ergonomia
Inovação

28/12/2020

Última atualização: 29/01/2024

Ergonomia: conceito, tipos, como ter e NR

Você já sentiu dores nas costas após ficar muito tempo sentado enquanto trabalhava no escritório? Ou sentiu dores de cabeça após ficar muito tempo olhando para a mesma tela? Ou ficou desconfortável com o calor do ambiente de trabalho?

Tudo isso está relacionado com o conceito de ergonomia, ou nesses casos, a falta dela. Ela é essencial para você ter bem-estar ao realizar suas atividades, seja em casa ou principalmente no trabalho. Continue lendo e entenda o conceito, tipos, como ter e mais!

O que é Ergonomia?

A ergonomia, uma palavra que muitas vezes ouvimos em ambientes profissionais, acadêmicos e até mesmo em nossas casas, é um conceito fundamental que influencia significativamente a nossa vida diária. Mas, o que exatamente é ergonomia? 

A ergonomia é uma ciência pautada na busca da compreensão do relacionamento entre o ser humano e suas condições laborais. A palavra tem derivação do grego, onde “ergon” significa trabalho, e “nomos” significa leis ou normas. 

Qual é o conceito de Ergonomia?

A ergonomia é uma disciplina científica que se dedica ao estudo da interação entre os seres humanos e outros elementos de um sistema, nesse caso, o ambiente onde a pessoa realiza atividades. O objetivo principal da ergonomia é desenvolver ambientes, sistemas e produtos que se alinhem às capacidades, limitações e necessidades humanas. Em sua essência, a ergonomia busca criar um equilíbrio entre o bem-estar do indivíduo e a eficiência das atividades que ele realiza.

É muito comum as pessoas associarem ergonomia a dores nas costas por ficar muito tempo sentado, mas ela é muito mais do que isso. A ergonomia se dispõe ativamente ao estudo, desenvolvimento e aplicação de regras com o foco em melhor organizar as condições de trabalho, tornando-o compatível com as características físicas e cognitivas do homem.

Para que isso seja possível, é preciso conhecer os processos e condições organizacionais de uma empresa, ao passo que o perfil geral dos funcionários, bem como suas respectivas características individuais, sejam também estudadas. 

Assim, o tipo e escopo de atividade proposto pela empresa deve mitigar riscos à saúde e bem estar ergonômico do indivíduo e do coletivo.

Como dissemos antes, engana-se quem assimila ergonomia apenas a postura ou móveis ideais. A ergonomia engloba esses dois aspectos, mas também leva em conta fatores ambientais, como temperatura, ventilação, iluminação, etc. e aspectos mentais, como estresse, atenção, concentração, etc. 

Ou seja, o indivíduo e seu espaço de trabalho devem estar o mais possivelmente alinhados para que as atividades exercidas contemplem as expectativas produtivas da empresa ao mesmo nível do bem estar do colaborador.

design thinking

Qual é o objetivo da Ergonomia?

O objetivo da ergonomia é melhorar o bem-estar e a eficiência das pessoas nos seus ambientes de trabalho e cotidianos. 

Isso é feito adaptando o design de ferramentas, espaços e sistemas para se adequarem às capacidades e necessidades humanas, visando reduzir riscos de lesões, aumentar a produtividade e melhorar a interação confortável e eficiente com o ambiente e a tecnologia. 

Em essência, a ergonomia busca harmonizar o ambiente com as pessoas que o utilizam para promover saúde, segurança e eficácia.

Quais os pilares da Ergonomia?

Os três pilares da ergonomia são:

  • Análise antropométrica: estuda as medidas e proporções do corpo humano e como elas afetam o desempenho das tarefas e o bem-estar do trabalhador.
  • Análise biomecânica: estuda os movimentos corporais e a mecânica dos tecidos durante o trabalho, identificando fatores que contribuem para a fadiga muscular e lesões.
  • Análise psicológica: estuda os aspectos psicológicos e sociais do trabalho, incluindo as expectativas, a motivação e o estresse relacionados ao trabalho. Esta abordagem visa aumentar a satisfação no trabalho e a eficiência dos trabalhadores.

Juntos, esses pilares formam uma abordagem integrada para melhorar a ergonomia e a saúde no trabalho.

Quais são os tipos de Ergonomia?

A ergonomia pode ser categorizada em três tipos principais, cada um focando em diferentes aspectos da interação entre humanos e elementos de sistemas ou ambientes. Estes tipos são:

Ergonomia Física

  • Foco: Esta é a forma mais conhecida de ergonomia, concentrando-se na adequação física entre as pessoas e os elementos do ambiente de trabalho ou uso.
  • Aspectos: Inclui o estudo de posturas no trabalho, manipulação de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios musculoesqueléticos, layout do local de trabalho, segurança e saúde.
  • Aplicação: Usada para projetar locais de trabalho, ferramentas ergonômicas, mobiliário e equipamentos que se ajustem às necessidades físicas dos usuários.

Ergonomia Cognitiva (ou Ergonomia Mental)

  • Foco: Relaciona-se com processos mentais como percepção, memória, raciocínio e resposta motora conforme afetam as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema.
  • Aspectos: Abrange temas como carga mental de trabalho, tomada de decisão, desempenho humano, interação humano-computador e estresse no trabalho.
  • Aplicação: Importante no design de interfaces de usuário, interação com computadores e dispositivos móveis, e na criação de ambientes que reduzam o estresse e a sobrecarga mental.

Ergonomia Organizacional

  • Foco: Concentra-se na otimização de sistemas sociotécnicos, incluindo políticas, processos organizacionais, e estruturas de trabalho.
  • Aspectos: Envolve a análise de estruturas organizacionais, políticas de trabalho, controle de processos, design de trabalho, trabalho em equipe, trabalho remoto e ergonomia participativa.
  • Aplicação: Usada para desenvolver processos de trabalho mais eficientes e justos, melhorar a comunicação dentro de organizações e promover melhores práticas de trabalho.

O que é Ergonomia pela NR 17

A Norma Regulamentadora nº 17, desenvolvida pelo MTE - Ministério do Trabalho e Emprego junto a entidades trabalhistas, dispõe sobre a importância e orientações da ergonomia. Essa norma torna, portanto, a prática reconhecida legalmente como fator fundamental para o estabelecimento e manutenção da saúde, segurança e qualidade de vida do indivíduo em seu local de trabalho.

Em suma, a norma surgiu após o aumento de casos de doenças ocupacionais ocasionadas por falta de condições adequadas no trabalho. Como regulamentação, seu objetivo é apoiar colaboradores e empresários, buscando a mitigação máxima do impacto na saúde provenientes de riscos ergonômicos nas organizações. 

Para sua aplicação, a Análise Ergonômica do Trabalho - AET é aplicada a fim de mapear e avaliar possíveis relações negativas entre o ambiente e o bem estar do colaborador. Essas relações contemplam pontos como, por exemplo:

  • Formas de produção;
  • Escopo do projeto;
  • Ritmo de trabalho;
  • Atribuições das tarefas;
  • Movimentação (levantamento, transporte e descarga) de materiais;
  • Adequação mobiliária as tarefas e colaboradores;
  • Rotina e exigência de tempo/prazos;
  • Layout e funcionalidade do ambiente corporativo.

Os benefícios da Ergonomia no trabalho

A aplicação adequada da ergonomia traz ao ambiente corporativo uma série de benefícios, diretos e indiretos. Além disso, em todos os casos, os beneficiados são a empresa e os colaboradores. Confira a lista de alguns benefícios destaque:

  • Melhora e aumenta a produtividade;
  • Cria um ambiente de trabalho favorável ao melhor desempenho;
  • Impacta positivamente na satisfação dos colaboradores;
  • Reduz a chance de riscos a saúde e doenças ocupacionais;
  • Mitiga o absenteísmo (faltas e atrasos);
  • Aumenta a segurança do trabalho;
  • Valoriza o ambiente de trabalho e sua usabilidade;
  • Facilita a integração e colaboração da equipe;
  • Reduz acidentes de trabalho;
  • Minimiza o risco de problemas cognitivos e emocionais;
  • Aumenta práticas de ginástica laboral;
  • Tem impacto direto na redução de pedidos de demissão (turnover).

4 Dicas para impulsionar a produtividade no trabalho através da ergonomia 

Para as empresas que desejam aumentar o desempenho e alinhamento do colaborador ao seu local de trabalho, essas 4 dicas podem valer de muito. Afinal, ergonomia trata de tornar o ambiente melhor, considerando a organização, objetos e pessoas. Dentre os benefícios proporcionados por essas dicas, conforto, fadiga reduzida, menor risco de lesões e maior atenção e produtividade são destaques. Confira:

Disponha de móveis ergonômicos:

Um artigo de 2019 do New York Times sobre “Como tornar seu escritório mais ergonomicamente correto” pontua que a estação de trabalho ideal, ou seja, aquela que lhe proporciona desenvolver suas atividades de maneira saudável, é “a que permite que você trabalhe em uma posição neutra e relaxada”. 

A ideia de configurar seu local de trabalho de uma forma que seu corpo receba o mínimo de pressão ao longo do dia, pode ser trabalhada através de móveis ergonômicos, por exemplo.

Portanto, garantir que sua cadeira de trabalho, por exemplo, seja ergonômica é de importância primária. Cadeiras ergonômicas oferecem benefícios como: melhor distribuição da pressão corporal, melhor circulação sanguínea e correção postural. 

Outro ponto são as mesas. Oferecer cadeiras ergonômicas de nada adianta se as mesas não promoverem uma posição neutra ao profissional. Esses móveis devem ser pensados em conjunto, a fim de fornecerem o maior conforto e saúde ao indivíduo. Além disso, apoios para os pés, almofadas lombares e porta-documentos, também podem fazer parte de uma estação de trabalho ergonomicamente idealizada. O importante, acima de tudo, é seguir as normas vigentes e considerar sempre o usuário.

Ofereça espaço para movimentação:

Ficar sentado o dia todo e com pouca possibilidade de movimentação é contra intuitivo e contra produtivo e prejudica as capacidades física e mental. Aliás, essa é uma receita crítica para desenvolver problemas nas costas e pernas, ganhar peso e se cansar mais facilmente.

Portanto, combata esses possíveis problemas organizando o escritório em um layout que permita aos profissionais uma movimentação livre de obstáculos e dificuldades. 

Incentive, por exemplo, o contato  pessoal entre os colaboradores, ao invés de uma ligação ou e-mail. Mesmo que isso possa comprometer a atenção contínua, a prática de se levantar e se locomover até um diferente ponto pode auxiliar a circulação sanguínea, a respiração e oxigenação do cérebro, além de driblar os problemas citados anteriormente.

Melhore a iluminação:

Busque formas de valorizar a iluminação natural. Afinal, já é bem sabido que as luzes artificiais das lâmpadas representam um mal à saúde, quando funcionando em plenitude, em casos de falhas podem representar um risco ainda maior. 

Ambientes mal iluminados interferem, não só na visão dos colaboradores, mas também em sua concentração. Portanto, estruture o escritório de forma que a luz natural seja predominante na maior parte do expediente. Garanta que haja janelas suficientes e funcionais, mantê-las limpas também auxilia no aproveitamento da luz natural.

Permita a personalização:

Ofereça aos seus funcionários a autonomia para personalizar suas estações de trabalho. Isso cria uma conexão emocional do indivíduo com o inanimado, encorajando-o a manter o espaço organizado, limpo e propiciando um melhor desempenho. 

Certifique-se, no entanto, que a personalização não interfira na proposta ergonômica da estação de trabalho.

Ergonomia no home office

A ergonomia no home office envolve a adaptação do ambiente de trabalho residencial para atender às necessidades físicas e psicológicas dos trabalhadores. Ela aborda aspectos como o design do espaço, a disposição dos móveis e equipamentos, e as condições ambientais, como iluminação e ruído.

Ela é especialmente importante no home office, onde os trabalhadores podem não ter acesso a equipamentos ergonômicos padrão encontrados em escritórios tradicionais. Além disso, a ergonomia no home office também considera fatores como a separação entre a vida profissional e pessoal e a gestão do tempo de trabalho, que são desafios únicos do ambiente doméstico.

Promovendo a ergonomia no home office

A promoção da ergonomia no home office começa com a conscientização. É essencial que tanto empregadores quanto empregados reconheçam a importância de um ambiente de trabalho ergonômico para prevenir lesões e melhorar a produtividade.

Responsabilidades da Empresa

  • Prover Equipamentos Adequados: As empresas devem fornecer ou subsidiar equipamentos ergonômicos, como cadeiras ajustáveis, teclados e mouses ergonômicos e suportes para monitores.
  • Treinamento e Conscientização: Oferecer treinamentos sobre ergonomia, abordando a importância de uma postura correta, pausas regulares e configuração adequada do espaço de trabalho.
  • Avaliação Ergonômica Remota: Implementar avaliações ergonômicas virtuais para orientar os funcionários na configuração de seus espaços de trabalho em casa.
  • Políticas Flexíveis: Estabelecer políticas que permitam flexibilidade, reconhecendo que cada funcionário tem necessidades ergonômicas diferentes.

Dicas de Ergonomia para trabalhadores em home office

1. Configuração do Espaço de Trabalho:

Escolha uma cadeira com suporte lombar, ajustável em altura e inclinação.
Posicione o monitor na altura dos olhos e a uma distância de um braço.
Use teclado e mouse ergonômicos e mantenha os pulsos em uma posição neutra.

2. Postura Correta:

Mantenha os pés apoiados no chão ou em um apoio para os pés.
Evite cruzar as pernas e mantenha as costas apoiadas na cadeira.

3. Pausas e Movimento:

Faça pausas regulares para se levantar, alongar e movimentar.
Tente fazer pequenos exercícios ou caminhadas durante as pausas.

4. Iluminação e Ambiente:

Garanta uma boa iluminação para reduzir a fadiga ocular.
Mantenha o ambiente tranquilo e livre de distrações.

5. Rotina e Limites:

Estabeleça uma rotina regular de trabalho e mantenha limites entre vida profissional e pessoal.

Leia mais no blog:

Equipe FM2S

Equipe FM2S

A FM2S Educação acelera a carreira profissional de seus alunos