Soft Skills: 6 habilidades mais exigidas pelo mercado corporativo

soft skills
05 de março de 2019
Última modificação: 05 de março de 2019

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog, Melhoria de Processos

O que são Soft Skills?

Soft Skills são habilidades não técnicas que se referem a maneira como você trabalha. O significado da palavra “soft skills” pode ser traduzido como “habilidades pessoais”. Elas incluem como você interage com colegas, como resolve problemas e como gerencia seu trabalho. São qualquer habilidades ou qualidades que podem ser classificadas como um traço de personalidade ou hábito. Habilidades interpessoais como resiliência, comunicação e empatia são exemplos mais específicos de soft skills que muitos empregadores procuram em candidatos a empregos. Além disso, são habilidades essenciais para um líder facilitador, ou seja, indivíduos que estão cada vez mais buscando desenvolver suas capacidades de reflexão e debates, de onde podem surgir soluções criativas e inovadoras. Neste artigo você confere mais sobre Soft Skills, como desenvolver suas habilidades pessoas, além das habilidades mais requeridas no mercado.

Soft Skills e Hard Skills: Qual a diferença?

Se por um lado as soft skills dizem respeito as habilidades de cunho pessoal, por outro as Hard Skills são habilidades técnicas e estão relacionadas às habilidades que podem ser aprendidas através de uma capacitação. Em geral, você aprende Hard Skills em sala de aula, por meio de livros ou outros materiais de treinamento, ou no trabalho. Esse naipe de habilidades possuem um destaque e são frequentemente listados em sua carta de apresentação e em seu currículo além de serem facilmente de reconhecidas por um empregador ou recrutador. Entre os exemplos de Hard Skills podemos destacar a proficiência em determinada língua estrangeira, uma graduação ou uma certificação e muitas outras.

Qual a importância das Soft Skills?

As novas gerações parecem estar mais preocupadas com as competências técnicas sem se importar tanto com as questões relacionadas a inteligência emocional. Logo, vemos que a maioria delas não está preparada para assumir uma função no mercado de trabalho, uma vez que após o ensino médio, aumenta-se a cobrança pelo desenvolvimento de hard skills. Em detrimento a isso, encontramos diversos jovens com problemas de autoestima, comunicação e até mesmo em lidar com suas emoções e sentimentos.

Assim, além destas características as soft skills procuram desenvolver maior foco, resiliência, motivação, empatia, pensamento crítico e produtividade, tornando os indivíduos mais adaptáveis às exigências do mercado e aos diferentes ambientes de trabalho. Hoje, a medida em que as organizações se desenvolvem, aumenta-se a exigência em relação às Soft Skills.

Quais são as habilidades pessoais mais exigidas do mercado?

Segundo levantamento da edição de 2017 do Capgemini Digital Transformations Institute Survey, 60% das empresas têm problemas com a falta do desenvolvimento de soft skills por parte de seus funcionários. Assim, trouxemos aqui um guia a fim de te orientar a respeito das habilidades pessoais mais procuradas nos profissionais:

  • Empatia: colocar-se no lugar do outro parece uma tarefa fácil, porém não é tanto quanto se imagina. No âmbito profissional, a empatia assume duas funções principais. Em primeiro lugar, ela é essencial na interface entre líderes e colaboradores. Em segundo lugar, para ser pioneiro no mercado é preciso saber exatamente o que o cliente deseja, logo se colocar no lugar do cliente ou colocar o consumidor no centro das preocupações é uma tarefa que envolve muita empatia;
  • Paixão pelo aprendizado: o processo de aprendizagem inicia-se desde o dia do seu nascimento e estará sempre presente no seu cotidiano. O conhecimento de novas tendências de mercado, novos softwares e habilidades faz parte da atualização de um profissional em relação ao mercado e aqueles que não o fazem, ficam pra trás. Assim esta competência tem sido bastante exigida pelos recrutadores. Tenha sempre em mente que “o conhecimento é a bagagem mais valiosa que podemos tirar de qualquer experiência”;
  • Colaboração: saber trabalhar em equipe, por incrível que pareça, está entre as habilidades pessoas mais solicitadas no ambiente corporativo. Nesse quesito é importante entendermos que ninguém faz nada sozinho, portanto cada um que dominar certas habilidades poderão contribuir naquilo em que seus desempenhos são melhores. Assim há uma relação complementar entre os trabalhos desenvolvidos por um time;
  • Boa Comunicação Assertiva: a comunicação vai muito além de falar o mesmo idioma. Trata-se, em outras palavras, de defender um ponto de vista sem nunca deixar de respeitar os direitos e crenças alheios. Saber fazer uso da comunicação assertiva é fundamental e também pode ajudar a aumentar a autoestima e conquistar o respeito dos outros. Assim, pode ajudar no gerenciamento do estresse, principalmente para alguém que tenha dificuldade em dizer não;
  • Trabalho sob Pressão: estamos sujeitos a acontecimentos intensos a qualquer momento, seja pelos curtos prazos de entregas nas tarefas do dia a dia, aquela meta que não foi batida ou mesmo uma promoção tão esperada que não aconteceu. O equilíbrio emocional e a resiliência são essenciais para que, apesar de todas essas intempéries não deixemos que essas situações afetem o nosso rendimento e comportamento no trabalho;
  • Adaptabilidade/Flexibilidade: a adaptação a novos ambientes, flutuações de demanda, ou mesmo um novo líder também é considerada uma forte habilidade interpessoal. É intrínseco às rotinas de trabalho que você saiba contornar os problemas que surgem inesperadamente.

Como desenvolver soft skills?

Embora não seja uma tarefa fácil, existem diferentes formas de se desenvolver soft skills. Listamos aqui as principais delas para que você aplique ao seu dia a dia.

1. Desenvolva sua autoregulação

Quanto mais você aprender a lidar com suas emoções, mais rápido vai se recuperar de situações turbulentas, se livrando do estresse. Assim, mediante situações extremas, é mais fácil tomar o controle da situação tornando-se consciente delas. Logo, da mesma forma em que você desenvolve sua inteligência emocional, você também adquire resiliência.

2. Pratique a Gestão do Tempo

Gestão do tempo são todas atividades que uma pessoa pode realizar para aproveitar seu tempo da melhor maneira, englobando uma série de técnicas, boas práticas e ferramentas, tanto para construir bons hábitos quanto para se organizar. Através da gestão do tempo muitos dos seus problemas com estresse serão solucionados, uma vez que não será pela falta dele que acontecerão seus problemas.

O curso de Gestão do Tempo FM2S mostra a importância do recurso “tempo”. A visão profissional dele tem como regra a boa administração e priorização na hora de realizar atividades. Deixamos abaixo a vídeo aula de apresentação do curso para você confeirir!

3. Fortaleça as Práticas de Feedbacks

A criação do feedback se deu pela necessidade de haver uma via de mão dupla entre a supervisão e os colaboradores. Essa ferramenta de comunicação explora a forma como avaliações, opiniões e percepções de avaliação podem ser oferecidas e recebidas. Através dela é possível descobrir quais são seus pontos fortes e os pontos que podem exigir maior atenção na sua rotina de trabalho. Assim, é mais fácil descobrir quais são as Soft Skills que devem ser trabalhadas.

4. Autoconhecimento

Apesar do feedback ser um mecanismo de identificação com relação às competências que um colaborador precisa desenvolver, é essencial que o indivíduo saiba quais são as habilidades em que ele consegue ter melhor performance e para isso, é essencial utilizar do autoconhecimento.

Quais as três barreiras para desenvolver soft skills?

Existem três grandes barreiras para escalar o desenvolvimento das habilidades sociais.

As escolas são muito parecidas com fábricas.

Embora algumas escolas tenham mudado o currículo para soft skills e criatividade, em muitas outras essas tradições se mantêm firmes. As crianças são treinadas para ficar paradas por horas a fio (como fariam em uma linha de produção da fábrica), para se envolver em aprendizagem mecânica, e para estar em conformidade e seguir as regras.

A pena disso é que essas habilidades são aquelas nas quais as máquinas são altamente competentes. Mais importante, essas condições fazem pouco para nutrir nas crianças as habilidades de compaixão, inventividade e ser interpretação das pessoas corretamente.

A casa está saturada de tecnologia.

Há evidências crescentes de que o uso de tecnologia está afetando o desenvolvimento de habilidades humanas leves. Quando crianças e adultos gastam uma quantidade significativa de tempo envolvido com jogos virtuais on-line e mídias sociais, por exemplo, há algumas evidências de que suas habilidades sociais face-a-face começam a se atrofiar.

Voltas curtas de interação social fazem pouco para apoiar habilidades sociais. Isso é importante, porque os benefícios evolutivos que os humanos desenvolveram na empatia e colaboração precisam ser reforçados na aprendizagem individual sutil.

O contraste, por exemplo, aparece em conversas de uma criança com o assistente virtual Amazon Alexa e com um adulto real. Ao interagir com o Alexa, a criança pode ser tentada a latir instruções e, possivelmente, ser rude com a máquina. Alexa simplesmente responde de maneira firme e digna.

Isso não significa tirar do fato de que a tecnologia poderia desempenhar um papel significativamente benéfico no desenvolvimento de habilidades sociais. Durante a última década, houve grandes desenvolvimentos no aprendizado baseado em tecnologia, incluindo programas online que dezenas de milhares de pessoas podem participar.

O trabalho estressante reduz a empatia.

Estudos mostram que quando as pessoas se sentem sob pressão, como se estivessem sendo tratadas injustamente ou sentindo-se sob estresse, o hipocampo – a parte do sistema límbico do cérebro associada à emoção – é muito menos capaz de se envolver em ouvir empatia ou apreciar o contexto de uma situação. O cérebro, em certo sentido, fecha-se para aprender ou executar soft skills.

O desafio é que muitos locais de trabalho têm práticas e processos que, muitas vezes não intencionalmente, resultam em altos níveis de estresse. Além disso, os antídotos – como condições de trabalho mais flexíveis, culturas colaborativas, instituição de processos justos – não são adotados rapidamente.

Assim, podemos entender que as soft skills são habilidades que tomamos como competências pessoais e que vem experimentando uma alta demanda por parte das empresas. Diferentemente das Hard Skills, são habilidades não técnicas que se referem a maneira como você trabalha. Elas incluem como você interage com colegas, como resolve problemas e como gerencia seu trabalho. Habilidades como empatia, paixão pelo aprendizado, colaboração e comunicação assertiva estão entre as habilidades mais exigidas pelo mercado. Por fim, entre as formas de desenvolver as soft skills estão a autoregulação, a gestão do tempo o autoconhecimento e a prática de feedbacks.

Quer aprender mais? Confira nossos cursos:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *