Chefe: como saber quando seu chefe tem medo de você?

chefe
20 de julho de 2017
Última modificação: 20 de julho de 2017

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Carreira

Como saber se seu chefe tem medo de você?

A chave para entender a vida no trabalho é compreender a relação entre poder, medo e confiança. A confiança é uma fonte de combustível forte para qualquer organização, mas é difícil para alguns líderes construir e manter a confiança difícil. É mais fácil e rápido liderar uma equipe através do medo do que criar confiança em um local de trabalho.

Para construir a confiança, você precisa se conhecer e tem que dizer a verdade sobre coisas que muitos líderes não gostam de falar. Você tem que falar sobre a qualidade do ar e os sentimentos das pessoas ao seu redor – assim como seus próprios sentimentos. Você deve ser capaz de falar sobre seus medos, e isso é algo que muitos líderes não podem ou não vão fazer.

O medo é outra fonte de energia que temos que entender. Muitas organizações operam quase completamente pelo medo. Seus funcionários são motivados principalmente pelo entendimento de que, se eles não fizerem o que eles deveriam fazer, eles serão demitidos. É a velha máxima do chicote e da cenoura, sendo o chicote o estímulo mais usado.

Como seu chefe busca controla-lo?

Todo mundo conhece seu lugar no organograma e eles sabem que uma de suas principais responsabilidades é manter seu chefe triste com eles. Ficar no lado bom do seu gerente é uma missão muito diferente que quebra as barreiras entre sua empresa e seus objetivos!

Agradecer ao chefe é uma responsabilidade tão monumental que pode anular a capacidade de uma pessoa para fazer seu trabalho “real” – o papel que eles foram contratados para cumprir. Este é um problema em organizações grandes e pequenas. Os gerentes que não se sentem poderosos em si mesmos usam o poder de sua posição para forçar as pessoas a se curvarem à sua vontade.

Os trabalhos de gerenciamento vêm com um nível interno de comando e controle. Esta é uma das razões pelas quais muitas pessoas não equipadas para liderança acabam em cargos gerenciais. Eles procuram essas posições pelo o poder do cargo.

O pequeno poder burocrático que um chefe exerce em virtude de seu título de trabalho parece preencher o buraco no estômago do gerente do medo. Parece torná-los inteiros, mas não é duradouro. Quando você vê gerentes lançando seu peso e tratando mal os funcionários, é porque eles não se sentem bem consigo mesmos.

Alguns gerentes têm tanto medo que veem todas as pessoas competentes em torno delas, como uma ameaça. Um gerente com medo poderia vê-lo como uma ameaça! Mesmo os trabalhadores muito jovens e inexperientes enfrentaram o problema do gerente com medo. Eles podem ver que seu chefe quer que eles tenham sucesso – mas não tanto!

Se você tiver sucesso demais, você poderia ameaçar o poder do gerente ou sua capacidade de controlá-lo. Um gerente temeroso não gostaria disso.

Seu chefe pode ficar assustado facilmente. Você saberá que o seu gerente está no limite quando você vê seus esforços para bloquear seu movimento direto, suas palavras e ações destinadas a fazer você se sentir mal com você ou com a vontade de criticá-lo na frente de outras pessoas.

E quais são as dicas para medir o medo do chefe?

Estas são todas as técnicas que os gerentes temerosos usam para evitar que sua chama cresça. Se sua chama continua crescendo e você começa a se sentir realmente poderoso, você pode fazer ou dizer algo que desafiaria seu chefe – e para um gerente temeroso, isso seria um desastre!

O poder real não está em um título de trabalho. Está em uma pessoa, ou em uma equipe. O poder falso é o tipo que outras pessoas lhe concedem. O poder real é algo que você cresce em si mesmo, passo a passo, enquanto você encontra sua espinha dorsal e usa sua voz.

Quais são os cinco sinais de que seu chefe está apavorado?

Cinco sinais de que seu chefe tem medo de você são:

  1. Quando você tem uma ótima ideia no trabalho, seu chefe pisa a ideia ou rouba e a chama de sua própria ideia.
  2. Seu chefe tenta restringir seu acesso a líderes de nível superior e pessoas em outros departamentos. Seu chefe diz-lhe para canalizar todas as comunicações por meio dele ou dela, em vez de diretamente.
  3. Seu chefe costumava cumprimentar e reconhecer seu bom trabalho, mas agora ele ou ela parece achar falhas com tudo o que você faz. Outras pessoas no seu local de trabalho o louvam – mas seu chefe nunca faz!
  4. Você e seu gerente costumavam elaborar estratégias e fazer planos juntos. Agora você está fechado e dificilmente pode ter acesso ao seu chefe.
  5. Seu gerente tira seus projetos de maior impacto e maior visibilidade e os entrega a outras pessoas.

Não se sinta mal se você se reconhecer nesta lista – muitas pessoas caminharam pelo mesmo caminho! Mantenha-se bem. Não tente mudar o mundo, tentando aliviar os medos do seu chefe, porque não funcionará.

Ao mesmo tempo, não se envolva com ele nem com as batalhas. Seu melhor caminho, sem dúvida, fica em outro lugar. Enquanto você está trabalhando no seu trabalho atual, lembre-se de que você sempre se debruçará em cães latindo no seu caminho. Você não precisa parar e lutar de volta em todos eles!

Qual foi a minha experiência?

Minha experiência com o medo do chefe aconteceu exatamente como listado nesses cinco pontos. Foi só começar a despontar em alguns projetos, sempre buscando a Excelência, que a relação começou a azedar.  Você, caro leitor, que me segue, sabe que sou um apaixonado por ler e aprender. O PDSA que tanto propagamos na cultura de conhecimento da FM2S, me fascina.

E, para fazer ótimos PDSAs, conhecimento específico é algo importantíssimo. Posto isso, vem a pergunta: qual é a maneira mais rápida e fácil de adquirir conhecimento específico? Lendo! Não nasci sabendo, mas quando eu me formei, tive de enfrentar a gestão da empresa da família. Não sabia nada e, queria aprender o mais rápido possível para melhorar nossos resultados. Era 2006 e o ano não era fácil. Lembro até hoje as vendas de fevereiro daquele ano 466 toneladas, o pior resultado dos últimos 24 meses.

Por isso, comprei alguns livros e o primeiro que me chamou a atenção foi o Ricardo Semler: Virando a Própria Mesa. No livro, grande empresário falava do volume descomunal que ele lia, para saber o que fazer para tocar a empresa. Precisava ler mais.

Anos mais tarde, no doutorado, conversava com meu co-orientador numa viagem que fizemos para os EUA para aprendermos com os alunos do Deming. Grandes mestres, da API, organizam um evento anual muito interessante, sobre o tema. Estávamos lá, papo vai e papo vem, fiquei impressionado com a quantidade de citações de livro que ele fazia.

Eu vibrava! Falávamos sobre música e, ele começava a falar do curso de Yale que ele estava assistindo no carro. Íamos para finanças e aí choviam análises e citações que faziam do papo de bar regado a cerveja, uma aula prazerosa. Na ocasião, prometi a mim mesmo que gostaria de repetir esse modelo e a esposa dele brincou comigo, sugerindo que se começasse naquela idade (25 anos), tinha chances de superá-lo. Esse importante dia, foi o meu Day 1 no vício da leitura.

Mas por que estou contando isso se o papo é o chefe?

Porque numa reunião em que citei um estudo que comprovava o que falava, meu chefe me chamou a atenção dizendo que isso era teoria. Como assim, indaguei! Quem você leu, chefe, que contradiz esse argumento que acabo de usar? O homem ficou mais bravo ainda e disse que além de teórico, era esnobe.

Quando virei arrogante, esnobe e metido por citar a fonte que comprovava a validade dos argumentos que eu falava, tudo que queria fazer era ser humilde. Na minha percepção (só aprendi sobre percepção no Conversas Difíceis), arrogante seria se não validasse o que estava falando com uma citação. Dessa forma, eu atestaria que a minha opinião era importante.

Em outra ocasião, testei os pontos 2 e 3 simultaneamente. Lembro-me de estar super animado por ter descoberto que as vendas de um produto da empresa e suas buscas no Google tinha um R ² de 92%. 92% da variabilidade das vendas era explicada pela variabilidade das buscas. Eureka! Mandei um e-mail com meus gráficos de Minitab, louco para propagar a nossa descoberta. Em alguns minutos, fui reprimido falando que a apresentação estava feia. Que só deveria enviar a ela o assunto por meio de um ppt.

Imediatamente após essa encorajadora resposta, encaminhei o e-mail ao Vice-Presidente. Não demorou mais que 5 minutos e veio sua exclamação com seu palavrão característico: Du caral..! Me manda os arquivos Minitab para eu analisar isso também. Vamos ganhar 10 milhões com isso.

Para mim, essa foi a gota d’água para minha mudança na carreira.

Mas a empresa não agiu para bloquear o chefe?

Não e nem acho que deveria. Em uma grande empresa, pode-se medir o trabalho que daria retirá-lo por esse fato. Não compensa. Por isso, na FM2S nós buscamos o conhecimento aplicado em todos os aspectos da vida. Cada curso é pensando em empoderar você para que consiga mostrar o valor custe o que custar.

Um Green Belt, Black Belt, Lean, Gerente de Projetos, enfim, que tem garra (Grit – Angela Duckworth), ninguém irá pará-lo. Se ele for bloqueado, o chefe saberá que além de conhecimento ele tem resiliência e capacidade de correr atrás de conhecimento de excelência. Quando recebo e-mail de nossos alunos comemorando grandes resultados, vibro demais.

 

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *