O que significa Manufatura? Quais são os principais tipos?

27 de junho de 2020
Última modificação: 06 de agosto de 2021

Autor: Guilherme Mendes
Categorias: Lean

Introdução

Desde quando a humanidade existe, o homem já praticava a manufatura e a utilizava como um método de sobrevivência. Os abrigos e as armas de caça e de guerra eram todos obtidos através da manufatura. Posteriormente, os objetos que eram resultados da manufatura passaram a ser mercantilizados e a manufatura cada vez mais específica. A revolução industrial e as guerras mundiais também foram importantes para lapidar esse conceito. Hoje em dia falamos da indústria 4.0, mas o que tudo isso teve a ver com a manufatura? É o que você confere neste artigo.

Confira também:

apostila-introducao-lean

O que é Manufatura?

Manufatura é uma palavra derivada do latim: manu = mão, factura = feitio. Em uma interpretação literal da palavra, manufatura significa fazer com as mãos. Esse termo refere-se a uma grande variedade de atividades dos seres humanos, que vão desde o artesanato até a tecnologia de ponta.

Antigamente o artesanato era considerado uma atividade manufatureira, pois era onde se concentrava a aplicação do conceito de manufatura. Hoje em dia é mais aplicada a área industrial, onde temos em grande escala a matéria prima sendo transformada em produtos. Daí se conhece o conceito mais atual da palavra manufatura, que significa transformação.

Esta mudança no conceito foi o que permitiu classificar como manufatureiras diversas indústrias ligadas a produção de bens como, automobilística, alimentícia, eletrônica, calçados e muitas outras.

A revolução industrial e a manufatura

A revolução industrial foi o grande divisor de águas da mudança no conceito desta palavra. Houve um aumento maciço de empregos nas fábricas durante a Revolução Industrial, e muitas mudanças ocorreram na forma como os produtos eram produzidos. Em vez de utilizar artesãos para produzir itens feitos à mão, as máquinas começaram a ajudar e, eventualmente, tomar o lugar dos artesãos. Esse fenômeno fiou conhecido como Maquinofatura.

Máquinas durante a Revolução Industrial, como a roda giratória para produzir têxteis, a roda d’água usada para acionar máquinas e o motor a vapor foram inventados, o que ajudou bastante na implementação da produção em larga escala, um dos princípios do que mais tarde se consolidou como Fordismo.

Com os princípios de uma produção massiva, padronizada e da divisão do trabalho, o fordismo perdurou durante muito tempo, principalmente nos Estados Unidos. Mas aconteceram outros eventos históricos, como as guerras mundiais e a introdução da tecnologia que contribuíram para que surgissem outros tipos de Manufatura. Vamos conferir quais são eles.

Tipos de Manufatura

Existem diversos ramos da manufatura nos dias de hoje. Eles são frutos da evolução de sistemas anteriores, como é o caso da revolução industrial aliada à maquinofatura, que deu origem ao que ficou conhecido como o Fordismo. Porém, após a revolução industrial outros adventos aprimoraram ainda mais o conceito da manufatura. Vamos conferir alguns tipos que surgiram posteriormente.

Manufatura Enxuta (Lean Manufacturing)

As grandes guerras mundiais também foram influentes na transformação dos conceitos de manufatura. Após a Segunda Guerra Mundial a Toyota Company obteve sucesso, quando os proprietários de fábricas japonesas adotaram várias técnicas americanas de produção e qualidade. As técnicas de fabricação de Henry Ford (Fordismo) e as ideias de controle estatístico de qualidade de Edwards Deming tornaram-se a base do processo de produção da Toyota, o sistema Just-In-Time.

Diferentemente da indústria automotiva americana, a Toyota incentivou os funcionários a fazer parte do processo de produção. A empresa introduziu círculos de qualidade, um grupo de trabalhadores que se reúne para discutir a melhoria do local de trabalho. Os membros do círculo de qualidade faziam apresentações para a gerência com relação à qualidade da produção. Foi a partir destes círculos e da padronização que, mais tarde surgiu também o Seis Sigma, metodologia de qualidade bastante utilizada.

Aproveite para conhecer mais sobre a metodologia Seis Sigma, confira gratuitamente o curso de White Belt FM2S!

Diferentemente da produção da Ford, a Toyota desenvolveu a fabricação em lotes menores, e isso exigiu um conjunto de processos que reduziram os tempos de troca de ferramentas nas máquinas. O procedimento resultante foi uma troca de minuto único de matriz (SMED).

Os desenvolvimentos feitos pela Toyota foram adotados por outros fabricantes japoneses, mas nenhum teve tanto sucesso. Na década de 1980, as empresas americanas começaram a adotar alguns dos processos desenvolvidos pela Toyota e deram nomes como Fabricação de Fluxo Contínuo (CFM), Fabricação de Classe Mundial (WCM) e Produção Sem Estoque.

Por fim, os desenvolvimentos alcançados pela Toyota no pós segunda guerra mundial deram origem aos conceitos que hoje chamamos de Lean Manufacutring. Você pode conhecer mais sobre esta incrível metodologia acessando gratuitamente o curso de Introdução ao Lean FM2S.

Manufatura reversa

Com a chegada da internet e a tecnologia digital, a manufatura reversa foi uma necessidade, visto os grandes números de sucata gerados pela produção massiva de bens. Com princípios de preservação ambiental e sustentabilidade, a manufatura reversa é uma inovação tecnológica que permitiu as indústrias de recuperarem matérias primas que fazem parte do lixo eletrônico.

Assim objetos como refrigeradores, eletroeletrônicos, celulares e baterias puderam ser reaproveitados, passando pelos processos de classificação/seleção, desmontagem, trituração e compactação, dando entrada em muitos processos como matéria-prima.

Manufatura aditiva

Uma das principais tendências tecnológicas no setor de manufatura no momento é a impressão em 3D, ou manufatura aditiva. Ela foi reconhecida como um potencial fator de virada do setor devido à sua natureza inovadora, mas também por suas características enxutas. A impressão em 3D tem capacidade para reduzir desperdícios, economizar tempo e, portanto, economizar dinheiro. Em um setor que é constantemente desafiado nessas áreas, não é de admirar que esteja atraindo muita atenção.

Engenharia de Manufatura

Engenharia de manufatura é o ramo da engenharia profissional que exige a educação e experiência necessárias para entender e aplicar os procedimentos de engenharia nos processos de manufatura e nos métodos de produção de produtos industriais. Requer a capacidade de planejar as práticas de fabricação, pesquisar e desenvolver ferramentas, processos, máquinas e equipamentos e integrar as instalações e os sistemas para produzir produtos de qualidade com o gasto ideal de capital.

Basicamente, essa engenharia se destina em especializar-se em toda a cadeia de processos de transformação de matérias-prima em produtos acabados.

Se você se interessa por manufatura, torne-se um especialista Lean FM2S. O curso visa capacitar os participantes na aplicação da metodologia e ferramentas do Lean Manufacturing, a fim de que ele possa resolver problemas reais do dia-a-dia. Aproveite e saia na frente em uma das especializações mais requeridas no mercado da engenharia.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *