Como nasceu a gestão moderna no Japão?

japão
09 de outubro de 2017
Última modificação: 09 de outubro de 2017

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog

Como tudo começou no Japão?

Os japoneses têm historicamente sido um povo adaptável, realista e flexível, ao mesmo tempo tenaz e proposital. Os líderes do Japão retiraram duas conclusões da visita do Commodore Perry: os portos japoneses devem ser abertos aos estrangeiros, e o Japão deve adotar uma abordagem mais moderna da militarização. Esta última adaptação acabou por levar à Segunda Guerra Mundial e a derrota militar. Isso também levou a um novo capítulo de adaptação – e a um novo paradigma de liderança.

Se a era anterior da gestão americana teve o seu início no desastre de trem em Massachusetts, as origens da nova era de gestão podem ser atribuídas à necessidade desesperada do MacArthur reconstruir o Japão. Durante sua administração da ocupação do Japão após a Segunda Guerra Mundial, MacArthur teve que encontrar um método para se comunicar com todos os japoneses. A história é relatada em Crawford-Mason e Dobyns (1991).

Como MacArthur estabeleceu as bases para o desenvolvimento?

MacArthur queria rádios confiáveis. Muitos deles, para que as ordens das forças de ocupação e os programas de propaganda pudessem ser ouvidos em todas as cidades e vilas no Japão ocupado. Porém, os fabricantes japoneses na década de 1940 não podiam dar ao general o que ele queria, por isso ele enviou americanos para que estes os ensinassem como.

Pense nisso: um homem queria um rádio que funcionasse, e a ordem econômica mundial mudou.

A ironia de um Japão incapaz de produzir bons rádios que confiou em professores americanos para aprender como, é uma lição maravilhosa de humildade para nós. Os americanos que foram ao Japão foram Homer Sarasohn, engenheiro de sistemas e eletrônicos, e mais tarde Charles Protzman e Frank Polkinghorn, engenheiros da Western Electric.

Sarasohn e Protzman colocaram a ênfase inicial em fazer funcionar as fábricas e ensinar a importância de visualizar a produção como um sistema. Eles ministraram um curso de 32 dias para executivos seniores que foram convidados a comparecer pela administração MacArthur.

Sarasohn recomendou à administração MacArthur que W. Edwards Deming fosse convidado a ensinar controle de qualidade. A administração de MacArthur, por sua vez, providenciou a JUSE para convidar Deming para o Japão. JUSE, a União Japonesa de Cientistas e Engenheiros, foi fundada em 1946 por Ichiro Ishikawa.

Quem era Deming naquela época?

Deming era um protegido e colega de Walter Shewhart, que tinha sido pioneiro em aplicações estatísticas na Western Electric na década de 1930. Durante a guerra, Deming e outros desenvolveram um curso de técnicas de controle de qualidade chamado SQC, ou Controle Estatístico de Qualidade, em que ensinaram para 35 mil engenheiros e técnicos nas indústrias de guerra americanas. Deming e Shewhart eram bem conhecidos e altamente respeitado pelos líderes técnicos e industriais japoneses.

O momento foi preparado para o trabalho por Sarasohn, Protzman e Polkinghorn. O público – agora incluindo pessoas muito além da indústria das comunicações – estava pronto. Deming ia entregar sua mensagem para ouvintes ansiosos e respeitosos.

Deming chegou a Tóquio na sexta-feira, 16 de junho de 1950. Durante as próximas semanas, ele deu palestras quase diárias para grupos que variam em tamanho de cerca de 200 a cerca de 600 “algumas das melhores classes que já tive”, Deming comentaria mais tarde.

Na noite de quinta-feira, 13 de julho de 1950, Deming teve um jantar histórico com os presidentes e altos funcionários das 21 principais indústrias. Poucos anos antes, alguns desses executivos foram obrigados pela administração MacArthur a participar de palestras de Sarasohn e Protzman. Desta vez, eles responderam a um convite de Ichiro Ishikawa, um líder entre seus pares e pai do lendário Kaoru Ishikawa, que se tornaria líder do movimento de qualidade no Japão nas próximas quatro décadas.

Quem era a plateia de Deming?

O grupo das 21 indústrias representava a maior parte do poder e riqueza do Japão. Deming disse mais tarde dito que 80% da capital do Japão estava naquela sala no Industry Club, em Tóquio. O que ele disse para eles era persuasivo porque ficou claro para eles que Deming sabia o que ele estava dizendo.

Suas palavras e maneiras sugeriam, que ele não era outro americano dando ordens aos vencidos: este era um colega que respeitava gentilmente os japoneses e se preocupava com seu bem-estar. Os líderes industriais ficaram intrigados e organizaram outra reunião com Deming algumas semanas depois. Nesta primeira reunião no Industry Club em 13 de julho de 1950, Deming diria mais tarde: “Esse foi o nascimento do novo Japão, se uma data pode ser colocada como marco”.

O que Deming ensinou os japoneses em 1950 e em suas viagens subsequentes ao Japão – cerca de 27 viagens ao todo – evoluiu para sua filosofia de gestão, resumida em suas obras (1986, 1994). Esta filosofia, juntamente com as lições aprendidas com alguns dos mestres do Japão, é uma parte importante do que é apresentado como o ponto de partida e origem de toda gestão da melhoria.

O que Deming postulou?

  • O mercado agora é global. Deve haver padrões internacionais de qualidade e uma linguagem internacional para descrever a qualidade.
  • O cliente é muito importante. Procure cultivar relações de longo prazo com seus clientes. Procure compreender continuamente as necessidades dos consumidores ao projetar e fabricar seus produtos.
  • A qualidade é determinada pelos gerentes. A qualidade dos produtos e serviços deve refletir as necessidades dos consumidores. Os produtos devem ser uniformes, ser consistentes e feitos de forma confiável. A qualidade do produto não pode ser melhor do que as intenções e especificações da gestão. Resultados de qualidade são provenientes de como os gerentes lideram.
  • A produção é um sistema. O fornecedor é o seu parceiro. Faça do fornecedor um parceiro e parte integrante do sistema. O cliente também faz parte do sistema, a parte mais importante do sistema. O controle estatístico de qualidade deve ser aplicado a todas as etapas do sistema.
  • A reação em cadeia. Se você melhorar seus processos e produtos, seus custos irão diminuir e você irá capturar o mercado com uma melhor qualidade e preços mais baixos, permitindo que você fique no mercado e ofereça empregos e mais empregos.
  • O Japão deve se ver como um sistema. Todo o Japão é um sistema. Deve haver confiança e cooperação em todo o Japão. Um compromisso comum com a qualidade, confiança e cooperação deve atravessar o Japão “como um fogo em mata seca. Todos os japoneses estão em chamas! Todo mundo vai ganhar! “

O que mudou dessa época para agora?

O Japão levou a mensagem de Deming ao pé da letra. Em meses, eles começaram a notar melhorias. Dentro de quatro anos, alguns dos produtos do Japão começaram a progredir no mercado mundial. (Deming havia previsto que levaria cinco anos. Os japoneses provaram que ele estava errado!)

Na década de 1970, os Estados Unidos perderam 50% ou mais de sua participação no mercado mundial. Na década de 1980, os americanos gritavam “Japão está jogando sujo” e procuravam sanções comerciais contra o Japão.

Enquanto os Estados Unidos estavam chorando, o Japão aprendeu a melhorar a qualidade mais rapidamente. A JUSE estava promovendo a filosofia de qualidade – chamada TQC para o Controle Total da Qualidade – e apresentava prêmios anuais aos indivíduos que contribuíram para a qualidade e as empresas que alcançaram certos padrões de qualidade descritos. O prêmio foi, e ainda é, chamado Prêmio Deming. Desde que foi iniciado em 1951, cerca de 60 90 indivíduos e 200 organizações ganharam o Prêmio Deming.

Em 1980, a NBC apresentou um documentário de televisão, produzido por Clare Crawford-Mason com o repórter Lloyd Dobyns, intitulado “Se o Japão pode, por que não podemos?” Usando as medidas típicas do sucesso da TV, compartilhamento de mercado e classificações, foi não é um golpe. Mas em termos de seu impacto nos negócios americanos, foi um raio. Capturou uma audiência de líderes empresariais. Os Estados Unidos descobriram a existência desse obcecado estatístico de 80 anos que foi reverenciado e respeitado pelos líderes japoneses. A era da qualidade finalmente chegava na América.

Como está a perspectiva atual?

Atualmente as palavras mudaram, mas o conceito é o mesmo. Enxergar a sua organização, seja ela grande ou uma startup, como um sistema, lhe garantirá mais sucesso em média. Todos os novos modelos de gestão partem desse ponto.

Por exemplo, o Lean veio daí. Da pesquisa que fez o MIT para entender o porquê as indústrias japonesas estavam destacando-se na época. Depois, os conceitos de Lean tudo também foram derivados dessas bases. Um fator importante e famoso hoje, o Lean Startup e os conceitos como MVP, vieram do Ciclo do Conhecimento do Walter A. Shewhart. Por isso, caros Green Belts e Black Belts que tanto pesquisam esse assunto, não caiam na ilusão de achar que tudo é novo. Beba nas fontes.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *