Hora certa para se dar bem: é a crise

crise
06 de junho de 2015
Última modificação: 06 de junho de 2015

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Blog

Como é o cenário no Brasil?

Hora certa para se dar bem: o PIB do Brasil terá mais um ano de baixa. O desemprego está aumentando pelo quarto mês consecutivo. A produtividade de um trabalhador brasileiro é quatro vezes menor do que um americano. Os saques da poupança aumentam mais um mês. Enfim, parece que este é o ano da crise.

Todos os dias somos bombardeados por manchetes como estas que nos dizem que a crise está aí e que nossa vida ficará cada vez mais difícil, que nossos empregos estão ameaçados ou que nossa renda cairá cada vez mais. Mas, diante de tudo isto me pergunto: será que temos de aceitar a todo este pessimismo passivamente? Ou será que com esforço, planejamento e preparação nós conseguimos driblar a crise e aproveitá-la para darmos um salto?

Sei que este assunto é um pouco controverso, mas desde que me conheço por gente ouço falar nas crises. Lembro-me, quando criança, das notícias sobre hiperinflação e impeachment, dos sequestros da poupança até o dólar estratosférico, mas lembro-me também das mudanças positivas que as crises provocavam.

Ouvia falar de histórias de gerentes demitidos pela crise que, anos depois, fundaram verdadeiros impérios empresariais. Acho que uma das mais famosas era a história do “Engenheiro que virou suco” que contava uma história análoga a esta.

Como tirar proveito de um crise?

Os empreendedores enfrentam obstáculos desde o momento em que acordam pela manhã, quer estejam tentando satisfazer os investidores, esforçando-se para atender a folha de pagamento, lidar com complicações inesperadas ou entregar um novo produto ao mercado.

Claro, nem todos ficam confortáveis nesses mares agitados. Mas alguns indivíduos destacam-se como adequados para lidar com as “coisas difíceis”.

São esses empreendedores que transformam o que parece ser uma infinidade de dificuldades em vantagem. Eles emergem de obstáculos mais fortes e mais bem-sucedidos. Enquanto outros perdem a cabeça, eles não só permanecem calmos, mas aproveitam a ofensiva e as oportunidades. Subjugados a esses obstáculos, esses empresários são transformados muito na forma como observou Andy Grove, ex-CEO da Intel, “as empresas ruins são destruídas pela crise. Boas empresas sobrevivem. Grandes empresas são melhoradas por ela “.

Como se verifica, existe um método para entender e agir sobre os obstáculos que a vida nos lança. Existe uma maneira de ser melhorada por eles. O imperador romano Marcus Aurelius forjou esta fórmula há séculos e escreveu para si mesmo como um lembrete diário:

“Julgamento objetivo, agora neste momento. Ação altruísta, agora neste momento. Aceitação, agora neste momento – de todos os eventos externos. É tudo o que você precisa.

Empresários icônicos como John D. Rockefeller, Thomas Edison e Steve Jobs usaram essa mesma fórmula quando os obstáculos os confrontaram, mesmo usando a situação para alimentar suas imensas ambições. Para eles, o obstáculo era o caminho.

Quais as 5 estratégias para sair da crise?

. Forjado ao longo dos séculos, esta estrutura contém uma sabedoria intemporal que todos podemos usar para transformar os desafios que enfrentamos em grandes triunfos para nós e para nossas empresas. É a única coisa que todos os grandes empresários têm em comum.

Mantenha uma cabeça fresca

John D. Rockefeller ficou apenas dois anos em seu primeiro emprego quando o Pânico de 1857 apareceu. Rockefeller poderia ter ficado deprimido e paralisado pelas circunstâncias infelizes que enfrentava. Mas, em vez de lamentar o momento da revolta econômica, ele escolheu perceber os acontecimentos de forma diferente dos seus pares. Ele olhou para eles como uma oportunidade para aprender, para experimentar um batismo pelo mercado. Ele estava inclinado a ver a oportunidade em todos os desastres, como ele disse uma vez.

Dentro dos 20 anos dessa primeira crise, a Rockefeller sozinho, controlava 90% do mercado de petróleo.

Como Rockefeller, os empresários de hoje vivem em tempos turbulentos. Em vez de deixar nossa percepção de eventos encobrir nosso julgamento, podemos procurar empresas como LinkedIn e Microsoft, ambas fundadas em tempos de crise econômica. Quando outros ficam perdidos preocupados com a última aquisição de um concorrente ou com um investimento, podemos canalizar a frieza de Rockefeller sob pressão e procurar a oportunidade em uma crise.

Pense de forma diferente

Steve Jobs era famoso pelo que os observadores chamavam de “campo de distorção da realidade”, o que o fazia desconsiderar frases como “Não pode ser feito”. Quando ele pediu um tipo especial de vidro para o primeiro iPhone, os fabricantes ficaram horrorizados com a agressiva data limite. “Não tenha medo”, disse Jobs. “Você pode fazê-lo. Faça a sua opinião em torno disso. Você pode fazê-lo.”

Quase do dia para noite, os fabricantes transformaram suas instalações em gigantes de fabricação de vidro e, dentro de seis meses, eles fizeram o suficiente para toda a primeira execução do telefone. Sua insistência empurrou-os para além do que eles achavam que era possível.

Podemos optar por rejeitar nossos primeiros julgamentos e as objeções que emergem deles, insistindo que os obstáculos são de fato maleáveis e não concretos. Como o líder da Apple, devemos ter fé em nossa capacidade de fazer algo onde não havia nada antes. Para empresas como o Facebook e o Google nos seus primeiros anos, a ideia de que ninguém jamais havia feito algo era uma coisa boa. Isso significava que havia uma oportunidade de possuí-lo.

Ignore as regras

Samuel Zemurray, era o dono de uma pequena empresa de frutas e dizia que não conseguiu construir a ponte que ele precisava no rio na América Central. Isso ocorreu porque funcionários do governo foram subornados pela United Fruit, uma das empresas mais poderosas dos Estados Unidos na época.

Então, Zemurray fez com que seus engenheiros construíssem dois grandes cais que chegavam até o centro do rio. Quando necessário, eles amarraram um pontão temporário que poderia conectá-los em questão de horas. Quando a United Fruit reclamou, Zemurray simplesmente riu e respondeu: “Por que?  Não é uma ponte. São apenas um par de cais. “Podemos ver esse tipo de sacada estoico em startups como Uber e Tesla. Há momentos em que devemos tomar ações ousadas que exigem ignorância de regulamentos desatualizados ou opressivos para atingir nossos objetivos comerciais. O que é certo é o que funciona.

Antecipe (pense negativamente)

Existe uma técnica popular usada por indivíduos em empresas startups e Fortune 500 que a Harvard Business Review chamou de pré-mortem. Esta técnica pré-lembrança, projetada pelo psicólogo Gary Klein, é um exercício na prática de retrospectiva antecipada. Mas, como todas as grandes ideias, na verdade não é nada de novo. O crédito é para os estoicos antigos. Eles até tiveram um nome melhor para ele: premeditatio malorum (premeditação de males).

Nossos planos raramente se assemelham à forma como as coisas acontecem. Mas, como empreendedores estoicos, podemos ensaiar em nossas mentes o que pode dar errado e não ser surpreendido. Usando esse processo, superamos nossos concorrentes que ficam chocados e recuam, devastados pelo que eles não imaginaram chegar.

Amor fati (ou ame seu destino)

Quando o campus inteiro de pesquisa e produção de Thomas Edison pegou fogo, ele não ficou com raiva ou ficou desanimado. Em vez disso, tornou-se energizado e revigorado. Em apenas três semanas, a fábrica foi parcialmente reestabelecida, tudo porque Edison praticava o que os estoicos antigos chamavam de amor fati, amor ao destino.

Em nossas próprias vidas, podemos seguir o exemplo de Edison quando perdemos um investidor ou um empregado, inesperadamente, deixa nossa inicialização. Quando Jack Dorsey foi substituído como CEO no Twitter, ele não ficou paralisado ou deprimido. Em vez disso, ele aceitou e continuou a encontrar a Square, uma das maiores empresas de processamento de pagamento no mundo. Não nos beneficiamos de lágrimas, raiva ou desespero. Nós sempre conseguimos algo com intensidade e energia apaixonada.

Esses grandes empreendedores usaram estratégias dos estoicos antigos para virar os obstáculos para cima e encontrar oportunidades dentro deles. Eles viveram os axiomas de Marcus Aurelio e seguiram um grupo que Cícero chamou os únicos “filósofos reais” – os estoicos antigos – mesmo que nunca os tivessem lido.

E aí? Como quer encarar a crise?

Deste modo, prefiro encarar as crises como aquela oportunidade que faltava para você arriscar, sair da zona de conforto, encarar aquele desafio que há tempos sonha. É nesta hora que você deve colocar seu sonho na mesa, traçar uma linha em cima de onde você está e dividir o caminho em pequenas vitórias.

Isto irá lhe fornecer um ótimo “roadmap” sobre como alcançar o seu sonho e as pequenas vitórias irão lhe manter firme neste caminho. As vitórias irão garantir que quando o cansaço começar a aparecer, a felicidade da vitória irá neutralizá-lo.

Se você deseja abrir um negócio próprio, este é o momento. Se você deseja progredir na carreira numa grande companhia, também. Depois de definido o objetivo e criado o plano, elabore seu PDI (Plano de Desenvolvimento Individual) que definirá todas as competências, habilidade e atitudes que você deverá ter para chegar lá.

Se você precisar ganhar conhecimentos sobre melhoria de processo, é o Green belt e Black Belt sua saída. Já se o assunto é gerir melhor seus projetos, um curso nesta área irá suportá-lo. Mas se o desafio for gestão de pessoas, invista nisto também.

Definindo seus sonhos, seu “roadmap” e seu plano de desenvolvimento, você sairá da crise muito mais forte. A crise será lembrada muito mais como o ano da transição do que o ano dos problemas e da privação. Confie em você e mostre que é na crise que os fortes se sobressaem. Boa sorte, bons estudos e boa reversão de crise.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − quinze =