Matriz produto-processo: o que é e como utilizá-la?

Matriz Produto-Processo
20 de maio de 2020
Última modificação: 20 de maio de 2020

Autor: Guilherme Mendes
Categorias: Blog

Introdução

Vamos imaginar o seguinte cenário: você precisa fazer 500 pastéis, metade de um sabor A e a outra metade do sabor B. Daí eu lhe pergunto qual das duas estratégias é a mais eficiente:

  • Estratégia 1: você monta os pastéis um por um, estendendo um pedaço da massa, colocando o recheio e fechando logo em seguida.
  • Estratégia 2: você monta os pastéis em série, estendendo a massa em uma mesa grande que te permite fazer 10 pasteis de um determinado sabor de uma vez só.

Embora seja provavelmente mais chato, a estratégia 2 é quase certamente mais eficiente, pois você pode ter facilmente um ou dois itens necessários para essa tarefa e não perde tempo alternando entre as tarefas.

Exatamente para esse tipo de situação que é usada a matriz produto-processo. Neste artigo, explicaremos exatamente o que é – e como isso pode ajudá-lo a decidir como organizar os processos com mais eficiência. A ferramenta é particularmente útil quando você está introduzindo ou fazendo alterações nos volumes de trabalho ou produto que precisa processar.

O que é a Matriz produto-processo?

Foi introduzida por Robert H. Hayes e Steven C. Wheelwright em dois artigos clássicos de gerenciamento publicados na Harvard Business Review em 1979, intitulados “Link Manufacturing Process and Product Life Cycles” e “The Dynamics of Process-Product Life Cycles”. A utilidade dessa matriz foi utilizada em primeiro momento para avaliar proporções entre as fábricas e o mercado a fim de encontrar estratégias de produção para empresas. Isso ajuda as organizações a identificar o tipo de abordagem de produção que devem usar para um produto, com base nos volumes do produto que está sendo produzido e na quantidade.

Essa matriz foi dividia em dois grupos sendo eles: estrutura do produto/ciclo de vida do produto e estrutura do processo / ciclo de vida do processo.

A parte de estrutura do processo/ciclo de vida do processo descreve a escolha do processo (oficina, lote, linha de montagem) e como ele será estruturado (fluxo confuso, fluxo de linha desconectado, fluxo de linha conectado e fluxo contínuo). A estrutura do produto/ ciclo de vida útil do produto ciclo descreve os quatro estágios do ciclo de vida e seu grau de padronização (baixa a alta).

Caracterização de Processo

Uma empresa pode ser caracterizada como ocupando uma região específica na matriz, de acordo com a figura. Essa região é determinada pelo estágio da empresa no ciclo de vida do produto e pela escolha do processo de produção da empresa. No extremo superior esquerdo, as empresas são caracterizadas como orientadas ou focadas no processo, enquanto o extremo inferior direito mantém as empresas que se dizem focadas no produto. A decisão de onde uma empresa se localiza na matriz é determinada pela organização do sistema de produção, agrupando recursos em torno do processo ou do produto. Observe na figura que os vértices da matriz resultam em quatro tipos distintos de operações (descritas pela opção de processo apropriada) localizadas na diagonal da matriz.

Matriz produto-processo

                                           Figura 1 – Matriz produto-processo

Escolhas de Processo

Project

Os projetos são brevemente incluídos na discussão, pois às vezes são encontrados no canto superior esquerdo da matriz (dependendo do autor). Isso inclui produtos únicos e de larga escala, como contratos de engenharia civil, programas aeroespaciais, construção etc. Eles também são específicos do cliente e geralmente são grandes demais para serem movidos, o que praticamente determina que o projeto é o processo de escolha.

As linhas da matriz contêm as opções de processo que a maioria das organizações se localiza na diagonal da matriz, onde o tipo de produto e a escolha do processo são alinhados logicamente entre si. Esses tipos de processos são os seguintes:

Job Shop

Se você é uma organização que se enquadra no processo de oficina, é mais do que provável que produza uma variedade de mercadorias em volumes de produção relativamente baixos. Isso permite muita flexibilidade em seus funcionários e em seu equipamento, porque você está produzindo um volume baixo. No entanto, os produtos produzidos são geralmente produtos únicos que requerem personalização, interação direta com os clientes e exigem um alto nível de habilidade para produzir.

Batch

As empresas que utilizam processos em lote fornecem itens semelhantes repetidamente, geralmente em volumes maiores que os associados às oficinas de trabalho. Às vezes, os produtos são acumulados até que muito possa ser processado juntos. Quando a rota de fabricação mais eficaz é determinada, o maior volume e a repetição de requisitos podem fazer um uso mais eficiente da capacidade e resultar em custos significativamente mais baixos.

Como o volume é maior do que o da oficina, muitos processos podem ser utilizados em repetição, criando um fluxo muito mais suave de trabalho em processo por toda a oficina. Enquanto o fluxo é mais suave, o trabalho em processo ainda se move para os vários grupos de máquinas em toda a loja de uma maneira um pouco confusa. Isso é descrito como um fluxo de linha desconectado ou fluxo intermitente.

Empresas que trabalham com grandes lotes em geral são empresas que possuem máquinas com alto tempo de setup, logo não compensa configurar a máquina para produzir poucas unidades de um produto. Mediante a isso a FM2S criou o curso de SMED, aproveite para conferir!

Line

Quando a demanda do produto é alta o suficiente, o processo apropriado é a linha de montagem. Frequentemente, esse processo (junto com o contínuo; ambos estão no quadrante inferior direito da matriz) é chamado de produção em massa. Os trabalhadores geralmente executam as mesmas operações para cada produção executada em um fluxo padrão e, esperamos, ininterrupto. A linha de montagem trata todas as saídas como basicamente iguais. As empresas caracterizadas por esse processo geralmente são altamente automatizadas, utilizando equipamentos para fins especiais.

Geralmente, há um conjunto fixo de entradas e saídas, tempo de produção constante e um fluxo de trabalho relativamente contínuo. Como o produto é padronizado, o processo também pode ser, seguindo o mesmo caminho de uma operação para a seguinte, característica da metodologia Seis Sigma.

Você pode conferir a nossa certificação Seis Sigma em nossa Plataforma EAD. Acesse já e torne-se especialista em uma das metodologias mais requeridas no mercado da engenharia.

A matriz produto-processo pode facilitar o entendimento das opções estratégicas disponíveis para uma empresa, principalmente no que diz respeito à sua função de fabricação. Uma empresa pode ser caracterizada como ocupando uma região específica da matriz, determinada pelos estágios do ciclo de vida do produto e por sua escolha do (s) processo (s) de produção para cada produto individual. Ao incorporar essa dimensão em seu processo de planejamento estratégico, a empresa incentiva um pensamento mais criativo sobre competência organizacional e vantagem competitiva.

Outras Aplicações

Além disso, o uso da matriz produto-processo fornece uma maneira natural de envolver os gerentes de manufatura no processo de planejamento, para que possam relacionar suas oportunidades e decisões com mais eficiência com as do marketing e da própria corporação, o que leva a previsões mais informadas sobre mudanças no setor e as respostas estratégicas apropriadas da empresa. Usos adicionais da matriz produto-processo incluem:

  • Análise a entrada e saída do produto;
  • Determinar a combinação apropriada de instalações de fabricação, identificar os principais objetivos de fabricação de cada planta e monitorar o progresso desses objetivos no nível corporativo;
  • Revisão das decisões de investimento de plantas e equipamentos em termos de consistência com os planos de produtos e processos;
  • Determinar a direção e o momento das principais mudanças nos processos de produção de uma empresa;
  • Avaliar de oportunidades de produtos e de mercado à luz das capacidades de fabricação da empresa;
  • Selecionar um processo e uma estrutura de produtos adequados para entrar em um novo mercado.

Para começar a se especializar em uma das metodologias mais requeridas no mercado da engenharia, inicie já gratuitamente o nosso curso de White Belt e saia na frente!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *