizar o valor do cliente e alcançar uma vantagem competitiva sustentável. Representa um esforço consciente das empresas da cadeia de suprimentos para desenvolver e gerenciar as cadeias de suprimentos das formas mais eficazes e eficientes possíveis. As atividades da cadeia de suprimentos cobrem tudo, desde o desenvolvimento de produtos, compras, produção e logística, bem como os sistemas de informação necessários para coordenar essas atividades.

“Supply Chain é a rede de organizações envolvidas, através de ligações a montante e a jusante, nos diferentes processos e atividades que produzem valor sob a forma de produtos e serviços nas mãos do consumidor final” – da Logística e da Gestão da Cadeia de Suprimentos por Martin Christopher

O conceito de Supply Chain Management (SCM) baseia-se em duas ideias principais:

  • O primeiro é que praticamente todos os produtos que atingem um usuário final representam o esforço acumulado de várias organizações. Essas organizações são referidas coletivamente como a cadeia de suprimentos.
  • A segunda ideia é que, enquanto as cadeias de suprimentos existiram há muito tempo, a maioria das organizações apenas prestou atenção ao que estava acontecendo dentro de suas “quatro paredes”. Poucas empresas entenderam, muito menos gerenciadas, toda a cadeia de atividades que finalmente entregou produtos para O cliente final. O resultado foi desconectado e, muitas vezes, cadeias de fornecimento ineficazes.

O que é Supply Chain Management?

Cada pesquisador define o gerenciamento da cadeia de suprimentos de forma diferente. No entanto, gostaríamos de fornecer a definição de gerenciamento de cadeia de suprimento simples como abaixo,

“Supply Chain Management (SCM) refere-se à coordenação de produção, inventário, localização e transporte entre os participantes em uma cadeia de suprimentos para alcançar a melhor combinação de capacidade de resposta e eficiência para o mercado que está sendo servido” – da Essential of Supply Chain Management por Michael

Para aprofundar, o gerenciamento da cadeia de suprimentos tem 6 componentes importantes como abaixo,

É uma rede

Muitas empresas têm o departamento que controla várias atividades dentro da cadeia de suprimentos. Assim, as pessoas são levadas a acreditar que o SCM é uma “função” que não é. Supply Chain é, na verdade, uma “rede” consiste em muitos jogadores. Uma estrutura genérica de cadeia de suprimentos é tão simples como Fornecedor, Fabricante, Grossista e Varejista (é mais complexo no mundo real, mas uma ilustração simples serve a finalidade).

A palavra “gestão” pode ser explicada brevemente como “planejamento, implementação, controle”. Supply Chain Management é então o planejamento, implementação e controle das redes.

Informação tem que fluir

Outro atributo importante do gerenciamento da cadeia de suprimentos é o fluxo de material, informação e finanças (dinheiro). Mesmo pensado que existem 3 tipos de fluxo, o mais importante é o fluxo de informações, também conhecido como compartilhamento de informações.

Quando os dados da demanda não são compartilhados, cada jogador da mesma cadeia de suprimentos deve fazer algum tipo de especulação. De acordo com o gráfico acima, o revendedor tem uma demanda de 100 unidades, mas cada jogador tende a manter o estoque mais e mais a cada passo do caminho. Isso resulta em custos mais altos para todos na mesma cadeia de suprimentos.

Quando a informação é compartilhada do varejista para o fornecedor, todos não precisam manter o estoque tanto. O resultado é um custo menor para todos.

A coordenação é essencial

O compartilhamento de informações requer um certo grau de “coordenação” (também é referido como colaboração ou integração em artigos acadêmicos). Você se pergunta quando as pessoas começaram a trabalhar juntas como uma rede de rede de suprimentos? Em 1984, as empresas do setor de vestuário trabalharam juntos para reduzir o tempo total de entrega. Em 1995, as empresas da indústria automotiva usaram o Electronic Data Interchange para compartilhar informações. Então, trabalhar como uma “cadeia” é a prática do mundo real.

Evite objetivos conflitantes

Trabalhar como uma rede de rede de suprimentos requer o mesmo objetivo, mas isso geralmente não é o caso (mesmo com alguém da mesma empresa). “Objetivos em conflito” é o termo usado para descrever a situação quando cada função quer algo que não vá bem juntos. Por exemplo, a compra de pessoas sempre coloca as ordens para os vendedores mais baratos (com um tempo de entrega muito longo), mas as pessoas de produção precisam de material mais rapidamente.

Para evitar objetivos conflitantes, você precisa decidir se deseja adotar estratégia baseada em tempo, estratégia de baixo custo ou estratégia de diferenciação. É necessária uma direção clara para que as pessoas possam tomar as decisões adequadamente.

Saldo de custo/serviço

O conceito de custo/serviço de trade-off apareceu já em 1985, mas parece que as pessoas realmente não entendem. Quando você quer melhorar o serviço, o custo aumenta. Quando você deseja reduzir os custos, o serviço sofre. É como uma “gangorra”, a melhor maneira de fazer é tentar equilibrar os dois lados.

O exemplo do mundo real é que um “novo chefe” pede que você reduza os custos em 10%, melhore o nível de serviço em 15%, as voltas de inventário duplo e assim por diante. Se você realmente entende o conceito de trade-off do custo / serviço, você concordará que não pode vencê-los todos. A maneira mais apropriada de lidar com isso é priorizar seus KPIs.

Fomentar o relacionamento de longo prazo

Para trabalhar como a mesma “equipe da cadeia de suprimentos”, o relacionamento de longo prazo é uma chave. Caso contrário, você é apenas uma empresa separada com uma estratégia / agenda diferente. Assim, a academia continua a pregar sobre a importância da construção de relacionamento, mas não é para todos.

Como medir a cadeia de suprimentos?

Existem inúmeros indicadores para avaliar o desempenho de uma cadeia de suprimentos e o papel de cada empresa é saber quais dessas métricas ela deve utilizar. Este ponto é crucial para uma organização e para toda a cadeia, pois a partir desta análise é que a empresa poderá enxergar novas oportunidades de crescimento e melhoria.

É importante ser coerente com o número de indicadores utilizados. Muitos indicadores podem sobrecarregar a empresa com informações que nunca chegam a constituir um panorama coerente. Igualmente, um único indicador é normalmente inadequado, em função de sua dificuldade em abranger todos os aspectos importantes que devem ser mensurados e por ignorar as interações entre as características importantes da cadeia, não abrangendo aspectos críticos dos objetivos estratégicos da organização.

Como avaliar?

Uma boa avaliação de desempenho deve estar norteada pela visão estratégica central da empresa, a partir da qual se pode determinar o mapeamento de pontos que devem ser avaliados para medir o quão perto dos seus objetivos a empresa encontra-se.

Uma escolha correta dos indicadores tornará possível o monitoramento do desempenho e a identificação de áreas carentes de atenção, aumentando a motivação, melhorando a comunicação e fortalecendo as finanças da empresa. Na medição de desempenho de Cadeias de Suprimento, atividades que não estejam sob controle direto de uma só empresa devem ser avaliadas e controladas em conjunto pelos parceiros da cadeia de suprimento.

Agora vamos ver algumas sugestões de maneiras de se mensurar a cadeia de suprimentos fornecida por alguns autores. Todos eles compartilham do pensamento que a complexidade de uma cadeia não pode ser renegada à um pequeno grupo de pessoas. Sem que todas as integrantes chaves estejam presentes, criar um sistema de monitoramento da cadeia será inútil, com grande esforço sendo empregado em algo em que não se vê valor.

cadeia de suprimentos

Tabela 01: Indicadores de desempenho balanceados. Fonte: PRTM apud Stewart (1995)

cadeia de suprimentos

Tabela 02: Indicadores de desempenho do modelo de Beamon (1999).

cadeia de suprimentos

Figura 01: Como o gerenciamento da relação com clientes afeta o EVA (Valor Econômico Agregado). Fonte: Traduzido do trabalho de Lambert e Pohlen (2001)

Cadeia de suprimentos

É isto que falamos em nosso Green Belt: a importância das métricas. Não adianta medir tudo, nem tampouco medir nada. Também não adianta medirmos de uma maneira indisciplinada que gere medições erradas. Isto nos leva a entender o processo errado e a tomar decisões errôneas. Não é isto que queremos, concorda? Por isto que toda a análise de sistema de medição que lá fazemos, nos ajuda a desenvolver os Dashboard e sistemas de medição corretos, adequados à sua realidade. Vamos desde o setor logístico ao setor fabril. Abordados no Green Belt e Black Belt.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − dez =