Como os ricos realmente são diferentes de todos os outros?

ricos
08 de maio de 2019
Última modificação: 08 de maio de 2019

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog, Melhoria de Processos

Como os ricos se diferem dos demais trabalhadores?

Dizem que o autor F. Scott Fitzgerald disse sobre os ricos:

“Os ricos são diferentes de você e de mim.”

E Ernest Hemingway supostamente respondeu:

“Sim, eles têm mais dinheiro.”

Na verdade, as palavras reais que Fitzgerald usou em sua vida no conto “The Rich Boy” (1926) são:

“Deixe-me falar sobre os muito ricos. Eles são diferentes de você e de mim. Eles possuem e desfrutam cedo, e isso faz alguma coisa para eles, torna-os macios, onde somos duros, cínicos onde somos confiantes, de uma forma que, a menos que você tenha nascido rico, é muito difícil de entender. ”

As pessoas sempre suspeitaram que os ricos são de algum modo ‘diferentes’, não apenas em termos do que possuem, mas em suas personalidades. No entanto, não há muitos estudos científicos que possam confirmar ou refutar essa tese – nem nos Estados Unidos nem na Europa. Agora, uma equipe de seis economistas e psicólogos alemães realizou um estudo em larga escala: entrevistaram 130 indivíduos ricos e usaram os resultados para obter um perfil psicológico, que eles compararam com a população como um todo.

O Teste dos Cinco Grandes para monitorar os ricos

Dos vários modelos desenvolvidos por pesquisadores da área de psicologia para descrever os tipos de personalidade, é o modelo dos Cinco Grandes que em grande parte passou a dominar as últimas décadas. Este último estudo de riqueza usou uma versão condensada do teste dos Cinco Grandes para distinguir entre cinco traços principais de personalidade:

  • Consciente: Descreve pessoas minuciosas, meticulosas, diligentes, eficientes, bem organizadas, pontuais, ambiciosas e perseverantes.
  • Neuroticismo: Indivíduos com alto grau de neuroticismo tendem a ficar nervosos e frequentemente se preocupam com tudo e com qualquer coisa que possa dar errado. Eles tendem a reagir impulsivamente e, em geral, não são psicologicamente estáveis.
  • Satisfação: Indivíduos com altos níveis de Amabilidade têm um desejo pronunciado de harmonia; eles têm uma tendência a recuar muito depressa e frequentemente confiam demais.
  • Extroversão: Indivíduos com alta Extroversão são faladores, determinados, empreendedores, enérgicos e corajosos.
  • Abertura para a Experiência: Indivíduos com alta Abertura para a Experiência são imaginativos, criativos e curiosos.

Quando você compara os traços de personalidade da população geral com os dos ricos entrevistados pelos pesquisadores, surgem os seguintes padrões:

  • Os ricos são emocionalmente mais estáveis ​​e, portanto, menos neuróticos
  • Os ricos são especialmente extrovertidos
  • Os ricos estão mais abertos a novas experiências
  • Os ricos são menos agradáveis, o que significa menos propensos a fugir dos conflitos
  • Os ricos são mais conscientes.

Além do teste dos Cinco Grandes, os pesquisadores também investigaram dois outros traços de personalidade: narcisismo e locus interno de controle. Suas descobertas:

  • Os ricos são mais narcisistas
  • Os ricos exibem um locus de controle interno mais forte. Isso significa que eles são mais propensos a concordar com declarações como “Eu determino como a minha vida acaba” do que com declarações como “O que você consegue na vida é principalmente uma questão de sorte ou destino”.

O que fazem o Super Ricos?

Os resultados deste último estudo de riqueza são consistentes com os da dissertação de doutorado sobre “The Wealth Elite”, baseada em entrevistas com 45 indivíduos ricos. Com poucas exceções, a maioria dos entrevistados era milionário, e os “mais pobres” valiam entre 10 milhões e 30 milhões de euros. A maioria, no entanto, valia muito mais, entre 30 milhões e um bilhão de euros, e alguns até mais.

Este estudo sobre a psicologia dos super-ricos também chegou à conclusão de que os ricos são psicologicamente muito estáveis ​​(isto é, não muito neuróticos). Mostrou também que eles estão particularmente abertos a novas experiências, mais extrovertidos, mais conscientes – mas não necessariamente agradáveis.

Em contraste com a recente pesquisa de 130 indivíduos ricos mencionados acima, o estudo dos super-ricos envolveu entrevistas em profundidade de uma a duas horas cada. Além disso, os super-entrevistados não apenas completaram uma versão condensada do teste dos Cinco Grandes, como também tiraram a versão detalhada com 50 perguntas.

Uma das principais descobertas foi que os super-ricos são frequentemente não-conformistas. Eles gostam de nadar contra a corrente dominante e não têm problema em contradizer a opinião prevalecente. Outro resultado: os super-ricos são mais propensos do que outros a tomar decisões com base na intuição. Eles tendem a confiar mais na intuição do que na análise detalhada.

E, mais importante, eles têm uma abordagem completamente diferente para lidar com derrotas e contratempos do que a maioria das pessoas. Em toda a população, as pessoas gostam de receber crédito por seus sucessos, enquanto procuram atribuir a culpa a outras pessoas por derrotas e contratempos. Nisso, os super-ricos são bem diferentes, como mostraram as entrevistas: eles buscam identificar as causas dos reveses em si mesmos, não em circunstâncias externas ou outras pessoas. 

Isso lhes dá uma sensação de poder: “Se a culpa é minha, posso mudá-la. Estou no controle de minha própria vida ”. Existem muitas razões pelas quais algumas pessoas conseguem se tornar ricas e outras não, mas a combinação específica de traços de personalidade que ambos os estudos identificaram é certamente uma das razões. As pessoas ricas ficam ricas porque agem de forma diferente das outras. E eles agem de maneira diferente porque pensam, tomam decisões e reagem de maneira diferente da maioria das pessoas. Aparentemente, Fitzgerald estava certo: “Os ricos são diferentes de você e de mim”.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − onze =