Inflação: como analisar sob a ótica do Seis Sigma?

inflação
10 de novembro de 2016
Última modificação: 10 de novembro de 2016

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Análise de dados, Blog

O que é inflação?

Inflação: como analisar este vilão que tanto assola a economia brasileira? Quais ferramentas, disponíveis gratuitamente, podem ajudá-lo a entender como está a inflação e como ela poderá afetar o seu negócio ou sua vida?

Se você é como eu e não se contenta com análises de especialistas da televisão, convido-o a ler este artigo que tem por objetivo reunir algumas ferramentas para entender a inflação.

Para começar a análise de dados, vamos lançar mão de um índice interessante por sua abrangência IGP-M, ou Índice Geral de Preços ao Mercado. O índice tem como base o mês agosto de 1994 em que lhe foi atribuído 100 pontos base. A fonte é  FGV-Índices Gerais de Preços e o preços são coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

E qual técnica utilizar para analisar o índice de inflação IGP-M?

A mais básica seria a elaboração de uma série temporal (gráfico de tendência ou linhas) do índice. Este gráfico nos mostra claramente como está a inflação em relação ao seu período de referência (agosto/1994). Por exemplo, se o IGP-M de outubro de 2016 é 657,92, significa que um item que custava R$ 100,00 em agosto de 1994, está custando hoje, R$ 657,92. 6,57 vezes mais.

Vamos ver este gráfico?

Inflação

inflação

Figura 1: gráfico de tendência (linhas) do IGP-M.

Pelo gráfico da figura 1, é possível ver como comportou-se o IGP-M ao longo dos anos, por meio das mudanças de inclinação da reta traçada. Para deixar isto mais claro, fizemos algumas anotações no gráfico, que pode ser visualizado na figura 2.

inflação

Figura 2: períodos de variação do IGP-M.

Pela figura 2, é possível ver claramente as acelerações na inflação durante 2002 e metade de 2003, característica do período de incertezas da eleição do Lula. Depois, vemos a era de crescimento e riqueza, do pico das commodities em 2007/08, que pressionou a inflação. E, por fim, observa-se o ciclo de inflação negativa depois da crise de setembro de 2008, crise do subprime. Por meio da análise da variação, é possível entender que cada período vai nos contando sua história. Quando eu olho para um gráfico deste, é como se estivesse escavando uma rocha e encontrando vários fosseis dos moradores do passado. É algo incrível, pelo menos para mim, como a análise da variação, nos presta este papel. Se você é um leitor assíduo de nosso blog, deve pensar que análise de variação remete a outra ferramenta importantíssima, concorda?

Por que não analisar a variação por meio do gráfico de controle, ao invés de fazer desenhos rudimentares no gráfico?

Você tem toda razão. O gráfico de controle é uma ótima ferramenta para enxergarmos a variação do IGP-M ao longo do tempo. Mas antes, para utilizá-lo, precisamos analisar a variação mensal do índice. O gráfico de controle deve ser utilizado para compararmos a variação mensal da inflação, para deste modo, entendermos quando o sistema estava ou não sob controle. Para calcular a variação mensal, ((IGP-Mmêsn/IGP-Mmêsn-1)-1).

Gráfico de Controle

E qual gráfico de controle utilizar?

Começamos pelo gráfico X-barra S, para avaliar a variação da inflação ao longo dos anos e a inflação ao longo dos meses num mesmo ano.

inflação

Figura 3: x-barra s do IGP-M.

Pela figura 3 é possível verificarmos coisas interessantes, quando avaliamos a variação do IGP-M ao longo do s anos. Vemos, depois de 1995 uma tendência de queda até 1998, porém, a liberação do câmbio em 1999 faz o dólar dobrar de valor e a inflação sai de controle. 2000 e 2001, inflação no controle e tudo tranquilo, mas em 2002 o processo sai de controle mais uma vez, devido ao chamado “risco Lula”. Depois, há mais duas causas especiais em 2005 e 2009, ambas de inflação mais baixa.

Quando olhamos para a variação dentro dos anos, as causas especiais aparecem em 1999, 2002 e 2003. Nestes anos, se analisamos os fatos que ocorreram, veremos que a variação entre os meses foi bem grande. Se você preferir analisar o comportamento da variação da inflação mensal, poderia lançar mão de um gráfico de individuais. Faremos isto por meio da figura 4.

inflação

Figura 4: gráfico de individuais da variação do IGP-M mensal.

Todos os nossos comentários feitos no gráfico da figura 2, ficam ainda mais claros neste. Fica claro que a cada gráfico, vamos confirmando ainda mais as hipóteses que definimos no início. Poderíamos explorar mais o gráfico da figura 4? Sim, podemos fazê-lo por meio da função “stages” no Minitab. Esta função, que você aprende no Green Belt e no Black Belt, é muito útil. Vamos ver como seria ao separarmos os vários estágios de variação do processo?

Variação por Estágios

inflação

Figura 5: gráfico de individuais com estágio.

Pelo gráfico da figura 5, fica comprovado o que falamos. Com a análise da inflação, conseguimos medir claramente quando a economia sai do controle. E, ao sair do controle, você e todos os habitantes sentem o impacto. Um fato que chama a atenção no último estágio que analisamos na figura 5, é a variação do indicador em 2014. Neste ano, é possível verificar que o governo estava utilizando de artifícios para controlar a inflação por meios artificiais. Digo isto, porque é possível ver a inflação fora do limite superior (muito alta) e logo em seguida, fora do limite inferior (muito baixa). Isto, se bem lembramos, aconteceu quando o governo começou a represar os preços administrados. Lembram? A figura 6 mostra um zoom no período.

inflação

Figura 6: gráfico de individuais detalhado.

Pela figura 6, percebe-se claramente e escalada da inflação a partir do início de 2012. Porém, pelo número de pontos acima e abaixo da média neste período, fica claro a manipulação da inflação por meio dos preços administrados. Não contentes, a partir do mês 5 de 2014 começou uma operação mais forte para segurar a inflação, haja vista o impacto que este tinha na probabilidade de reeleição da Dilma. Com os descontos da energia elétrica, travamento dos preços dos combustíveis e outras coisas mais, conseguiu-se manter a inflação artificialmente baixa. Porém, após a eleição, a coisa não mais se manteve e iniciou-se uma tentativa de ajuste, liberando a inflação aos poucos. E, como vocês sabem, deu no que deu.

O que podemos concluir sobre a inflação?

A partir do novo governo em junho de 2016, parece que as coisas estão muito mais estáveis e a economia começa a dar sinais, se julgarmos pela inflação, que a coisa está voltando ao controle.

Por meio dos conceitos e gráficos simples, que são de domínio do Green Belt e Black Belts, pode-se notar como o Lean Seis Sigma nos ajuda com problemas do dia a dia. São ferramentas que você aprende e que permitem serem aplicadas para resolverem de problemas muito diversos. Das vendas da sua empresa até a inflação mensal do país, tudo é possível de analisar por meio das ferramentas que você aprende a aplicar em nossas certificações. E, quem aprende a aplicar estas ferramentas, certamente consegue se destacar. Em análises que não demoram mais que uma, duas horas, você mostra toda sua versatilidade e competência que o fazem destacar-se na multidão.

 

Deixe seu comentário

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *