O que é o Design Thinking e como aplicá-lo?

04 de julho de 2017
Última modificação: 04 de julho de 2017

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Blog, Design Thinking

O que é o Design Thinking?

Um termo bastante comum na gestão, nos últimos tempos, é o Design Thinking, e muitos alunos e leitores nos perguntam do que isto se trata e como é possível aplicá-lo. Este artigo irá ajudá-lo a elucidar estas questões, e a FM2S também está preparando, para o segundo semestre de 2017, o lançamento de um curso online completo para capacitá-lo nesta poderosa metodologia.

Ao contrário do que pode parecer à primeira vista, Design Thinking não é uma habilidade exclusiva de designers ou de pessoas que possuam certo conjunto de habilidades especiais, que impeçam uma pessoa comum, como você leitor ou este que o escreve, de aplicá-lo. Pelo contrário, metodologias poderosas se destacam pela praticidade e pela robustez.

O Design Thinking é, essencialmente, uma abordagem para a inovação, mas uma inovação que será, de fato, implementada.

De outra forma, é um processo iterativo, que envolve tentativa-e-erro, por meio do qual nós tentamos entender um problema, desafiar conceitos, hipóteses e pressupostos, e redefinir constantemente os problemas que estamos encarando, em uma tentativa de identificar estratégias e soluções alternativas que possam não estar aparentes no início. Porém, a metodologia não se baseia apenas em identificar problemas, mas também em solucioná-los.

O nome que remete a “pensamento de designer” refere-se à atitude de pensar e tentar redesenhar produtos, serviços e processos, de modo a atender a uma necessidade de um cliente – pode ser quem paga por esses produtos ou serviços ou mesmo uma outra área de sua organização.

Assim, o Design Thinking envolve ter um interesse profundo em compreender as pessoas que farão uso daquilo, bem como as suas necessidades, que fazem com que ela busque aqueles produtos ou serviços. Assim, o “design thinker” precisa buscar ter empatia para com estas pessoas e também com a finalidade que elas pretendem dar ao que adquirem.

Este trabalho de designer deve ser realizado de forma sistemática, permitindo que sejam extraídas, ensinadas, aprendidas e aplicadas técnicas de resolução de problemas centradas no ser humano, buscando utilizar da criatividade tanto na solução de problemas, quanto no desenvolvimento de produtos e serviços, no mundo dos negócios e na própria vida pessoal.

Se você tem dúvidas da eficácia e importância do Design Thinking, basta saber que empresas como GE, Apple, Google e Samsung, e já ensinado de forma sistemática em algumas das maiores universidades do mundo, como Stanford, Harvard e o MIT.

Qual é o objetivo do Design Thinking?

O objetivo do Design Thinking é muito simples: estabelecer a correspondência entre as necessidades humanas e os recursos técnicos disponíveis.

É muito importante destacar este ponto, para que fique claro que estamos falando de uma abordagem para resolver problemas, o que está muito conectado com um dos princípios mais discutidos em todos os nossos cursos da formação Seis Sigma, que é a necessidade de só se adotar tecnologias confiáveis. Além disso, destaca que muitas vezes existem diversas soluções bastante sofisticadas para a resolução de um problema, mas que não estão à disposição da equipe. Desta forma, um dos objetivos é buscar a solução dentro dos recursos que estão disponíveis.

Para ser capaz disso, é preciso utilizar a capa
cidade inata de todos em ser intuitivo, reconhecer padrões, desenvolver ideias, e se expressar em mídias, palavras ou símbolos, para criar coisas que tenham significado funcional e, de preferência, emocional. É preciso, ainda, compreender as restrições do seu projeto, porque são elas que dizem o que é ou não viável. Restrições podem ser, por exemplo, finanças limitadas, tamanho do espaço físico no qual você pode alocar equipamentos, ou qualquer aspecto físico ou psicológico que limite o seu rol de opções.

Como aplicar ainda hoje o Design Thinking?

Resultado de imagem para design thinkingAlém do treinamento formal que estamos preparando, para prepará-lo de forma completa e certificá-lo nesta poderosa metodologia, existem formas muito simples de aplicar o Design Thinking. O primeiro passo é:

Questione o problema! Em nossa experiência de consultoria, comumente vemos empresas desperdiçando uma enorme quantidade de tempo e recursos financeiros para tentar resolver algo que não era, de fato, o problema que causava as complicações percebidas.

Tendo questionado o problema, e verificado qual era realmente a necessidade a ser atendida, seu próximo passo será questionar as hipóteses levantadas, e o conhecimento que se acredita ter adquirido sobre este problema, e pensar sobre as consequências tanto das antigas quanto das novas hipóteses.

Algumas ferramentas bastante úteis, para isto, são os diagramas de Causa-e-efeito (Ishikawa), a técnica dos “cinco por quês”, e as famosas seções de Brainstorming, que recomendamos que sejam conduzidas em silêncio, com cada participante escrevendo em um papel suas ideias, e, após todos terem anotado suas ideias e colocado os papeis em um local visível, deve ser iniciado um debate que não leve em conta opiniões pessoais, mas que busque agrupar ideias semelhantes e ordená-las de acordo com aceitação, prioridade e viabilidade.

Também recomendamos, aqui, o uso das chamadas ferramentas da qualidade, que você poderá compreender em detalhes clicando aqui, para conferir nosso ebook.

Em nosso curso, também daremos detalhes de algumas das abordagens mais poderosas do Design Thinking, como o uso da prototipagem e de testes rápidos, de experimentação para testar as novas ideias, e do uso básico da ferramenta do Storytelling para divulgar as novas ideias. A ferramenta do Storytelling, por si só, é muito vasta, e também estamos preparando um curso apenas sobre como utilizá-lo.

O Design Thinker deve treinar a sua capacidade de “contar histórias”, porque é essa a ferramenta que ele utilizará no dia a dia para convencimento, para fazer os questionamentos, inspirar oportunidades, ideias e soluções. Sendo uma abordagem centrada no ser humano, o Design Thinking necessita do contato entre as diversas pessoas, e isso só pode ser feito pela comunicação e pela construção de histórias eficientes, capazes de gerar ações concretas em quem as escuta. Porém, contar histórias deve ser feito sempre com base em eventos específicos, e não em princípios gerais ou ideias vagas, pois estas necessitam de uma reflexão profunda e dificilmente provocarão ações imediatas.

Se interessou pelo tema?

A ferramenta do Design Thinking tem tudo a ver com melhoria e realização de projetos: ela fala sobre como criar mudanças que não haviam sido pensadas e, para isto, parte para diversas abordagens sobre como analisar processos. Temos toda a formação Seis Sigma, para que você possa entender sobre isso, em especial o curso de Green Belt, e em breve traremos mais posts, materiais, e um curso completo sobre o Design Thinking. Até a próxima!

Aprenda, Aplique, Destaque-se!

por: Marco César Prado Soares – consultor associado FM2S e instrutor dos cursos EAD Lean Logistics e Excel

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *