MTTR, MTBF e MTTF – O que são esses indicadores?

15 de dezembro de 2019
Última modificação: 22 de julho de 2021

Autor: Guilherme Mendes
Categorias: Blog

Realizar controles de produção pode ser difícil quando a empresa não possui boas políticas de medições. Isso pode acarretar em perda de eficiência nas máquinas e consequente “despadronização” dos produtos, gerando perda de clientes. Para mitigar esses possíveis problemas existem MTTF, MTTR e MTFB .

Com o mercado cada vez mais competitivo, é importante tomar o leme do barco em direção a boas práticas de medição e controle de produtividade, manutenção, estoques e diversos outros quesitos ligados à produção.

Já estudamos alguns indicadores importantes como OEE (Overall Equipment Effectiveness) e TEEP ( Total Effectiveness Equipment Performance) relacionados aos equipamentos de trabalho. Esses indicadores são importantes na criação de uma política de eficiência dos equipamentos na produção. Recomendamos que você acesse esses conteúdos.

Da mesma forma, MTTR e MTBF são dois dos principais indicadores de performance e são aplicado em diversos setores. Esses conceitos estão diretamente relacionados à engenharia de manutenção e metodologias como o Lean Manufacturing, ou seja, são bastante utilizados em manutenção preventiva. Vamos conhece-los a fundo, saber suas principais características como monitorá-los e aperfeiçoá-los. Aproveite e descubra neste post quais as diferenças entre esses dois conceitos e como utilizá-los para melhorar processos dentro do seu negócio.

Mas antes, precisamos conhecer alguns conceitos.

O que é uma falha?

O conceito de falha para este contexto é extremamente prático, então nada melhor do que um exemplo para o entendermos.

“Falha” pode ter vários significados. Vamos examinar brevemente as “falhas” de um dispositivo:

Uma fonte de alimentação ininterrupta (UPS) pode ter cinco funções sob duas condições:

Condição 1 – Enquanto a energia principal estiver disponível:

1. Permitir que a energia flua da fonte principal para a máquina protegida;
2. Condicione a energia limitando sobretensões ou quedas de energia;
3. Armazene energia em uma bateria, até a carga completa da bateria.

Condição 2 – Quando a energia principal é interrompida:

4. Forneça energia contínua à máquina protegida;
5. Emita um sinal para indicar que a energia principal está desligada.

Não há dúvida de que o no-break falhou se ele impedir que a energia da tomada flua para a máquina que está sendo protegida (função 1). As falhas nas funções 2, 3 ou 5 podem não ser óbvias, porque a máquina “protegida” ainda está funcionando com a energia principal ou com a bateria. Mesmo se notadas, essas falhas podem não desencadear medidas corretivas imediatas porque a máquina “protegida” ainda está funcionando e pode ser mais importante mantê-la funcionando do que reparar ou substituir o no-break.

Não sei se você entendeu bem, mas o conceito de falha está diretamente relacionado com as funções de um determinado equipamento, que podem ser mais de uma. Uma vez que o equipamento deixa de cumprir uma dessas funções, interpreta-se como falha e este conceito será abordado para explicarmos MTTF, MTTR e MTBF.

Você conhece o FMEA (Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos)? FMEA – Failure Mode and Effect Analysis – é uma ferramenta da ciência da melhoria útil na análise de causa-e-efeito e para garantir que as causas de falha de um produto desapareçam. O objetivo do FMEA é fornecer uma abordagem sistemática e identificar, em um ambiente complexo, para onde a atenção deve ser voltada a fim de reduzir o risco de fracasso. Esse indicador é extremamente útil para avaliar as causas das falhas, aproveite e confira o e-book de FMEA FM2S!

E-book FMEA

MTBF – Mean Time Between Failures

O tempo médio entre falhas (MTBF) refere-se à quantidade média de tempo que um dispositivo ou produto funciona antes de falhar. Esta unidade de medida inclui apenas o tempo operacional entre falhas e não inclui os tempos de reparo, assumindo que, se houve falha, o item foi reparado e começou a funcionar novamente. Os valores de MTBF são frequentemente usados para projetar a probabilidade de uma única unidade falhar dentro de um certo período de tempo.

Um aspecto importante do MTBF é que aqueles que analisam esses tipos de estatísticas devem saber se a medição se aplica a uma unidade que funcione até a falha ou se um grande número de unidades diferentes é executado por um curto período de tempo, em que o MTBF representa a probabilidade de falha nesta fase mais curta de teste. Por si só, o MTBF nem sempre indica quanto tempo é o processo de teste para uma determinada unidade. Por exemplo, se mil dispositivos forem executados por várias horas cada e 1% deles apresentarem mau funcionamento, isso produzirá resultados diferentes do que se uma unidade for testada até que eventualmente falhe.

Como Calcular Esse Indicador?

MTBF = (Tempo total disponível – Tempo perdido) / (Número de paradas)

Aproveite para conferir nosso curso Manutenção Lean (TPM). Consiste em um sistema de gestão integrado para as organizações modernas. Nascido da filosofia do Lean Manufacturing, o TPM visa trabalhar diversos aspectos para deixar uma empresa sempre disponível para a produção. Abaixo deixamos uma vídeo aula do curso pra você conferir!

MTTR  – Mean Time to Repair

O tempo médio de reparo (MTTR) é uma medida da capacidade de manutenção de um item reparável, que informa o tempo médio necessário para reparar um item ou componente específico e retorná-lo ao status normal de trabalho. É uma medida básica da manutenção de equipamentos e peças. Isso inclui o tempo de notificação, o diagnóstico e o tempo gasto no reparo real, além de outras atividades necessárias para que o equipamento possa ser usado novamente.

O tempo médio de reparo representa quanto tempo leva para que o equipamento volte à condição de trabalho, levando em consideração a notificação inicial da falha, o tempo necessário para enviar o equipamento para reparos, diagnóstico, tempo real de reparo, montagem, calibração, teste e depois enviá-lo de volta ao campo. Basicamente, abrange o tempo desde o momento em que um usuário envia o item para reparos até o usuário recuperar o item.

O MTTR é calculado dividindo o tempo total necessário para reparo ou manutenção pelo número total de reparos realizados em um período de tempo específico. Quanto menor o MTTR, maior a qualidade de um item ou equipamento específico. Por exemplo, um item que possui um MTTR de 24 horas é melhor que um com um MTTR de 7 dias se o tempo médio antes da falha (MTBF) for igual, pois isso significa que a disponibilidade operacional do equipamento é maior. Quando o equipamento falha, há apenas um tempo de inatividade de 24 horas antes que a operação possa retomar, em oposição a 7 dias de inatividade.

Como calcular o MTTR?

Da mesma forma que para o MTBF, o cálculo é simples.

MTTR = (Tempo total de reparo) / (quantidade de falhas)

MTTF  – Mean Time To Failure

Para algo que não pode ser reparado, o termo correto é “Mean Time To Failure” (MTTF). Alguns especialistas definiriam MTBF – para dispositivos reparáveis ​​- como a soma do MTTF mais MTTR. . Em outras palavras, o tempo médio entre falhas é o tempo de uma falha para outra. Essa distinção é importante se o tempo de reparo for uma fração significativa do MTTF.

Aqui está um exemplo. Uma lâmpada em um candelabro não é reparável; portanto, o MTTF é o mais apropriado. (A lâmpada será substituída). O MTTF pode demorar 10.000 horas.

Por outro lado, sem troca de óleo, o motor de um automóvel pode falhar após 150 horas de condução na rodovia – ou seja, o valor do MTTF. Supondo 6 horas para remover e substituir o mecanismo (MTTR), o tempo médio entre falhas é de 150 horas.

Como os automóveis, a maioria dos equipamentos de fabricação será reparada, em vez de substituída após uma falha; portanto, o tempo médio entre falhas é a medida mais apropriada.

Para cálculo, gestão e apresentação desses dados, recomendamos que você confira a nossa formação em gestão e visualização de dados. Não fique de fora desta!

O que é disponibilidade?

A “disponibilidade” de um dispositivo é matematicamente dada por MTBF / (MTBF + MTTR) para o horário de trabalho agendado.

O automóvel no exemplo anterior está disponível por 150/156 = 96,2% do tempo. O reparo não está programado para o tempo de inatividade.

Com uma troca de óleo não programada de meia hora a cada 50 horas – quando um indicador do painel alerta o motorista – a disponibilidade aumenta para 50 / 50,5 = 99%.

Se as trocas de óleo fossem programadas adequadamente como uma atividade de manutenção, a disponibilidade seria de 100%.

Por que estes são importantes para a confiabilidade?

“Disponibilidade” é um indicador chave de desempenho na fabricação; faz parte da métrica “Eficácia geral do equipamento” (OEE).

Um cronograma de produção que inclua tempo de inatividade para manutenção preventiva pode prever com precisão a produção total. As programações que ignoram o tempo médio entre falhas e o tempo médio de reparo são simplesmente desastres futuros que aguardam correção.

Aproveite para conferir o nosso curso gratuito Six Sigma White Belt. A formação Lean está diretamente relacionada com os conceitos de MTTF, MTTR e MTBF, aproveite para conferir.

Acesse este e outros cursos aderindo à Assinatura FM2S, através da qual você tem acesso a dezenas de cursos exclusivos por 12 meses, aos quais se soma, mensalmente, um novo curso! Saiba mais:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + treze =