Quais os tipos de riscos na logística?

22 de maio de 2017
Última modificação: 22 de maio de 2017

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Análise de dados

Quais os tipos de riscos na logística?

Como analisamos em postagens anteriores, uma série de riscos podem afetar e comprometer a logística da cadeia de suprimentos, e é essencial a adoção de estratégias para conter, mitigar ou eliminar estes riscos. O primeiro passo para isto é saber quais tipos de riscos podem afetar a cadeia de suprimentos, e este é o tema deste post.

Temos aqui na FM2S uma planilha gratuita para identificação de riscos que afetam a cadeia de suprimentos, que você pode adquirir clicando aqui. A planilha conta também com a pontuação do sistema FMEA para avaliação e priorização de riscos. O FMEA é uma ferramenta bastante robusta e simples de utilizar, e temos um ebook inteiramente dedicado a ensiná-lo como empregar esta poderosa ferramenta.

Neste artigo, falaremos sobre as categorias de risco mostradas na planilha: interrupção da cadeia de suprimentos, atrasos, risco sistêmico, risco relacionado à realização de previsões, riscos relacionados à propriedade intelectual, fusões e aquisições, recebíveis, inventário e capacidade. A planilha contém, ainda, uma coluna chamada “O que pode provocar o risco” – clicando sobre cada célula desta coluna, é mostrado um menu com diversas fontes comuns da classe de risco abordada, auxiliando a identificação.

O que é o risco de interrupção da cadeia de suprimentos e o que pode provocá-lo?

Interrupções dos fluxos de materiais e de informações na cadeia de suprimentos são imprevisíveis e raras, e podem ocorrer em qualquer ponto da cadeia de suprimentos, com resultados desastrosos. Fontes comuns deste risco são os desastres naturais, greves de trabalhadores, incêndios, – exemplo mostrado em nosso artigo anterior, sobre qual a importância do gerenciamento de riscos na cadeia de suprimentosguerras e terrorismo.

Dependendo do tamanho da empresa, uma interrupção da cadeia de suprimentos pode ter impacto internacional: o terremoto que atingiu a cidade japonesa de Kobe, em 1994, fez com que diversos fabricantes de aparelhos de som para carros da Califórnia, nos Estados Unidos, ficassem sem nenhum fornecedor de peças e componentes, tendo diversos prejuízos em suas produções.

Além disso, interrupções da cadeia de suprimentos, pelo potencial de alterarem drasticamente o perfil de oferta e demanda, podem causar um súbito aumento de preços: em agosto de 2001, nos Estados Unidos, ocorreu um incêndio em uma das refinarias que fornecia gasolina para a região do meio-oeste. A falta de disponibilidade de combustível fez com que o preço dele subisse rápida e vertiginosamente – não se esqueça de em qualquer organização existem processos de logística Inbound e Outbound, que envolvem o uso de meios de transporte. Assim, a questão dos combustíveis afeta em maior ou menor grau todas as cadeias de suprimentos.

O que são os atrasos na cadeia de suprimentos e o que pode provocá-los?

Atrasos nos fluxos de materiais comumente ocorrem quando um fornecedor, devido à elevada utilização de sua capacidade ou à inflexibilidade de sua cadeia de suprimentos, não consegue responder às oscilações na demanda. Outras fontes de atrasos são os problemas ao fim da linha de produção de um fornecedor, como excesso de produtos de baixa qualidade, fora das especificações (ou o mesmo problema ocorrendo com os fornecedores dos seus fornecedores, gerando um efeito de atrasos acumulados por toda a cadeia), excesso de manuseio ou inspeções durante a passagem por fronteiras e necessidade de mudança de meio de transporte durante o processo de recebimento do fornecedor ou durante o processo de entrega do produto ao cliente.

O que é o risco sistêmico na cadeia de suprimentos e o que pode provocá-lo?

À medida que uma organização interliga seu sistema de informações, maiores as chances de que falhas em um ponto da rede se propaguem, gerando uma falha em qualquer ponto do sistema. Embora raras, interrupções a infraestrutura de informações podem causar prejuízos muito grandes em negócios geridos online, com dados mantidos em nuvens e comunicação eletrônica.

Um exemplo bastante conhecido é o do vírus de computador “Love Bug”, no ano de 2002: o ataque cibernético foi capaz de interromper até mesmo os serviços de e-mails da NASA, do Pentágono e da Ford, causando prejuízos da ordem de bilhões de dólares.

O que são os riscos associados à realização de previsões e o que pode provocá-los?

Os riscos associados à realização de previsões resultam da discordância entre as projeções realizadas pela empresa e a demanda real. Se as estimativas forem muito baixas, os produtos podem não estar disponíveis para venda para o cliente, ao passo que a estimativa em excesso leva ao aumento de custos de estoque e inevitável redução do preço de venda pelo excesso de oferta.

Estas falhas podem ser causadas por longos lead times logísticos, – tema bastante estudado em nosso curso de Lean Logistics demanda sazonal, alta variedade de produtos no portfólio de venda da empresa, bem como por baixo tempo de ciclo de vida dos produtos. Se a empresa possui um pequeno número de clientes que realizam individualmente grandes volumes de compras, a chance de erros relacionados à previsão de demanda é maior que em companhias que trabalham com grande quantidade de clientes, cada um com um volume individual de compras baixo.

Além disso, erros na demanda resultam de informação distorcida ou imperfeita a respeito da cadeia de suprimentos –se você deseja entender mais a fundo o que é isso, leia aqui nosso artigo sobre a Teoria dos Jogos. Tais distorções podem ter várias origens, como pouca integração de informações e de planejamento entre os membros da cadeia de suprimentos (podem ser, concorrentes para determinado produto, por exemplo), baixas ou altas repentinas de demanda, realização de promoções ou incentivos, que aumentam momentaneamente a demanda, e falta de conhecimento sobre a demanda e sobre as necessidades reais dos clientes em determinados pontos da cadeia.

Vale destacar que a distorção nas informações aumenta à medida que aumenta a distância, dentro da cadeia de suprimentos, entre o consumidor final e a empresa, devido à existência de múltiplos intermediários – o que é conhecido como “efeito Bullwhip” (efeito chicote, em tradução livre).

O que são os riscos relacionados à propriedade intelectual e o que pode provocá-los?

Os riscos de propriedade intelectual cresceram à medida que as cadeias de suprimentos se tornaram menos integradas verticalmente – cadeias integradas verticalmente são aquelas que foram formadas pela simples aquisição dos fornecedores – e mais globalizadas, e as empresas passaram a adquirir bens dos mesmos fornecedores de seus concorrentes. Isto aumenta o risco de infringir a propriedade intelectual dos concorrentes, o que pode causar não só implicações legais sérias, mas também danos à imagem da empresa.

O que são os riscos de fusões e aquisições e o que pode provocá-los?

Os riscos de fusões e aquisições se referem aos aumentos não-previstos nos custos de aquisição, resultantes de flutuações nas taxas de câmbio e de aumentos nos preços exigidos pelos fornecedores – o que é maior a probabilidade de ocorrer quanto menor for a quantidade de fornecedores.

O que são os riscos de recebíveis e o que pode provocá-los?

Os riscos de recebíveis se referem à possibilidade de não receber o dinheiro que outras pessoas físicas ou jurídicas lhe devem e, dependendo do quanto de exposição tem a empresa e do seu volume de recursos emprestados, pode comprometer o desempenho dela, seu fluxo de caixa e, em casos extremos, sua possibilidade de honrar compromissos. Um exemplo é o da crise financeira do final da primeira década dos anos 2000, causada pelo estouro da bolha imobiliária norte-americana. Recursos foram emprestados em demasia a pessoas incapazes de honrar os compromissos (os chamados clientes “sub-prime“) e o resultado foi um enorme calote que levou diversas organizações, antes consideradas inquebráveis (“too big to fail“) à falência.

Outra situação comum é a das empresas que baseiam sua expansão de venda no aumento de crediário sem a devida verificação da capacidade dos clientes em honrar os compromissos e veem, em momentos de recessão econômica, as taxas de inadimplência crescerem e comprometerem seus fluxos de caixa.

O que são os riscos de inventário e o que pode provocá-los?

Como extensivamente discutido em nosso curso de Lean Logistics, e em nosso artigo sobre o custo de estocagem, excesso de inventário compromete a performance financeira da empresa, especialmente se combinado à uma situação de excesso de oferta, que faça os preços  dos produtos baixarem.

Os riscos de inventário são afetados por três fatores principais: o valor dos produtos, suas taxas de obsolência e o grau de incerteza com relação à demanda e com relação ao fornecimento de entregas pelos fornecedores.  Produtos com alto valor agregado ou com diversas necessidades de segurança na manutenção possuem um custo de manutenção em estoque caro, e manter produtos de baixo ciclo de vida armazenados é um custo muitas vezes não compensado em situações de baixa demanda.

O que é o risco de capacidade e o que pode provocá-lo?

Ao contrário do inventário, a capacidade produtiva da empresa só pode ser mantida em níveis mais baixos ou mais altos por um período limitado de tempo. Assim, no caso de fábricas, é comum se construir uma instalação com capacidade em excesso, para períodos de demanda alta. Porém, é preciso entender que ela causa custos, e trabalhar abaixo da capacidade total prejudica a performance financeira, de forma semelhante ao inventário – imagine, por exemplo, que é necessário pagar funcionários, contas de eletricidade, manutenção de equipamentos etc, de forma bastante semelhante, com um lucro operacional menor, devido à menor produção.

Se interessou pelo tema?

Nos próximos artigos, estaremos abordando estratégias de como mitigar ou eliminar riscos, e como testar sua cadeia de suprimentos, para ajudá-lo a se sentir seguro com seus processos logísticos.

A gestão de estoques e a melhoria contínua da cadeia de suprimentos são de suma importância para manter o dinamismo e competitividade de seu negócio, especialmente em tempos de crise econômica, que necessitam do uso mais racional possível dos recursos disponíveis.

Para entender mais sobre este tema, não deixe de conferir nosso curso de Lean Logistics, onde você será apresentado aos princípios da gestão enxuta e eficiente tanto de estoques quanto da cadeia de suprimentos, além de aprender sobre diversas técnicas e indicadores, bem como sua gestão, de forma prática e aplicada! Também abordamos o assunto na Certificação Green Belt e na Black Belt e em diversos posts do Blog, bem como em ebooks que você pode baixar gratuitamente aqui no site.

por: Marco César Prado Soares – consultor associado FM2S e instrutor dos cursos EAD Lean Logistics e Excel

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 14 =