Ferramentas da Qualidade: conheça 10 ferramentas incríveis!

/ferramentas_da_qualidade/
24 de setembro de 2018
Última modificação: 24 de setembro de 2018

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Ferramentas da Qualidade

Ferramentas da Qualidade: Definições de Qualidade

Qualidade nos negócios

Todas as empresas trabalham em torno da qualidade. Seja para a venda de produtos ou serviços, a qualidade é onipresente. Nos negócios, a noção de qualidade vem do taylorismo, um movimento que defende a “melhor maneira de produzir”. As empresas querem produzir um produto ou serviço de qualidade e atende a demanda e necessidades dos consumidores. Em uma empresa, a gestão da qualidade diz respeito tanto à organização quanto à produção.

Dentro de uma empresa, o gerenciamento de qualidade tem vários componentes:

  • Abordagem de Qualidade 
  • Sistema de Qualidade 
  • Auditoria de Qualidade 
  • Controle de Qualidade 
  • Garantia de Qualidade 
  • Carta de Qualidade 

Gestão de qualidade

Qualidade externa

A chamada qualidade externa é a resposta às expectativas do cliente. É medido pela satisfação de clientes que consumiram o produto ou serviço vendido pela empresa.

Garantir a qualidade externa é vital para uma empresa. Isso permite:

  • construir fidelidade do cliente,
  • ser competitivo face à concorrência,
  • dominar o mercado em que opera.

Para melhorar a qualidade externa, vários métodos estão disponíveis para a empresa, a saber:

  • pesquisas,
  • o controle de qualidade 
  • a auditoria de qualidade 

Qualidade interna

Qualidade interna diz respeito à organização da empresa. Combina métodos para melhorar a produção, condições de trabalho e gestão de uma empresa.

Entre essas técnicas de qualidade, encontramos:

  • 5S 
  • Kaizen 
  • Círculo de Deming 
  • FMEA
  • Qualidade total 
  • Seis Sigma 

Ferramentas da Qualidade

Ferramentas da Qualidade pode ser considerado como qualquer técnica ou método usado para medir, definir, analisar e propor soluções para os problemas encontrados por uma pessoa ou empresa. Em outras palavras, se você quiser melhorar ou entender melhor sua situação, você pode usar uma dessas Ferramentas da Qualidade.

Veja também: 

A nossa apostila apresenta as ferramentas da qualidade, com exemplos de utilização e  pode ser baixada em:

ferramentas da qualidade

Confira abaixo as 10 principais Ferramentas de Qualidade 

1. Ciclo PDCA

O ciclo PDCA é um método para fazer alterações nos processos de trabalho e melhorar os padrões. As letras PDCA representam Plan, Do, Check e Act. O ciclo PDCA é empregado por pessoas em muitos níveis de uma organização. De muitas maneiras, o ciclo PDCA é uma ótima introdução à manufatura enxuta. Como todas as metodologias Lean, o ciclo PDCA leva a produção à eficiência e se esforça para melhorar os processos. Líderes o usam para melhorar e checar os procedimentos padrão de trabalho, as equipes podem usá-lo durante um evento kaizen para fazer mudanças, e os gerentes podem usá-lo após um passeio pelo gemba para tentar sugestões de melhoria.

Durante as 4 fases do ciclo PDCA, as pessoas fazem o seguinte:

  • Planejar: avalie o estado atual e procure melhorias. Se houver algum problema, examine-o em detalhes. Desenvolver possíveis soluções e meios de execução. Nesta fase, reúna o máximo de informações possível para tomar decisões informadas sobre como proceder.
  • Fazer: Experimente os planos, certificando-se de que todos os envolvidos entendam as mudanças. Esta fase de implementação é fundamental para obter resultados precisos.
  • Verificar: acompanhe para ver a eficácia das alterações. Passe algum tempo comparando o novo estado com a forma como as coisas eram anteriormente
  • Agir: Se as alterações funcionarem, continue a usá-las e torne-as o novo padrão. Este será o novo ponto de referência para futuros ciclos de PDCA.

O ciclo PDCA é contínuo. Isso significa que, quando estiver concluído, as pessoas podem começar a procurar outras soluções para implementar no futuro. Esta ferramenta é uma parte importante do kaizen (melhoria contínua), pois fornece uma estrutura para a realização de mudanças contínuas.

2. Diagrama de causa e efeito (Ishikawa)

A análise de causa e efeito oferece uma maneira útil de fazer isso. Esta técnica baseada em diagramas, que combina o Brainstorming com um tipo de mapa mental, leva você a considerar todas as possíveis causas de um problema, em vez de apenas as mais óbvias.

A análise de causas e efeitos foi concebida pelo professor Kaoru Ishikawa, pioneiro da gestão da qualidade, nos anos 60. A técnica foi então publicada em seu livro de 1990, “Introdução ao controle de qualidade”.

Os diagramas que você cria são conhecidos como Diagramas de Ishikawa ou Diagramas de Espinha de Peixe (porque um diagrama completo pode parecer o esqueleto de um peixe).

Embora tenha sido originalmente desenvolvido como uma ferramenta de controle de qualidade, você pode usar a técnica da mesma maneira que de outras maneiras. Por exemplo, você pode usá-lo para:

  • Descubra a causa raiz de um problema.
  • Descubra os gargalos em seus processos.
  • Identifique onde e porque um processo não está funcionando.
  • Envolve uma discussão aprofundada do problema que educa toda a equipe.
  • Ele prioriza análises adicionais e ajuda a tomar ações corretivas.

Essa ferramenta ajuda a remover a causa raiz do problema e a desenvolver um entendimento entre os membros da equipe. Atualmente, um diagrama de causa e efeito é usado em todos os setores, sejam eles manufatura, produção, marketing, gerenciamento de projetos etc.

3. Matriz GUT

A Matriz GUT, assim como Ishikawa, também é uma Ferramenta da Qualidade focada na priorização de problemas, mas a visão é um pouco diferente. Em vez de estudar as causas de um único problema, o GUT analisa vários problemas como

  •  Gravidade: Aborda o risco, dano ou prejuízo provocado pela situação. A gravidade está adstrita a intensidade ou impacto que a situação analisada pode ocasionar a empresa e continuidade das suas atividades. A mensuração da gravidade pode seguir o aspecto qualitativo ou quantitativo, bem como a sua gravidade para o negócio.
  • Urgência: borda o risco, dano ou prejuízo segundo o critério de tempo e os efeitos entre a sua ocorrência e a sua solução. Em termos mais simples, esse aspecto é analisado pela pressão que o tempo impõe, levando em consideração os prazos para a resolução do problema. Quanto maior a urgência na solução da questão dentro do contexto estudado, menor será o prazo disponível para a solução.
  • Tendência: Aborda o risco, dano ou prejuízo segundo a probabilidade da situação vir a se concretizar. Leva-se em conta o histórico pregresso para fixação do padrão e estudo da tendência de evolução futura. A pontuação da tendência de um problema acontece a partir da classificação de que ele irá piorar rapidamente, em médio prazo ou simplesmente continuará imutável sem importar o tempo.

4. Diagrama de Pareto (80/20)

Um diagrama de Pareto é um gráfico de barras simples que classifica medidas relacionadas em ordem decrescente de ocorrência. O princípio foi desenvolvido por Vilfredo Pareto, economista e sociólogo italiano que conduziu um estudo na Europa no início de 1900 sobre riqueza e pobreza. Ele descobriu que a riqueza estava concentrada nas mãos de poucos e a pobreza nas mãos de muitos. O princípio é baseado na distribuição desigual das coisas no universo. É a lei dos “poucos significativos versus os muitos triviais”.

Diagrama de Pareto é a Ferramenta da Qualidade mais interessante e você ainda pode usar várias outras em conjunto sem nenhum problema. Por exemplo, o Pareto assume que 80% das consequências são provenientes de 20% das causas. Em outras palavras, a maioria dos efeitos (80%) que podem ocorrer em sua organização provêm de 20% dos seus problemas.

Desta forma, vale a pena usar a matriz GUT em conjunto com o gráfico de Pareto para realmente tentar resolver o que realmente importa no seu negócio ou vida pessoal. 

5. 5W2H Planos de Ações

Em um universo dinâmico e extremamente competitivo, como negócios, tanto as atividades operacionais quanto as comunicações corporativas precisam ser rápidas e ágeis, erros na transmissão de determinadas informações podem gerar muitas perdas. E é exatamente por esse motivo que o método 5W2H foi criado, para garantir que não ocorram perdas. Esclarece completamente todas as questões possíveis que possam surgir sobre quaisquer processos de negócios envolvidos em uma empresa.

A sigla das Ferramentas da Qualidade, 5W2H, são as letras dos primeiros nomes das diretrizes usadas juntas no processo e estão descritas abaixo:

  • O que – o que?
  • Por que – por quê?
  • Onde – Onde?
  • Quando – quando?
  • Quem – quem?
  • Como – como?
  • Quanto – quanto?

6. Análise comparativa

Essa é uma das Ferramentas da Qualidade mais antigas que existe e pode ser colocada no Excel de uma maneira extremamente prática. O benchmarking é usado principalmente para procurar as melhores práticas em um setor ou setor. Quando ouvimos que nada é criado, tudo é copiado, podemos nos lembrar disso. Pensando em negócios, muitas empresas adotaram práticas vencedoras de outras indústrias para revolucionar seu próprio mercado. 

7. Brainstorming

O brainstorming é uma dinâmica de grupo que permite explorar melhor o potencial criativo de cada participante. Ele pressupõe que, quando você é impactado por outras ideias, comece a pensar em novas possibilidades para o que você pensou, o que aumenta exponencialmente a quantidade e a qualidade a que seria exposto. Mais uma vez, esta é uma ferramenta que pode e deve ser usada em conjunto com as outras já mencionadas neste artigo.

8. Modo de Falha e Análise de Efeitos (FMEA)

Essa ferramenta é um pouco mais específica e serve para aumentar a confiabilidade de um produto em um determinado momento. Isso porque, durante a aplicação do FMEA, o objetivo é estudar as possíveis falhas que podem ocorrer a qualquer momento no processo, desde a produção até a entrega ao cliente.

9. Processo e organograma

Esta pode ser uma das Ferramentas da Qualidade mais desclassificadas, pois é muito difícil criar um gerenciamento baseado em processos que seja constantemente monitorado. No final, uma empresa atinge uma capacidade de crescimento constante quando consegue dominar a realização dos principais processos de sua empresa.

10. 5S

Finalmente, a última ferramenta da Qualidade que vamos discutir é o 5S. Muitos vêem isso como uma das etapas iniciais na implementação da qualidade total em um negócio, porque não tem nada a ver com a organização.

Seu nome vem das iniciais japonesas de:

  • Seiri – Uso
  • Seiton – Organização / Ordem
  • Seiso – Limpeza
  • Seiketsu – Higiene / Saúde
  • Shitsuke – Disciplina / Autodisciplina

A seguir, outras Ferramentas da Qualidade que certamente irão te ajudar!

Se quiser se aprofundar mais no assunto, basta se inscrever no nosso curso as Ferramentas da Qualidade.

ferramentas da qualidade

Qual é a sua Ferramenta da Qualidade favorita?

 Escreva para nós! 🙂

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *