A estratégia criativa da Disney: imaginando e planejando

Estratégia Criativa da Disney
21 de abril de 2019
Última modificação: 21 de abril de 2019

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog

A estratégia criativa da Disney

Quando se trata de planejamento criativo, pode ser difícil encontrar o caminho certo para transformar o pensamento imaginativo em estratégia de negócios concreta. Você precisa sonhar alto para encontrar possíveis maneiras de resolver um problema específico. Ao mesmo tempo, você precisa ser capaz de se concentrar nos detalhes necessários para colocar seu plano em ação com sucesso. É esse o objetivo da Estratégia Criativa da Disney.

Obter o equilíbrio certo entre esses dois aspectos é um desafio real, mas você pode aprender muito sobre como fazer exatamente isso com um homem, que não apenas dominou a técnica, mas a usou para criar um lendário império bilionário.

Quando você ouve o nome Walt Disney, o  que vem à sua mente? Para muitas pessoas, será o famoso rato animado que ele criou, e a alegria que ele trouxe para milhões de pessoas por meio de seus filmes. Mas muitos consideram que Walt Disney tenha sido tanto um gênio de negócios quanto um criativo. Uma inspeção mais detalhada mostra que muito de seu sucesso foi graças a uma abordagem muito específica para realizar seus sonhos.

Conhecida como a Estratégia Criativa da Disney, originalmente formulada por Robert Dilts. Um dos objetivos é modelar as estratégias de pensamento das pessoas bem-sucedidas. Dilts definiu essa estratégia específica depois de analisar os métodos da Disney para transformar seus sonhos em realidade. Ele detalha a estratégia em seu livro, ” Strategies of Genius: Volume One “, publicado em 1995.

Neste artigo, explicaremos a estratégia criativa da Disney e mostraremos como você pode usá-la para realizar suas próprias ideias.

A estratégia criativa da Disney

A estratégia criativa da Disney é uma ferramenta para o brainstorming e o desenvolvimento de ideias. Envolve o uso de três papéis sequenciais, ou processos de pensamento, ou seja, o Sonhador, o Realista e o Crítico.

Ao imaginar e desenvolver suas ideias, você passa de um papel para outro, colocando-se nessas diferentes mentalidades, para poder analisar melhor o que está fazendo.

Abaixo estão os elementos essenciais associados a cada função:

  1. O sonhador

    Assumindo o papel de Sonhador nesta primeira fase, você e seu grupo se concentram na livre associação e no brainstorming de ideias. Vale tudo aqui. É a sua chance de deixar sua imaginação correr solta!

  2. O realista

    Em seguida, é hora de ser realista e decidir quais de suas ideias são realmente possíveis ou práticas. O que você precisaria fazer no mundo real para fazê-los acontecer?

  3. O crítico

    Aqui você precisa examinar sua proposta escolhida e suas implicações no mundo real de um ponto de vista mais crítico. Você quer ter certeza de que seu plano é tão abrangente quanto possível. Cada detalhe precisa ser examinado e refinado.

Um planejamento sólido requer que os inovadores assumam as três funções e trabalhem por elas em ordem. Alguns membros da sua equipe podem estar mais naturalmente dispostos a uma ou outra função, e você precisa garantir que equilibra o processo para que todas as funções sejam usadas. A falta de ênfase na fase Crítica pode significar que você produz propostas irreais que estão fadadas ao fracasso. Da mesma forma, se você pular o estágio Sonhador, seus planos podem não ter a imaginação necessária para a verdadeira inovação acontecer.

É provável que você só seja realmente bem-sucedido em seu planejamento ao trabalhar com todos os três papéis na sequência correta.

Como usar a ferramenta criativa da Disney?

Então, como você realmente usa a estratégia criativa da Disney?

Etapa 1: criar espaço

Se você tiver espaço, pode ser útil usar uma sala ou espaço diferente para cada fase. Isso ajudará você e sua equipe a mudar de mentalidade e passar para cada função diferente. E também é vital que alguém esteja encarregado de documentar cada estágio.

Passo 2: Entre no Sonhador

Depois de reunir sua equipe, certifique-se de que todos estejam certos de que você está começando com o papel de O Sonhador. Cada pessoa deve se sentir livre para debater trocar ideias durante esse tempo. Não introduza nenhuma limitação aqui. Evite mencionar orçamentos, prazos ou regras. Se você e sua equipe pudessem fazer algo com esse projeto, o que você mais gostaria de fazer? Quais ideias realmente te excitam?

Etapa 3: Transição para o realista

Uma vez que você tenha dado a todos muito tempo para debater ideias, é hora de mudar para o papel do Realista.

Nesta fase você vai refinar e ajustar suas idéias para torná-las mais concretas. É nesse momento que sua equipe se concentra em agir: planejar, programar e avaliar a ideia ou as ideias que acharem mais promissoras.

Etapa 4: Transição para o crítico

Nesta última fase, você e sua equipe devem analisar suas ideias de um ponto de vista crítico. Você precisa questionar e testar cada passo do processo, fingindo que é um “pessimista” e tentando encontrar falhas em qualquer proposta. Seu objetivo é criticar e refinar seu plano até que ele seja o melhor possível.

Certifique-se de que você tenha tempo suficiente em cada estágio para que as ideias se desenvolvam completamente. Mover-se de uma fase para outra rapidamente pode sufocar a imaginação das pessoas.

Dica:

Também é especialmente importante que, durante a fase Crítica, você e sua equipe lembre-se de criticar o plano em si, e não a pessoa ou as pessoas que vêm com as ideias!

Exemplo: Estratégia Criativa da Disney em Ação

Diane Austin trabalha para uma organização jovem. A empresa vem crescendo rapidamente desde que foi fundada há apenas cinco anos e agora tem mais de 100 funcionários.

O problema, como ela vê, é que não existe um sistema que permita a todos compartilhar seu know-how. Ela está interessada em introduzir a gestão do conhecimento em sua empresa, pois acredita que isso pode aumentar significativamente a retenção e a receita a longo prazo. Ela precisa criar e implementar um sistema amigável para compartilhar e disseminar esse conhecimento coletivo.

Diane decide experimentar a estratégia criativa da Disney com sua equipe, a fim de criar um sistema que funcione para todos. Com a aprovação de seu chefe, ela pode usar três salas de conferência diferentes para as reuniões iniciais.

Ela explica à sua equipe exatamente como ela vai estruturar as reuniões. E durante o primeiro, a equipe entra no papel de The Dreamer. Diane atua como moderadora, documentando ideias e orientando a discussão. Ela escreve todas as sugestões e incentiva todos a participarem. Nenhuma ideia é considerada exagerada ou irreal neste estágio, e sua equipe realmente se empolga com a capacidade de gritar tudo o que puder.

Após um intervalo de 15 minutos, a equipe se muda para a próxima sala, onde é instruída a assumir o papel de The Realist. É hora de considerar como as idéias que elas trouxeram durante a primeira fase são na realidade. Estes incluíram a criação de uma nova parte da intranet da empresa para armazenar informações relevantes; sessões de “almoçar e aprender”; a nomeação de um defensor do conhecimento, que passaria tempo realizando discussões em grupo para identificar conhecimentos que poderiam ser compartilhados de maneira útil; e a criação de um sistema de “amigos do conhecimento” em equipe.

Considerando essas quatro propostas como as mais sólidas e práticas, elas criam um plano básico para a realização de cada ideia. Neste ponto, eles decidem descartar a idéia do conhecimento como muito caro, e depende demais de uma pessoa do que de um esforço coletivo mais sustentável. Planos de implementação passo a passo são criados para as três ideias restantes.

Diane dá ao grupo outra pausa de 15 minutos, e então eles vão para a terceira sala de conferência para assumir o papel de The Critic. Aqui, ela e o grupo olham para cada plano do ponto de vista de um estranho cético. Cada passo é analisado, separado e refinado.

Como resultado, Diane e sua equipe são capazes de apresentar um plano sólido e bem pensado para a introdução de um sistema de gestão do conhecimento na organização.

Dicas:

As etapas apresentadas aqui são semelhantes a várias outras abordagens para a solução criativa de problemas. Veja nossa Introdução à Solução de Problemas nossos artigos sobre Simplex seis chapéus de pensamento para mais.

Pontos chave

Equilibrar os papéis conflitantes de Sonhador, Realista e Crítico pode ser um desafio para as equipes. Todos os três elementos são necessários para o planejamento bem-sucedido do projeto, mas eles precisam ser abordados na ordem correta. As equipes podem facilmente cair na armadilha de tentar fazer todas as três ao mesmo tempo!

Ao usar a estratégia criativa da Disney, você pode separar claramente esses papéis e dedicar tempo a cada um deles. Quando cada função é definida e definida, as equipes podem se concentrar em realizar uma tarefa por vez. Isso aumentará muito as chances de seu planejamento ser realista, inovador e bem-sucedido.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =