Como ser promovido com Lean Seis Sigma: entrevista

Como ser promovido com Lean Seis Sigma
30 de agosto de 2021
Última modificação: 28 de setembro de 2021

Autor: Ana Delforno
Categorias: Carreira

Aqui na FM2S falamos muito sobre como ser promovido com Lean Seis Sigma, a importância dessa metodologia e suas certificações. No entanto, muitas vezes, esse tema pode ficar abstrato quando não aplicado na prática.

Pensando nisso, convidamos uma aluna para conversar mais sobre os projetos que ela já realizou na área de Lean Seis Sigma que geraram um grande resultado. A Bruna Morales Moreira é uma administradora que se certificou nos nossos cursos e se destacou, tanto no Green, como no Black Belt.

Seis Sigma é uma metodologia para melhoria de processos que se baseia em fatos e dados na busca de mudanças que vão gerar melhorias. Quer aprender mais sobre essa metodologia? Comece nosso curso de White Belt gratuito e comece sua jornada neste mundo de melhoria. Confira:

White belt

Seis Sigma é apenas para grandes indústrias?

Primeiramente, perguntamos à Bruna se o Seis Sigma é algo apenas para grandes indústrias do setor automotivo ou se é mais amplo e se pode ser aplicado em uma quantidade maior de indústrias.

“A gente tem um paradigma de que Lean só se aplica à automotiva. Hoje acredito que bem menos, isso não acontece tanto dentro do mercado. Mas é devido a ser um termo que foi desenvolvido depois de longas pesquisas do sistema toyota de produção. Mas a gente tem ótimos exemplos de Lean sendo aplicado em outros ramos da indústria, assim como o qual eu trabalho que é na indústria farmacêutica. Quanto ao Seis Sigma, eu acredito que qualquer processo de manufatura que tenha saída de produção (…) e que possa ser medido, pode ser aplicado a metodologia Seis Sigma”, diz Bruna.

Qual é o retorno ao adotar a metodologia Lean Seis Sigma?

Para avaliar qual foi o retorno, perguntamos à ela quanto a empresa economizou ao implementar projetos Lean Seis Sigma.

“Meu primeiro projeto Seis Sigma não teve um resultado tão grande, tão alto. Nós tivemos uma economia anual de em torno de 10 a 15 mil reais ao ano. Devido a peça que nós estavámos reduzindo a variação ter um valor menor que centavos, então é por isso que nosso valor não foi tão alto. Mas a experiência é a mesma, o resultado é consequência. Ok, o resultado é o que a companhia espera, mas dentro de um projeto ele é a consequência. E foi uma grande experiência poder, dentro de um processo de manufatura, onde você tinha um corte de uma peça e você poder medir esse corte, acompanhar essa variação, utilizando as ferramentas de dentro da metodologia Seis Sigma é de grande experiência. Vou continuar utilizando, vou agregar Lean Six Sigma para o resto dos meus outros projetos”, reflete Bruna. 

Como aplicar a metodologia Lean Seis Sigma?

Em seguida, perguntamos como podemos sair da teoria e ir de fato para um projeto e alcançar os resultados. Além disso, quais foram as ferramentas que ela foi aplicando para chegar ao objetivo final.

Dentro desse projeto, as ferramentas que nós aplicamos, utilizando o roteiro DMAIC, na fase de medir na fase de analisar, nós utilizamos o gráfico de controle, a gente tinha um limite do cumprimento dessa peça, então é uma ferramenta que agregava dentro da nossa missão e nós pudemos acompanhar o comportamento do corte dessa peça dentro dessa análise no gráfico de controle, e a outra ferramenta foi o gráfico de regressão onde a gente pode acompanhar ao longo do tempo se a gente tinha variação no corte da peça e poder descobrir se nós tínhamos um  equipamento que variava ou uma matéria prima que que trazia mais variação para o processo”, relata Bruna. 

Qual a importância da fase de planejamento do projeto?

Ao iniciar um projeto, muitas vezes, a equipe já foca nos resultados e em quais serão as mudanças. No entanto, primeiramente, é preciso definir qual é o problema, depois medir o processo, analisar e só então levantar sugestões de mudanças para testar. Pensando nisso, perguntamos se houve pressão da equipe em gerar resultados rápidos.

“Dentro de um treinamento, é fácil a gente propor novas ferramentas, mas quando você leva isso para a prática você tem que utilizar essa ferramenta dentro de um projeto, isso gera um pouco mais de resistência. Mas como são ferramentas muito simples e diretas, como o SIPOC e CTC, em que é muito fácil de aplicar, logo nós quebramos essa essa resistência do pessoal. E também mostrar a importância de utilizar essas ferramentas em cada fase do projeto, porque você amplia o conhecimento da equipe perante o projeto. Você tem que passar por todas as fases, porque se não, é aquele velho gráfico de projeto que pula o planejamento, vai pra execução e nunca chega no resultado.”, diz Bruna

Além disso, Bruna refletiu sobre como o envolvimento com a equipe e como passar tudo de forma clara pode ser essencial para o sucesso do projeto.

“Aquilo que não se conhece realmente têm mais resistência, então a gente tem que apresentar a ferramenta, mostrar que o caminho é simples, fazer junto um exemplo prático dentro do processo. Outra questão é o envolvimento, eu como uma coordenadora de melhoria contínua, utilizando a ferramenta num processo que não é meu, num processo que é realizado por outra pessoa, o primeiro passo dessa pessoa vai ser resistência e isso pode impactar no roteiro do projeto que você está utilizando”, reflete Bruna.

Como implementar a cultura Lean Seis Sigma na equipe?

Ao implementar um projeto de melhoria, é muito importante convencer as pessoas e ensinar como utilizar essa metodologia. Dessa forma, perguntamos à Bruna como é possível convencer a equipe da importância de se realizar esse projeto.   

“A gente que ter maturidade e é um longo caminho. Eu estou nessa jornada há dez anos trabalhando com Lean Six Sigma, para ganhar essa maturidade tem que ter experiência. Temos que entender as pessoas e entender como as áreas trabalham e se organizam, para poder aplicar, desenvolver projetos e aplicar as ferramentas corretas e também utilizar o um dos melhores recursos da melhor forma, que são as pessoas”, diz Bruna.

Vale a pena se certificar em Lean Seis Sigma?

Por último, perguntamos se ela acredita que vale se certificar em Green Belt e Black Belt.

“Para mim está valendo muito a pena, porque além de ser um crescimento profissional, ele te leva para cima com relação à carreira. Eu posso compartilhar isso dentro da empresa quem trabalha com Lean, uma das coisas mais legais de se fazer é poder compartilhar conhecimento, então poder compartilhar com os profissionais  e ver que eles valorizam isso, valorizam esse tipo de certificação é super importante. Eu estou iniciando nessa jornada e estou adorando!”, compartilhou Bruna.

Se interessou pelo assunto? Confira mais conteúdos:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *