Estruturas Ágeis (Agile Frameworks)

18 de novembro de 2019
Última modificação: 18 de novembro de 2019

Autor: Guilherme Mendes
Categorias: Blog

É incrível como as formas de gerência, controle e os modos de agir nas empresas e indústrias mudaram. A obsolescência de diversas formas de gestão é responsabilidade da velocidade de compartilhamento de informações, trazida pelo advento da internet. Isso exige que nos mantenhamos sempre atualizados das mais novas formas de se gerir com foco em resultados. É para isso que existem as estruturas ágeis.

Reinventar é cada vez mais necessário para aqueles que querem se manter competitivos no mercado, pois caso contrário, estaremos fadados em ser absorvidos pela concorrência.

Como já visto em outras publicações aqui do nosso blog, a metodologia Ágil (em inglês, Agile) é uma das maneiras de se manter competitivo no mercado, através de uma constante reinvenção baseada em pequenos e contínuos releases (entregas).

Essa metodologia em questão utiliza diversas estruturas ágeis que são responsáveis por darem suporte à sua aplicação nas organizações. Nós gostamos de classifica-las como ferramentas e é precisamente sobre estas estruturas ou ferramentas que iremos falar neste post, mas antes vamos relembrar um conceito.

O que são estruturas ágeis?

O Agile é uma maneira flexível de gerenciar projetos. É um conjunto de valores e princípios projetados para lidar com projetos de requisitos variáveis ​​e agregar valor de forma rápida e frequente ao longo do tempo desse projeto.

Existem várias estruturas diferentes usadas para aplicar os princípios do Agile. Para obter qualquer nível de sucesso quando aplicar o Agile ao trabalho do projeto, você precisa ter um entendimento seguro das estruturas desta metodologia e a capacidade de aplicar corretamente ao negócio.

Uma palavra rápida sobre o Agile

Como o Agile foi criado por desenvolvedores de software especificamente para projetos de desenvolvimento de software, é uma maneira muito responsiva e eficiente de lidar com o trabalho do projeto.

Essas características benéficas tornaram uma abordagem ágil tão atraente que seu alcance superou o setor de TI e software. Hoje, é usado para projetos em quase todas as áreas de negócios e indústria.

Estruturas ágeis

Essas estruturas são métodos para aplicar os princípios do Agile a um projeto. Pense no Agile como a filosofia geral e essas estruturas como ferramentas usadas para executar essa filosofia.

Scrum

O Scrum é talvez o framework Agile mais popular.

É uma estrutura centrada na equipe, utilizando funções e responsabilidades da equipe claramente definidas para implementar o estilo responsivo do gerenciamento de projetos Agile. Para saber mais sobre esta estrutura e suas aplicações conheça o curso sobre Scrum na nossa plataforma EAD.

Kanban

O Kanban é semelhante ao Scrum, na medida em que visa apoiar as equipes que trabalham com eficiência a níveis de excelência.

Amplia o aspecto do fluxo de trabalho de um projeto, simplificando o que está em andamento, evitando gargalos na produtividade. O Kanban geralmente envolve o uso de um quadro ou fluxograma de auxílio para sua execução.

XP

A programação XP ou Extreme é popular no setor de desenvolvimento de software devido ao seu objetivo de lançamentos frequentes. Essa abordagem é ideal para projetos em que a entrega contínua de valor é uma alta prioridade.

Ágile Manufacturing

Coloca um forte foco em responder rapidamente aos clientes com prazos curtos de produção e retorno do projeto. Tem um forte relacionamento com o Lean Manufacturing, mas com processos e desenvolvimento mais flexíveis. Pode ser usado com o Lean ou um aprimoramento para o Lean.

Está relacionado ao aumento da capacidade de prototipagem rápida das impressoras 3D.

Ágil-Cascata (Agile-Waterfall)

Uma mistura de práticas de gerenciamento de projetos Agile e Predictive. Às vezes referido como “Agile” ou “Scrum”.

A maioria das pessoas que afirmam fazer Scrum, na verdade, adotam uma abordagem híbrida Agile-Waterfall. Scrum é a maior estrutura relatada em uso. Este é o maior em uso.

Métodos de cristal (Crystal /Crystal Methods)

Uma família de metodologias de desenvolvimento de software adaptadas, ultra leves e movidas a humanos. Destina-se a abordar a questão de múltiplas características e tamanho da equipe entre os projetos.

Baseado na teoria da complexidade e na teoria do caos – que por sua vez vêm da teoria dos sistemas. O objetivo é construir a organização com a capacidade de se adaptar rapidamente às mudanças, reconhecendo que é um sistema complexo que deve ser equilibrado entre organizado e caótico.

  1. Boa visão suficiente;
  2. Especificações mínimas;
  3. Auto-organização;
  4. Fraquezas;
  5. Sistemas Paralelos;
  6. Emergência.

CVSAgile

Essa é uma abordagem híbrida, que visa colocar as pessoas em primeiro lugar e tornar o aprendizado um forte foco do processo. Ele foi criado mais para grandes organizações distribuídas.

Design Orientado a Domínio (Domain-Driven Design)

Três princípios fundamentais:

  1. Concentre-se no domínio principal e na lógica do domínio;
  2. Basear o design complexo nos modelos do domínio;
  3. Colabore constantemente com especialistas em domínio para melhorar o modelo de aplicativo e resolver problemas emergentes relacionados ao domínio.

Baseia-se na análise e no design orientados a objetos. O objetivo é facilitar a criação de aplicativos complexos, conectando peças ou módulos relacionados em um modelo em constante evolução. Incentiva o desenvolvimento iterativo.

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Dinâmicos (DSDM)

8 Princípios Fundamentais:

  1. Foco na necessidade do negócio;
  2. Entrega no prazo;
  3. Colaborar;
  4. Nunca comprometa a qualidade;
  5. Crie de forma incremental;
  6. Desenvolva iterativamente;
  7. Comunicar-se de forma contínua e clara;
  8. Demonstrar controle.

 

O DSDM foi criado em parte devido a problemas com o RAD (Rapid Application Development). Seu foco está no ciclo de vida completo do projeto, do começo ao fim. Originalmente criado para o desenvolvimento de software, está se expandindo ainda mais fora desse domínio.

Utiliza muito além dos projetos de engenharia de software, com expansões no gerenciamento de programas, na prestação de serviços e muito mais.

Mas afinal, qual seria a melhor estrutura?

Você já deve ter lido através da lista que não há “melhor estrutura”. Existe apenas o melhor para sua equipe de projeto e seu trabalho de projeto.

A boa notícia é que você não precisa selecionar apenas uma estrutura. Você pode combinar vários para alcançar os melhores resultados possíveis para o seu projeto.

Você pode utilizar qualquer uma dessas estruturas como metodologias ou mesmo processos. Porém, como você deve se lembrar que um dos quatro valores do manifesto ágil declara que a filosofia prioriza “Indivíduos e interações sobre processos e ferramentas”. A maioria das equipes ágeis usa estruturas apenas como ponto de partida para sua transformação ágil, eventualmente personalizando elementos para atender às suas necessidades. necessidades únicas.

Existem muitas estruturas ágeis populares usadas por várias organizações. Frequentemente, essas organizações modificam partes das estruturas conforme entenderem e iteram em seus próprios processos ágeis.

Gostou? Então conheça o nosso curso especialista Scrum e muito mais em nossa plataforma ead.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + dezessete =