Aprender: descubra como fazê-lo da melhor forma

aprender
13 de junho de 2020
Última modificação: 13 de junho de 2020

Autor: Paula Louzada
Categorias: Blog, Carreira

Aprender: um desafio sempre atual

Nós da FM2S entendemos que estamos passando por um momento de séria exceção – afinal, o ano de 2020 jogou uma bomba em nosso colo: a quarentena e o isolamento social (motivamos por uma pandemia, diga-se de passagem). Mas, por outro lado, vemos como mais próximo de uma solução o aprender. Neste blog, portanto, você encontra diferentes dicas para diversificar, ampliar e melhorar as formas de aprender, assim como de onde vieram esses ideias. Fica ligado!

Para não deixar suas engrenagens enferrujarem, continue estudando tendo acesso a mais de 50 dos cursos! Confira agora mesmo a Assinatura FM2S!

Identificar seu estilo preferido de aprender pode facilitar a aquisição de novos conhecimentos e habilidades. Aliás, essa ideia de que todo mundo tem seu próprio estilo de aprendizado se tornou popular na década de 1970. É um pensamento atraente: se cada um de nós pudesse identificar uma abordagem “ideal” para a aprendizagem, poderíamos nos concentrar nela – e ter sucesso consistente.

Além disso, ao entender as necessidades de outras pessoas, saberíamos a melhor forma de ajudá-las a aprender. Com isso poderíamos revolucionar a educação e ajudar a todos a alcançar todo o nosso potencial como aprendizes.

Antes de explicarmos por que muitos especialistas agora têm pouca fé nos estilos de aprendizagem, vamos explorar como algumas das ideias originais surgiram.

Diferentes estilos de aprendizagem: 6 modelos e teorias influentes

  1. David Kolb e Aprendizagem Experimental

O modelo de “aprendizagem experiencial” de David Kolb afirmava que aprendemos continuamente e, no processo, construímos forças particulares. Dizia-se que esses pontos fortes originavam preferências pessoais, que Kolb descreveu em termos de quatro estilos de aprendizado: acomodação, convergência, divergência e assimilação.

Kolb disse que era benéfico saber que tipo de aluno você era, a fim de “aproveitar seus pontos fortes”. Ele também acreditava que educadores e treinadores poderiam adaptar seus métodos de ensino aos diferentes estilos de aprendizado.

  1. Estilos de aprendizagem de Honey e Mumford

Peter Honey e Alan Mumford desenvolveram o modelo de Kolb, concentrando-se em como o aprendizado é usado na prática, principalmente no trabalho. Eles identificaram quatro novos estilos de aprendizado: Ativista, Pragmatista, Refletor e Teórico – usando termos que podemos escolher naturalmente para descrever a nós mesmos e a nossos colegas.

  1. Estilos mentais de Anthony Gregorc

Anthony Gregorc e Kathleen Butler entraram em mais detalhes sobre como pensamos e como isso pode afetar a maneira como aprendemos. Essa teoria nos coloca em um espectro entre o pensamento concreto e abstrato, e entre a ordem sequencial e aleatória de nossos pensamentos. No modelo de Gregorc, nossos pontos fortes e fracos em cada uma dessas áreas determinaram nosso estilo de aprendizado individual.

  1. Aprendizes visuais, auditivos e cinestésicos (VAK)

O psicólogo educacional Walter Burke Barbe e seus colegas propuseram três “modalidades” de aprendizado: Visual, Auditivo e Cinestésico (movimento e toque). Estes eram frequentemente referidos simplesmente como VAK.

  1. Força-Tarefa de Estilos de Aprendizagem

Na década de 1980, os educadores americanos ainda tentavam descobrir o máximo possível sobre estilos de aprendizagem, para ajudar os professores em sala de aula a alcançar os melhores resultados possíveis. Eles dividiram os estilos de aprendizagem em três categorias: cognitiva, afetiva e fisiológica.

  1. O Índice de Estilos de Aprendizagem ™

Vários questionários e testes relacionados foram rapidamente utilizados, visando ajudar as pessoas a identificar seu estilo de aprendizado pessoal. Um dos mais populares foi baseado no The Index of Learning Styles ™, desenvolvido pelo Dr. Richard Felder e Barbara Soloman no final dos anos 80.

Questionários como este prometiam definir o estilo de aprendizado de qualquer pessoa, para que pudessem resolver quaisquer “desequilíbrios” e aprender da maneira que os beneficiasse mais.

Críticas aos estilos de aprendizagem

Essas e outras teorias sobre estilos de aprendizagem tornaram-se extremamente populares e generalizadas. No entanto, um crescente corpo de pesquisa desafiou muitas de suas reivindicações.

4 principais críticas levantadas contra essas ideias

  1. A ciência não é forte o suficiente

Podemos expressar nossas preferências sobre como aprendemos, mas elas não são necessariamente um reflexo exato de como nossos cérebros funcionam. Segundo a neurocientista Susan Greenfield, a ideia de que podemos ser definidos como alunos puramente visuais, auditivos ou cinestésicos é “um absurdo”. Isso porque, diz ela, “os seres humanos evoluíram para construir uma imagem do mundo através de nossos sentidos, trabalhando em uníssono, explorando a imensa interconectividade que existe no cérebro”.

  1. Mudança de Estilos de Aprendizagem

Tentativas de “diagnosticar” o estilo de aprendizagem de alguém de uma vez por todas provavelmente falharão. Como Eileen Carnell e Caroline Lodge explicam em seu livro “Aprendizado eficaz”, o método de aprendizado de um indivíduo será diferente em situações diferentes e provavelmente mudará ao longo do tempo.

  1. Pontos fortes e preferências não são a mesma coisa

Uma parte influente da pesquisa publicada no Journal of Educational Psychology revelou grandes diferenças entre as forças avaliadas das pessoas e como elas realmente lidavam com as tarefas de aprendizagem na prática. Por exemplo, alguém que obtém uma nota melhor nos testes depois de ouvir as informações ainda pode optar por aprender lendo – simplesmente porque gosta mais desse estilo de aprender.

  1. Ensinar estilos particulares de aprendizagem não funciona

Para o psicólogo Scott Lilienfeld, a ideia de que “os alunos aprendem melhor quando os estilos de ensino são compatíveis com seus estilos de aprendizado” é um dos “50 Grandes Mitos da Psicologia Popular”. Isso, ele diz, “incentiva os professores a ensinar aos pontos fortes intelectuais dos alunos, e não às suas fraquezas”, limitando sua aprendizagem como resultado.

Usando os estilos de aprendizagem para melhor aprender

Apesar das críticas que descrevemos, algumas das ideias que sustentam as teorias dos estilos de aprendizagem ainda têm valor – especialmente a ênfase na metacognição: “pensar em pensar”.

Afinal, analisar nosso pensamento pode nos ajudar a planejar estratégias de aprendizado que funcionem para nós. Isso pode nos ajudar a nos tornar mais organizados em nossos estudos, a usar o conhecimento prévio como base para novos aprendizados e a escolher métodos eficazes para diferentes tarefas de aprendizado.

Além disso, examinando nossos pontos fortes e fracos, podemos tirar o máximo proveito de todos os aspectos do aprendizado que “surgem naturalmente” e de que gostamos, enquanto também trabalhamos nas áreas que podem estar nos impedindo.

3 passos para melhorar seu jeito de aprender

  1. Veja o quadro geral

Faça o possível para obter uma imagem global do seu aprendizado. Observe todas as diferentes razões pelas quais você tende a aprender da maneira como aprende.

E, quando estiver aprendendo, pergunte-se por que está fazendo isso de uma maneira específica. É porque é o mais eficaz para você, ou simplesmente porque é o que você sempre fez?

Desconfie de julgamentos definitivos. Em vez disso, considere diferentes cenários e tente diferenciar entre como você gosta de aprender e como você aprende melhor – em uma variedade de situações de aprendizado.

  1. Identifique seus pontos fortes

Destaque os tipos de aprendizado que funcionam melhor para você. Por exemplo, você pode ser mais um aluno ativo, que opera melhor em grupos. Em se tratando de trabalho em equipe, confira nosso e-book sobre o tema.

Continue fazendo as coisas que dão os melhores resultados, para manter seu aprendizado rápido e eficaz – e procure maneiras de melhorá-las ainda mais. Por outro lado, também deixe espaço para praticar e fortalecer os comportamentos de aprendizagem que achar mais difíceis.

  1. Trabalhe suas fraquezas

Muitas vezes, você pode melhorar as áreas de seu aprendizado de não tão bom resultado simplesmente usando-as mais.

Se você acha que não está confiante na aprendizagem visual, por exemplo, adquira o hábito de ler os gráficos e diagramas de um artigo antes de se deparar com as ideias do texto.

Ou, se você é um aluno independente por natureza, tente envolver outras pessoas na solução de problemas de tempos em tempos.

Além disso, procure ativamente oportunidades para experimentar novas maneiras de aprender. Você pode se surpreender com o que funciona – e com os novos elementos de aprendizado que você gosta.

Como ajudar outras pessoas a aprender

Tornar-se mais consciente de seus próprios pontos fortes e preferências ajuda a apreciar e atender às diversas maneiras pelas quais os outros aprendem também.

Por exemplo, quando você estiver fazendo uma apresentação, presidindo uma reunião ou liderando uma sessão de treinamento, evite se apoiar demais na abordagem que você gostaria.

Lembre-se de que alguns alunos se beneficiarão de recursos visuais, enquanto outros confiarão em ouvir o que você diz ou em assistir sua linguagem corporal. Faça representações de teorias abstratas com exemplos da vida real. Passe algum tempo discutindo pequenos detalhes e descrevendo ideias em larga escala.

Você nem sempre pode atender a todos, mas pode envolver melhor seu público, permitindo diferentes abordagens para o aprendizado.

Para se aprofundar e evoluir no tema de dar suporte à sua equipe, confira o curso de Como treinar seus colaboradores da FM2S!

Conclusão

As teorias de “Estilos de aprendizagem” tentaram definir as pessoas pela maneira como aprendem – com base nos pontos fortes individuais, preferências pessoais e outros fatores como motivação e ambiente de aprendizagem favorecido.

Muitos modelos diferentes de Estilos de Aprendizagem foram desenvolvidos, mas mesmo os mais populares já foram questionados. As principais críticas são de que elas são não científicas,  além de inflexíveis e ineficazes na prática.

No entanto, ainda vale a pena usar a metacognição – “pensar em pensar” – para descobrir o que ajuda você a aprender. Dessa forma, você pode aproveitar seus pontos fortes, desenvolver áreas mais fracas e criar as melhores condições para o aprendizado. Para ampliar seus esforços nesse sentido, não deixe de conhecer a ferramenta da Análise SWOT Pessoal.

Esse nível de conscientização, portanto, também pode ajudá-lo a se comunicar com maior impacto e apoiar outras pessoas a aprender.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + 9 =