Perspectivas da indústria brasileira para 2016

perspectivas da indústria brasileira
29 de abril de 2015
Última modificação: 19 de janeiro de 2022

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Blog

Perspectivas da indústria brasileira: continuando na linha das perspectivas para 2015, vamos discutir mais alguns indicadores no post de hoje. Para começar com indústria brasileira, vamos de Nível de Utilização da Capacidade Instalada Com Ajuste Sazonal. Como será que está a perspectiva da indústria brasileira?

p01

Figura 1: % de utilização da capacidade instalada (1980 – 2015).

Como o gráfico da figura 1 inicia-se em 1980, não é possível verificar em detalhes como está a utilização da indústria brasileira agora. Para isto, podemos elaborar um gráfico de tendência iniciando-se no governo Lula 1 e verificarmos o comportamento. É como dar um zoom no gráfico da figura 1.

p02

Figura 2: % de utilização da capacidade instalada (2003 – 2015).

Pela figura 2, os cenários ficam mais claros. Dá para ver o impacto da crise mundial de 2008 na indústria brasileira, sua recuperação e também o início de uma nova crise em 2014. O % da utilização da indústria hoje é o mesmo de dezembro de 2008. Mas vamos a mais indicadores: Índice de Confiança da Indústria com Ajuste Sazonal.

p03

Figura 3: Índice de Confiança da Indústria com Ajuste Sazonal (2003-2015).

A figura 3 traz praticamente a mesma informação da figura 2, exceto pela velocidade. O índice de confiança parece refletir um pouco mais rápido o grau de utilização da indústria. É como se a equipe de gestão, vendo os estoques subirem, já diminuem a confiança em um cenário promissor, antes mesmo de começar férias coletivas e redução da utilização. Esta correlação fica clara no gráfico da figura 4.

p04

Figura 4: relação entre % de utilização e confiança da indústria.

E por último, mas não menos importante, vamos dar uma olhada no IGP-M, ou Índice Geral de Preços do Mercado. Este é um indicador mensal cuja base 100 foi instituída em agosto de 1994. Num cenário de desaceleração industrial, teme-se aumento da pressão inflacionária, principalmente com um dólar em patamares elevados. Tal temor baseia-se no fato das indústrias reduzirem seus investimentos em CAPEX nas épocas de crise, o que força um aumento de preços na retomada da economia. Será que isto é verdade?

p05

Figura 5: gráfico de tendência do IGP-M.

Na figura 5 é possível enxergar alguns indícios deste movimento, com a inflação ficando mais estável em épocas pré-crise e acelerando depois, mas nada muito claro. Para isto, penso ser melhor massagearmos estes dados. Para isto, calculou-se a variação mensal do IGP-M e elaborou-se um gráfico de controle de individuais (fig.6).

p06

Figura 6: gráfico de controle da variação mensal do IGP-M.

Pela figura 6 fica mais fácil de visualizar estas variações. Antes da crise mundial, IGP-M tava bombando com 3 pontos fora de controle, mas depois, bateu fundo. Porém, agora, mesmo num cenário de perspectiva ruim, o IGP-M continua pressionando. Por que será hein? Dúvida e sugestões, entrem em contato.

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.