O que o Poderoso Chefão nos ensina sobre liderança?

poderoso chefão
13 de fevereiro de 2019
Última modificação: 13 de fevereiro de 2019

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog, Melhoria de Processos

Eu assisti O Poderoso Chefão neste final de semana. Don Corleone foi bastante inteligente sobre como nós somos capazes de influenciar pessoas e fazer as coisas. Aqui estão algumas de suas melhores práticas de liderança:

Diferentes traços para pessoas diferentes

Ele era perspicaz sobre o caminho certo para motivar as pessoas e ele usou o método certo com as pessoas certas. Ele usava o medo para motivar algumas pessoas (ou seja, o agente funerário), ele era muito respeitoso com algumas pessoas (Luca Bracci), e ele dava aos outros um chute rápido nas calças (ou seja, Johnny Fontaine).

Dois ouvidos e uma boca

Ele sempre ouvia atentamente e não falava muito. Ele ocasionalmente pedia esclarecimentos, mas nunca interrompia.

Decisões, decisões, decisões

Seu papel era ouvir, pensar e tomar decisões. Ele nunca “fez” nada no filme, mas tomou muitas decisões e delegou as ações com eficiência. Bons gerentes são fábricas de boas decisões.

 No Happy Ears

Depois de receber a má notícia do produtor de cinema que Johnny Fontaine não iria estrelar seu filme, o consigliere respondeu que precisava sair imediatamente e voltar para casa porque o Don insiste em ouvir más notícias imediatamente. Como um gerente meu disse certa vez, “más notícias não melhoram com a idade”.

Decisões sem emoção

Há inúmeras vezes no filme em que as emoções poderiam ter influenciado sua decisão, mas em todos os casos ele tomou uma decisão comercial desapaixonada.

 Somente os paranoicos sobrevivem

Perto do fim do padrinho, o Don passa repetidamente como Michael (seu filho) provavelmente será assassinado. O Don era paranoico e tinha grande atenção aos detalhes sobre assuntos importantes.

Mantenha a sua palavra

O Don não era santo, mas quando ele disse que ia fazer alguma coisa, ele fazia isso, sempre mantendo sua palavra. Dessa forma, quando ele prometeu fazer alguma coisa (ou seja, não se vingar da morte de seu filho Santino), todos envolvidos acreditavam sem questionar.

Reação de ação

Quando ele pensa sobre o que fazer, ele sempre pensa sobre a reação de todos os constituintes em uma dinâmica de sistema quase como a moda. Por exemplo, quando pediram a ele para financiar uma prática lucrativa de drogas, ele disse não porque os juízes / policiais que estavam em sua folha de pagamento não o apoiariam se ele entrasse em um negócio “sujo” como drogas, ao contrário de jogos de azar e prostituição. Seus rapazes pensavam que eram vícios inofensivos.

Quid Pro Quo

Como no meu antigo chefe costumava dizer: “nunca faça algo por nada”. O Don fazia “favores” para as pessoas o tempo todo, mas deixava-os saber que o tempo deles viria para retribuir um favor.

Boa Gestão do Conhecimento

Durante cada reunião, ele teve seu “consigliere” com ele tomando notas e itens de ação para garantir que nada caísse pelas rachaduras.

Claro que o Don usou mais uma ferramenta com grande efeito – medo. Ele era um assassino de sangue frio que estabeleceu alguns precedentes duros. Não toleramos esse tipo de coisa, mas algumas de suas outras práticas listadas acima são bem inteligentes.

Quer mais dicas do Poderoso Chefão para sua empresa?

“Não é pessoal. É estritamente de negócios”

Entender suas próprias motivações e poder comunicar isso à sua equipe é uma obrigação. Perceber as emoções dos funcionários é tão importante quanto. No entanto, como O Poderoso Chefão sugere, você precisa saber quando reinar tudo isso – e quando você precisa ser um pouco implacável.

Quando você está crescendo e precisa de uma força de trabalho sólida, isso geralmente significa deixar de lado aqueles que não realizam. Nesse tipo de situação, não deixe que os relacionamentos obscureçam seu julgamento. Sempre pense no que é melhor para o seu negócio e o resto da sua força de trabalho.

Esta é apenas uma maneira de interpretar a citação. Você poderia dizer que enfatiza a necessidade de intervenção entre disputas de equipe. Os funcionários são, afinal de contas, compostos de uma miríade de personalidades. Eles nem sempre concordam. E quando eles começam a ficar com raiva e se aventuram em território pessoal, você intervém.

Da mesma forma, você nem sempre estará no lado vencedor. O mundo dos negócios é como o oceano – há um fluxo e refluxo. Você perderá clientes e ganhará alguns. Você ganhará vantagem antes que o produto ou serviço de um concorrente o derrube. Não deixe isso chegar até você. Porque às vezes muita emoção leva a decisões erradas.

“Boa saúde é a coisa mais importante. Mais que sucesso, mais que dinheiro, mais que poder”

Muito já foi dito sobre saúde mental. Estima-se que um em cada quatro brasileiros experimenta um problema de saúde mental a cada ano. Cerca de um em cada seis experimenta ansiedade e depressão em qualquer semana.

O estresse é um dos principais instigadores. Claro, existem inúmeros riscos para a saúde associados ao estresse. Você também pode começar a se sentir deprimido, sua contribuição criativa pode ser uma lição, você pode se afastar e suas emoções ficarão altas.

Qualquer uma delas pode afetar negativamente não apenas os negócios, mas também as pessoas ao seu redor. Sua saúde é o que impulsiona você a ter sucesso e ganhar mais dinheiro. Quando você está no topo do seu jogo, energizado e produtivo, você vai conseguir muito mais.

Infelizmente, enquanto a saúde mental está à luz do dia, os empresários tendem a se concentrar na equipe e não em si mesmos. Lembre-se, a mudança vem de cima para baixo. Até mesmo a família do crime do padrinho percebeu os benefícios que a boa saúde tem em uma “organização”.

“Luca Brasi apontou uma arma para a cabeça e meu pai lhe garantiu que seu cérebro ou sua assinatura estariam no contrato”

Negociação desempenha um grande papel em O Poderoso Chefão – e esta citação está lá em cima com “Nunca faça uma ameaça”. Embora possa ser parte de uma narrativa espirituosa que Michael Corleone diz à namorada, seu significado ainda tem importância.

Essencialmente, deixe a outra parte sem escolha. Faça uma oferta que eles não possam recusar. Pregue o básico da negociação para que você deixe uma impressão duradoura – e faça parecer que você já tem outra oferta alinhada.

Para a empresa com quem você está negociando, pode ser uma arma na cabeça. Se você é brilhante no que faz, deixá-lo sair pela porta sem contrato pode ser prejudicial.

É também um apelo à confiança. Não deixe a outra empresa passar por cima de você. Dê a sua opinião, mantenha sua calma proverbial e, se precisar, puxe o gatilho e saia. Nunca se contente com nada pior – a menos que seja parte de uma estratégia mais ampla.

“Eu sempre acreditei que ajudar o seu próximo é lucrativo em todos os sentidos, pessoalmente e no resultado final”

Pesquisas mostram cada vez mais que os clientes se esforçam para buscar marcas éticas e sustentáveis. A sustentabilidade não é algo bom para as empresas. Tornou-se um imperativo.

Isso foi resultado da pesquisa da Unilever, alegando que existe uma oportunidade de 966 bilhões de euros para empresas que tornam as credenciais de sustentabilidade claras. Afinal, as pessoas de todo o mundo já esperam que as marcas façam parte de algo mais, para ajudar a salvar comunidades e resolver problemas mundiais.

É natural que as empresas “ajudando a salvar o mundo” – não importa quão pequenas – sejam vistas como mais atraentes. Certamente inspira confiança dentro dos funcionários e empresários.

Mas também afeta o resultado final. Haverá mais clientes através da porta e os candidatos derrubando paredes para entrar na sua empresa. O padrinho, apesar de suas cenas sombrias, pode te ensinar muito sobre negócios. Vale a pena assistir se você ainda não o fez.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *