O que é Marketing pessoal? Como fazer sua marca?

marketing pessoal
31 de maio de 2015
Última modificação: 31 de maio de 2015

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Carreira

O que é Marketing Pessoal?

Dias atrás, fui abordado no corredor de uma empresa por um jovem profissional. Ele me disse que cursava a pós-graduação e me perguntou se poderia indicá-lo à uma vaga de emprego (marketing pessoal). Atualmente, ele trabalha como técnico administrativo em um projeto com prazo definido e por isto está procurando um novo emprego. Já fez seu SIPOC, eu disse? Já pensou no VSM do seu processo de estudo?

O jovem possui formação universitária e iniciou a pós-graduação de 24 meses para melhorar o seu índice de empregabilidade. Dúvida!

Como ajudar este jovem com potencial, porém sem muito networking e com pouca experiência a conseguir um bom emprego?

Para responder a esta pergunta tive de vasculhar em minha mente alguns conceitos de marketing. Conceitos estes que foram aprendidos e aplicados ao longo de vários anos na frente de empresas e projetos.

Para mim, o tipo mais efetivo de marketing pessoal é o de conteúdo. Com o Google, jornais, sites, televisão, youtube e diversos outros canais concorrendo entre si, só se consegue audiência se você oferecer algo em troca. Toda vez que nos surge uma dúvida, a primeira coisa que fazemos é uma busca rápida no Google e depois acessamos os sites que lá aparecem. Após o primeiro acesso, julgamos se a informação é boa ou não e com isto, pré-classificamos o dono daquele conteúdo. Ninguém mais dispende recursos se não sentir-se seguro.

Como fazer um Marketing Pessoal Criativo?

Pensando nisto, provoquei o jovem ao estilo De Bonno. Perguntei: por que alguém deveria contratar você? Diante do questionamento, o jovem começou a contar como ele gostava de melhoria e de gestão de projetos. Falou-me sobre várias coisas que aprendera e que havia aplicado no estágio e em seu projeto atual. Após a explicação, perguntei novamente: quantas pessoas sabem disto? A resposta desta vez veio de bate pronto: pouquíssimas. E a provocação também: como você pode divulgar o que gosta e o que sabe? Silêncio na sala.

Para ajuda-lo, sugeri que ele utilizasse o marketing de conteúdo para disseminar seu conhecimento e mostrar ao maior número de pessoas possível o quanto ele era interessado e sabia daquele assunto. Por que você não cria postagens no Linkedin mostrando os projetos que você já fez? As ferramentas que já aplicou? Por que você não cria um blog? Diante das provocações, o jovem se animou.

Dois dias depois, pude ver seu primeiro post, explicando como ele havia criado um formulário para análise de fornecedores, já que em seu primeiro projeto o fornecedor havia quebrado durante a execução do mesmo. Depois de 7 dias, o post havia sido visto por mais de 200 pessoas.  Depois disto, o jovem criou o hábito de escrever semanalmente e em pouco mais de um mês, ocupava a posição de trabalho desejada. Esta foi uma prova que o marketing de conteúdo funciona também para o marketing pessoal.

Para melhorar seu marketing pessoal de conteúdo nada melhor do que estudar, fazer cursos, aplicar o novo conhecimento em projetos e relatá-los. Quer conhecer nossos cursos? Clique aqui. ou vá direto para o Black Belt.

Como construir seu marketing pessoal?

Aprenda por meio de um roadmap em um infográfico. Esta é a melhor maneira de mostrar a marca FM2S: conteúdo denso, mas de forma rápida e simples. Vamos ao nosso roadmap.

Se você segui-lo conseguirá imprimir sua marca ou a bandeira que defende nas coisas que você faz em seu dia a dia. Seja você um empresário, estudante ou alguém seguindo carreira em uma grande corporação. Se fizer isto, rapidamente construirá sua marca e assim, sempre que alguém pensar em algo relacionado, seu nome será o primeiro que virá na cabeça. Num período em que as pessoas escolhem e tomam decisões com base em uma quantidade limitada de informações, isto irá garantir que será lembrado. Marketing Pessoal

Como construir sua marca?

Se nós seguirmos o infográfico, ao final, teremos nossa marca ou bandeira relacionada a tudo que fazemos. Imagine que você planeje a sua marca como sendo: “Quero ser ótimo em análise de dados e na aplicação das metodologias Lean Six Sigma para resolver problemas”. Definido o seu planejamento, você começa por listar as competências que compõe sua marca. Neste caso, para compor esta marca a primeira coisa é ser Green Belt. Não há especialistas em análises

Não há especialistas em análise de dados e nas metodologias Lean Six Sigma que não tenham feito um ótimo curso de Green Belt (nisto podemos lhe ajudar). 

Depois do Green Belt, ter domínio de softwares estatísticos e saber elaborar bons gráficos. Além disto, você deve saber elaborar um PDSA sempre que desejar realizar testes ou precisar ganhar mais conhecimento sobre determinado assunto. Quanto mais PDSAs elaborados, mais forte estará sua marca. Se preferir, parta para o Black Belt direto.

Tudo isto não basta se você não souber apresentar suas análises. Para isto, recomendamos treinamento em apresentação. Para apresentar melhor nossos projetos, já fizemos até curso de teatro. Isto faz muita diferença na hora de explicar seu projeto.

Como medir o quão forte está seu marketing pessoal?

Levantada todas as competências, o próximo passo é listar suas atividades. Liste suas atividades atuais e depois planeje como aplicar às competências atreladas a marca nelas. É desta forma que você conseguirá aproveitar muito mais o investimento que fez no treinamento de Green Belt. Com o planejamento você poderá listar em quais projetos você fará suas análises e em quais assuntos você irá rodar seus PDSAs. Para finalizar, liste KPIs META que irão aumentar com a aplicação de suas competências que deseja serem sua marca. Se estes KPIs de fato melhorarem, todos irão atrelar os resultados da equipe ao seu treinamento e esforço na aplicação. Agora, pergunta que vale uma consultoria grátis: de quem é a marca (bandeira do Brasil) que colocamos em nosso Infográfico? Quais eram as características do seu detentor?

Como turbinar seu marketing pessoal?

Vocês já ouviram falar da regra do 70/20/10? Investir 70% do tempo em projetos relacionados a atividade principal; cerca de 20% a produtos emergentes que tenham alcançado algum sucesso inicial; e cerca de 10% a coisas novas com um alto risco de fracasso, mas que terão grande compensação se bem-sucedidos.

Esta regra, criada pelo Google, garante que a atividade principal sempre receba o grosso dos recursos e que áreas promissoras também sejam investidas. Mas além delas, a novidade da regra é destinar 10% as ideais malucas, protegendo-as de possíveis cortes no orçamento. E, 10% é a medida certa para investir em coisas malucas, pois investir demais em um novo conceito é tão problemático quanto investir de menos. É muito mais difícil cancelar ideias de milhões de dólares do que as de milhares de dólares. Portanto, investimento exagerado pode criar uma situação em que a propensão à confirmação proposital – tendência de enxergar apenas as coisas boas em projetos em que muito foi investido – dificulta a tomada de decisão sensata.

Mas o que aconteceria se colocássemos esta regra para nossa vida? Como você investe o capital mais precioso que possui, seu tempo? Está investindo 70% do seu tempo em aprimorar a sua atividade principal? Se é um analista de processos, por exemplo, o que está fazendo para aprimorar sua atividade principal? No que investe que irá melhorar o resultado do seu ganho pão?

Você sabe o que é a Priorização 70/20/10?

Para cargos de analistas, coordenadores e supervisores, penso que o White Belt é um investimento que vale a pena e possui retorno rápido. A priorização deste tipo de certificação Lean Seis Sigma o ajudará a alcançar melhores resultados. Além disto, pode investir também no 5S da sua área ou local de trabalho, pois certamente melhorará sua atividade principal.

E os 20%? Quais são os investimentos em negócios promissores você está fazendo? Se trabalha numa empresa que tem negócios no exterior, um típico investimento que vai dar resultado é no inglês. Quando eu era criança, já se falava que falar inglês era fundamental para uma boa posição de trabalho. Hoje, é imprescindível e, com a enorme quantidade de meios para se aprender, não há mais desculpas para deixar de fazer este investimento de tempo.

Um conhecimento promissor, que vai diferenciá-lo no meio da multidão é a análise de dados. Como gerente de uma grande empresa, posso atestar que quem na equipe sabia analisar dados, tinha garantida a ascensão na carreira. Se olharmos para os que foram promovidos mais rapidamente, todos investiram no aprendizado da análise de dados. Certificaram-se Green Belt e começaram a investir o tempo que tinham para se destacar.

Era comum ficarmos depois do horário e, os membros da minha equipe que arregaçaram as mangas e investem tempo aprendendo Minitab, voavam. Às vezes estávamos lá, pensando nos inúmeros problemas que tínhamos que resolver e de repente, chegava um analista que dominava a análise de dados com uma visão diferente. Em poucos minutos e poucos slides, a solução para o problema saltava aos nossos olhos. E, por dominarem esta arte, eram promovidos em menos de um ano.

Como colar a inovação no seu marketing pessoal?

Nos últimos 10%, para coisas malucas, eu pergunto: quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez? O que você aprendeu ou construiu que era completamente maluco? Como sugestão, começaria pelo curso de criatividade? Por que você não investe seus 10% para fazer um curso de criatividade? É grátis e vai te abrir a mente para várias coisas novas. Ou, por que não aprende uma língua estrangeira diferente, que tal francês ou alemão?

Ainda na área das maluquices, por que não criar um blog? Um diário? Um vídeo ou uma nova planilha Excel cheia de facilidades para automatizar parte do trabalho chato da sua vida? Se eu fosse contar a quantidade de ideias malucas que participamos, faltariam linhas neste blog. Na FM2S, levamos este princípio a sério desde o início.

Mas, uma ideia maluca é promissora e após os primeiros resultados positivos, ela tornar-se-á uma ideia promissora. Aí, haverá a tendência de ela tornar-se parte das suas atividades principais ou ser descontinuada. Lembro-me que os primeiros vídeos que fizemos para as redes sociais, eram sem edição e gravados por meio de um aparelho de telefonia celular. Depois, melhoram para webcam com edição e hoje, temos equipe de edição, câmeras e microfones de última geração.

Qual é a conclusão sobre o Marketing Pessoal?

Para concluir, deixo aqui a provocação. Criem seu programa 70/20/10 para a priorização dos seus investimentos pessoais. Eu sei que há inúmeras coisas mais legais que investir ao chegar em casa, após um longo dia de trabalho. Mas pensem no futuro e no que querem para vocês lá na frente. Depois de mentalizarem o futuro que desejam, planejem seus investimentos. Cursos e certificações são uma ótima maneira de investi-los, assim como sistemas, planilhas, livros, blogs e apresentações. Após estruturado, lute para executar seu plano. Só assim você alcançará o lugar que merece e sonha.

Como o networking potencializa o marketing pessoal?

Networking para bons empregos: no artigo de ontem falamos sobre como utilizar o marketing de conteúdo para melhorar seu marketing pessoal e assim, garantir boas oportunidades de empregos ou negócios. Hoje gostaríamos de falar sobre networking. Você certamente já ouviu falar sobre este tema. Já ouviu várias dicas de como é importante ter um bom networking para conseguir emprego ou até para conseguir vender seu produto. Já ouviu que fulano conseguiu alguma coisa porque conhecia as pessoas certas e por aí. Apesar do viés denotativo, cultivar um bom networking é fundamental para o sucesso, seja profissional ou pessoal. Marketing pessoal na veia.

Como primeiro exemplo de networking efetivo, vou relatar um “causo” ocorrido com um conhecido meu. Um dia, num sábado à tarde, meu amigo acabou sofrendo um grave acidente. Levado ao hospital com traumatismo craniano e lesões múltiplas, ele foi atendido por um corajoso traumatologista.  Depois dos cuidados primários, com meu amigo já desacordado, o médico verificou que ele corria sérios riscos neurológicos, pois o trauma cerebral era grave.

Como a rede de relacionamentos salva vidas?

Diante disto, o médico utilizou sua seleta rede de networking e acessou um amigo, neurologista, para que este pudesse ajuda-lo a salvar àquela vida. Além dos conhecimentos técnicos, o neurologista preparou toda UTI do hospital que trabalhava para receber o paciente, já estabilizado pelo traumatologista (e tudo isto pelo SUS). Para mim, este é um dos exemplos mais belos de aplicação do networking: salvar vidas.

Tirando este emocionante exemplo, há várias histórias de networking aplicado a propósitos nobres. A primeira vez que tive acesso a teorias e estudos sobre este tema foi durante meu mestrado. Como elaborei uma dissertação sobre Cooperação Empresarial pude observar coisas interessantíssimas sobre o assunto, principalmente no Rio Grande do Sul. Lá, por iniciativa do governo do Estado, eles criaram várias redes que propiciaram a pequenos empresários enfrentarem grandes empresas em condições de igualdade. Muitos empregos foram poupados e muitas parcerias foram firmadas por meio da exploração saída do tema marketing pessoal.

Como construir seu networking para o marketing pessoal?

É importante saber os dois Q’s para você construir a sua rede: qualidade e quantidade. Você já considerou a importância de ter uma rede forte de networking para seu marketing pessoal?

Neste mercado de trabalho, ter uma rede forte é fundamental para a sua sobrevivência profissional. Há uma abundância de dicas e artigos sobre onde encontrar pessoas, como e quando se conectar a eles e até mesmo o que você precisa dizer para atrair e manter sua rede. Este artigo centra-se em quem deve estar em sua rede.

Aqui estão as 10 melhores pessoas que devem estar na sua rede:

  • O Mentor: Esta é a pessoa que atingiu o nível de sucesso que você aspira ter. Você pode aprender com o seu sucesso, bem como os seus erros. Preste atenção à sua sabedoria e experiência. Esta relação oferece uma perspectiva única.
  • O Treinador: O treinador é alguém que entra em momentos diferentes em sua vida. Eles ajudam com decisões críticas e transições e oferecem uma perspectiva objetiva sem restrições.
  • O Insider da Indústria: Este é alguém em seu campo que tem informações de nível de especialista ou acesso a ele. Esta pessoa irá mantê-lo informado sobre o que está acontecendo agora e qual será o próximo grande passo. Convide-os a ser um alto falante para a sua próxima ideia inovadora.
  • O Trendsetter: Este é alguém fora da sua indústria escolhida que sempre tem o último buzz. Pode ser em qualquer tópico que você achar interessante. O objetivo em ter essa pessoa em sua rede é procurar aquelas conexões que provocam a inovação através do não convencional. Ele também irá ajudá-lo a manter suas conversas interessantes.
  • O Conector: Esta é uma pessoa que tem acesso a pessoas, recursos e informações. Assim que se deparar com algo relacionado a você, eles estão enviando um e-mail ou pegar o telefone. Conectores são grandes em descobrir maneiras únicas de fazer conexões, encontrar recursos e oportunidades que a maioria das pessoas ignoraria.
  • O Idealista: Esta é a pessoa em sua rede que você pode sonhar com. Não importa como sua última idéia é, esta é a pessoa que irá ajudá-lo a fazer ideias acontecerem. Sem julgamento, eles estão focados em ajudá-lo a colocar para fora seus sonhos em alta definição, mesmo se você não tiver um plano sólido ainda sobre como fazer isso acontecer.
  • O Realista: Por outro lado, você ainda precisa da pessoa que irá ajudá-lo a mantê-lo na Terra. Esta é a pessoa que lhe dará a sobrancelha levantada quando suas expectativas excedem seu esforço. Estas não são as pessoas que derrubam seus sonhos, mas eles te desafiam a fazer ativamente o seu sonho acontecer.
  • O Visionário: As pessoas visionárias inspiram-no pela sua jornada. Eles são semelhantes ao idealista, mas o visionário pode ajudá-lo a imaginar um plano real para alcançar seu objetivo. Um encontro pessoal com esse tipo de pessoa pode mudar poderosamente a direção de seu pensamento e vida.
  • O Parceiro: Você precisa ter alguém que esteja em um lugar semelhante e em um caminho semelhante para compartilhar. Na verdade, os parceiros fazem muita partilha. Esta é uma pessoa que você pode compartilhar as vitórias e desgraças. Os parceiros também compartilharão recursos, oportunidades e informações.
  • O Wanna-Be: Este é alguém que você pode servir como mentor. Alguém que você pode ajudar a moldar e orientar com base em suas experiências. Uma das melhores maneiras de dizer que você entende algo é ser capaz de explicá-lo a outra pessoa. E, às vezes, um dos melhores motivadores para empurrar através de obstáculos e dificuldades é saber que alguém está assistindo.

Marketing pessoal para bons empregos é importante?

Outro estudo muito interessante é elaborado por Mark Granovetter, professor de Stanford. Em 1973 ele escreveu um livro Getting a Job (Conseguindo um Emprego) em que citou pela primeira vez a teoria dos laços fracos. Vocês conhecem? Granovetter mostrou que quanto mais heterogêneo for seu networking melhor você vai se sair quando for procurar um emprego.  Não adianta ter amigos apenas na sua empresa, pois nela, todos conhecem todo mundo. É muito importante, fazer um Green Belt ou Black Belt para melhorar o seu networking para bons empregos.

Você deve ter amigos na empresa, no bairro, no clube, num curso de pós-graduação, na Igreja e diversos lugares em que as pessoas tenham círculos de amizades diferentes. Ter um amigo de um bairro distante vai permitir que você se conecte à pessoas que moram num local que você pouco frequentou. Desta forma, como dica, invista no seu networking, mas o faça desta forma. Procure frequentar diversos círculos sociais. Esta é a chave do sucesso para você conseguir desde o emprego dos sonhos ou até salvar vidas, como no caso que vi.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *