Qual é o poder da confiança para uma liderança eficaz?

poder da confiança
04 de abril de 2019
Última modificação: 04 de abril de 2019

Autor: Paula Louzada
Categorias: Gestão de Equipes, Liderança

Qual é o poder facilitador da confiança para uma liderança eficaz?

O que será necessário para se tornar um grande líder na economia digital? Quais serão os conjuntos de habilidades de diferenciação e mentalidades que irão lançar luz sobre o que será necessário para liderar as organizações de próxima geração efetivamente? Qual é o poder facilitador da confiança para uma liderança eficaz?

Douglas A. Ready apresenta neste artigo o processo de elaboração de hipóteses e pesquisas a fim de preencher a lacuna entre o que sabemos de verdade hoje e o que acreditamos que será verdade amanhã quando se trata da implementação de uma liderança eficaz na era digital.

Como é impossível conhecer o futuro com certeza, primeiro estabelecemos uma hipótese sobre quais habilidades e atributos esse futuro líder pode possuir. Haverá elementos contextuais (adequados para o propósito da economia digital) e elementos principais de habilitação (que são características importantes que eles formam o tecido cultural de uma organização). Mesclados juntos, elementos centrais e contextuais ajudarão a definir o que a grande liderança terá e sentirá na economia digital.

Para ajudar a construir essa ponte, apresentamos uma pesquisa global a milhares de gerentes e líderes de todo o mundo para obter suas opiniões sobre esse assunto. Também conduzimos entrevistas detalhadas com CEOs, membros da equipe de C-suite, líderes de digitalização, líderes seniores e funcionais e outros líderes em todas as coisas digitais.

Características de liderança: identificando os suspeitos usuais

Vá a qualquer conferência de gerenciamento hoje e você ouvirá uma ladainha sobre as qualidades do líder do futuro. Para começar a testar nossa hipótese, decidimos formular nossa própria lista dos 10 principais requisitos de liderança para ver até que ponto nossas suposições sobre a futura eficácia da liderança na economia digital se alinharão com as respostas da pesquisa e com os pontos de vista daqueles que estaremos entrevistando. Aqui está a nossa lista e gostaríamos de saber o quão perto a nossa é a sua:

1. Mude o domínio: mobilize recursos para fazer as coisas de maneira diferente, mais rápida, melhor e mais eficiente.

2. Gerenciando inovação inteligente: inicie pequenas experiências frequentes – falhe rapidamente, aprenda e redefina.

3. Excelência na execução: as visões só são poderosas se bem executadas para o aprimoramento do valor do cliente.

4. Conhecimento técnico / analítico: Entenda o poder do pensamento analítico e de design.

5. Cultivando relacionamentos: otimize redes, envolva parceiros do ecossistema e colabore para vencer.

6. Capacitando para engajar: Libere a energia de sua equipe – os talentos da próxima geração não o farão de outra maneira.

7. Autenticidade: Conheça a si mesmo, seja você mesmo e leve essa pessoa para o trabalho todos os dias.

8. Empatia: Equipes diversas e inclusivas exigirão novas perspectivas e abordagens para liderar.

9. Incentivando a discordância e transparência: Fazer questionar tudo uma rua de mão dupla.

10. Comunicações claras: Deixe isso claro, frequente, honesto e envolvente.

Como os conjuntos de mentes permitem conjuntos de habilidades

Estou supondo que nossa lista chegue bem perto da sua. No entanto, uma coisa é relembrar uma lista de qualidades de liderança desejadas e uma coisa bem diferente é entender as forças que estão impulsionando e permitindo que essas características apareçam nas pessoas e ajudem futuros líderes a crescer e florescer.

O que nos leva à outra metade de nossa hipótese – de que os conjuntos de habilidades de liderança que serão identificados como criticamente importantes para a economia digital terão pouca chance de ganhar força a menos que sejam apoiados e capacitados por uma mentalidade de liderança que ajudará novos comportamentos a tornarem-se comportamentos normativos da empresa.

Significa que as pessoas terão menor probabilidade de inovar se a inovação não for valorizada e modelada pelos líderes da empresa. Identificamos quatro dessas mentalidades de liderança que acreditamos serem extremamente importantes para uma liderança eficaz na economia digital. Além de assumir um conjunto exigente de novas habilidades, os líderes na economia digital darão o tom em suas organizações mostrando-se todos os dias e demonstrando essas mentalidades facilitadoras: resultados focados, resiliência com fio, orientada por objetivos e baseada em confiança.

Por que esses quatro?

• Resultados, porque a lealdade do cliente está rapidamente se tornando um conceito singular dos tempos antigos, ao passo que alcançar resultados superiores nunca sai de moda.

• Resiliência, porque apesar de quão brilhante você acha que seu modelo de negócios pode ser, você pode apostar que há equipes de pessoas dedicadas agora para torná-lo obsoleto.

• Propósito, porque os melhores e mais brilhantes próximos-gênios são inspirados não apenas pelo trabalho interessante, mas também pelo sentimento de que seu trabalho está contribuindo para tornar o mundo um lugar melhor.

• Confie, porque nos sentimos mais seguros assumindo riscos, inovando e dizendo o que pensamos em ambientes baseados em confiança.

À primeira vista, tanto os conjuntos de habilidades e mentalidades mencionados acima poderiam ser percebidos como importantes para praticamente qualquer empresa, independentemente do nível de digitalização de seu modelo de negócios.

Confiança: A moeda do reino

“Mesmo que o Tencent tenha nascido digital, isso não significa que não enfrentaremos interrupções contínuas e desafios de transformação”, afirma Arthur Yeung, um consultor sênior que participa da Reunião do Comitê Executivo da gigante chinesa de internet e mídia social. “Se você pensar nisso, em pouco tempo, a tecnologia evoluiu de digitação para tocar, para voz, para pensamento. Crescemos pensando que a internet era principalmente para os consumidores”, observa.  Yeung continua: “Mas agora vemos a nova oportunidade de potencializar a eficiência operacional e a intimidade dos clientes. Precisamos pensar sobre o ABC: inteligência artificial, big data e nuvem.” Mas passar de um B2C para um modelo de negócios B2B contém uma série de riscos e desafios e o menor deles é apostar que o ‘pool de talentos da empresa’ será capaz de fazer a mudança para uma mentalidade de inovação e experimentação rápida.

“No passado, as empresas geralmente contratavam líderes que eram bons na criação de processos padronizados, na formulação de planos estratégicos de cinco anos e no estabelecimento de uma série de controles para que as pessoas seguissem esses planos a fim de conquistar negócios”, diz Yeung. “Mas agora, na economia digital, percebemos que precisamos contratar líderes que possam criar uma cultura voltada para a inovação que promova o pensamento criativo, a agilidade e a velocidade. Não podemos fazer nada disso sem construir uma base sólida de confiança e empoderamento.”

Yeung acrescenta um ponto adicional: “Na Tencent, queremos que as pessoas se sintam e pensem como donos, não para trabalhar como empregados sob comando e controle. Se as pessoas começarem a perder a paixão e a iniciativa de criar novas oportunidades, elas não serão uma boa opção para o futuro, mas se elas quiserem experimentar e crescer, investiremos nelas. A confiança é uma via de mão dupla.”

Outro executivo com quem falamos foi Hariolf Wenzler. Como diretor de estratégia dos escritórios alemães e austríacos de Baker McKenzie e chefe do novo Centro de Inovação da empresa, Wenzler co-liderou uma das mais novas iniciativas da empresa: “ReInvent Law. A maioria escritórios de advocacia vêm com uma herança longa e formas padronizadas de fazer negócios. E com essas formas padronizadas de fazer negócios, surgiram maneiras padronizadas de trabalhar e uma cultura que não foi gentil com as que tentaram inovar.

O escritório de advocacia viu que a IA e o aprendizado de máquina estão preparados para transformar radicalmente sua indústria e, para seu crédito, os líderes da Baker McKenzie têm perseguido o perfil do “advogado do futuro” há algum tempo. Mas, embora a transformação da Tencent tenha sido mais centrada no modelo de negócios, os desafios de transformação de Baker McKenzie são de natureza mais cultural.

Wenzler reflete sobre as qualidades do líder do futuro de Baker McKenzie, dada a digitalização da indústria: “Há uma grande sabedoria em ouvir e observar como os ‘millennials’ pensam e se comportam e o que eles valorizam. Eles querem que suas vozes sejam ouvidas. Eles querem trabalhar em um ambiente transparente; na verdade, eles apreciam a transparência radical. Mas temos que entender que para ter transparência radical, você deve construir uma cultura de confiança radical. A confiança é a nova moeda do reino. Para nos separarmos das velhas maneiras de pensar e trabalhar, precisamos de uma nova responsabilidade e isso é confiar uns nos outros ainda mais.”

Esses dois exemplos de empresas ilustram a importância de incorporar mentalidades básicas de liderança para facilitar o desenvolvimento de novos conjuntos de habilidades necessários para liderar efetivamente na economia digital.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *