ESG: por que é importante no mundo dos negócios?

ESG
25 de outubro de 2021
Última modificação: 25 de outubro de 2021

Autor: Carolina Firmino
Categorias: News

A sigla ESG significa, em inglês, environmental, social and governance, o que, em português, quer dizer ambiental, social e governança. Se você já tinha ouvido falar sobre esse conceito deve saber que, resumidamente e na prática, ele representa três critérios que permitem medir impactos sociais e ambientais de qualquer investimento em uma empresa.

Mas, se essa é uma novidade, saiba que, durante o último ano, no período de pandemia, a busca pelo tema aumentou. Principalmente, porque organizações que se apoiam em tais pilares conseguiram se desenvolver melhor nesse momento de crise do que aquelas que não se baseavam nas mesmas métricas.

O que é ESG?

Por mais que a popularização do termo tenha acontecido recentemente, o olhar para empresas que fazem escolhas mais cuidadosas e se preocupam com uma cadeia de produção mais sustentável começou a emergir entre os anos 1970 e 1980.

O termo Socially Responsible Investing (SRI) que, em português, significa investimento sustentável responsável, surgiu quando fundos de investimento incluíram critérios que vão além dos números para avaliar onde gostariam de colocar o seu dinheiro.

E essas questões não diziam respeito apenas a debates sobre proteção do meu ambiente, mas envolviam escolhas sociais: muitos deixaram de aplicar o seu capital em empresas que mantinham negócios na África do Sul, em função do Apartheid, por exemplo.

A sigla ESG, por sua vez, é resultado de uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) e surgiu em 2005, a partir do relatório “Who cares wins” ou, traduzindo, “Ganha quem se importa”. Nessa iniciativa, instituições financeiras se reuniram para definir diretrizes que considerassem aspectos de preservação do meio ambiente, demandas sociais e de governança nos investimentos.

Então, os critérios ESG começaram a servir de incentivo para que donos de negócios, em geral, procurassem maneiras de aprimorar sua performance, sem que isso estivesse diretamente ligado a vendas e aumento de capital – mas sendo algo possível de acontecer!

Quais os pilares do ESG?

Environmental, social and governance: o que, especificamente, cada letra da sigla quer dizer? A letra E está diretamente ligada ao que a empresa faz pensando no meio ambiente. Como é sua atuação em relação à emissão de gás carbônico?

Ela se preocupa com o desmatamento e leva isso para a cadeia de produção de seu negócio? Os protocolos para economia de água são seguidos? Essas e outras perguntas dizem respeito ao aspecto ambiental. 

A letra S trata de como a organização lida com as pessoas que fazem parte dela e com a comunidade existente ao seu redor. Isso leva em conta desde proteger dados dos clientes, até priorizar contratações baseadas em diversidade de gênero, racial, socioeconômica e mais. Outro ponto importante aqui é o respeito às leis trabalhistas e o cumprimento de contratos e acordos. 

O G, de governança, que significa o modo como uma empresa “acontece” – ou seja, sua organização, administração, conduta corporativa – vai olhar para políticas internas, estabelecimento de regras, práticas éticas e anticorrupção etc.

ESG e ISO 14001

Projetada para ajudar as empresas a adequar responsabilidades ambientais aos seus processos internos e a continuar sendo bem-sucedidas, a ISO 14001 determina que o objetivo da norma é “prover às organizações uma estrutura para a proteção do meio ambiente e possibilitar uma resposta às mudanças das condições ambientais em equilíbrio com as necessidades econômicas”. Ou seja, é possível dizer que a ISO 14001 e a ESG estão conectadas, já que a primeira faz justamente o papel de certificar que algumas das intenções da segunda sejam contempladas. 

Se você quer saber mais sobre a ISO14001, pode acessar o curso da FM2S, que contextualiza e apresenta conceitos sobre a norma, além de mostrar suas aplicações estratégicas e cases de implementação na prática.

curso introdução normas iso

Na prática, como funciona?

O Pacto Global é um chamado da ONU para que empresas alinhassem suas estratégias e operações a 10 princípios universais nas áreas de Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção e desenvolvessem ações a fim de contribuir com o enfrentamento dos desafios da sociedade. Esse é um exemplo de como o ESG pode mexer com grandes corporações e fazê-las aderir a movimentos globais. No entanto, pensando no dia a dia, na prática, alguns caminhos mais palpáveis podem ser seguidos:

Environmental (ambiental)

  • Proteger a biodiversidade
  • Buscar e adotar medidas de eficiência energética
  • Combater e evitar a poluição do ar e lençóis freáticos
  • Praticar os três R: reduzir, reutilizar e reciclar
  • Cortar desperdícios
  • Investir em métodos que ajudem na redução da emissão de gás carbônico
  • Fazer o descarte correto do lixo orgânico e reciclável

Social

  • Garantir o cumprimento de leis trabalhistas
  • Montar times com diversidade
  • Permitir que mulheres conciliem carreira e maternidade
  • Contribuir com a comunidade local
  • Realizar trabalhos voluntários
  • Consolidar um ambiente seguro de trabalho
  • Promover treinamentos sobre preservação do meio ambiente
  • Valorizar a empatia nas relações de trabalho

Governance (governança)

  • Realizar reuniões periódicas para alinhar os objetivos
  • Combater crimes, corrupção e boicote às leis dentro da empresa
  • Priorizar um ambiente de transparência e sinceridade com todos os colaboradores
  • Fazer auditorias recorrentes
  • Buscar certificações internacionais

O que é investimento ESG?

Se você é alguém que gosta de investir de maneira sustentável, o investimento ESG é a melhor opção. Assim, antes de decidir para onde vai o seu dinheiro, é possível fazer a análise dos critérios de sustentabilidade de uma empresa.

Ao escolher um fundo ESG, portanto, os recursos de vários cotistas são direcionados para negócios sustentáveis,  que se adapta às novas necessidades e se compromete com a melhoria socioeconômica e ambiental.

Essa modalidade de investimento está em ascensão no Brasil e no mundo, sendo que, em 2020, o total aplicado chegou a 250 bilhões de dólares. Por aqui, o desenvolvimento dessas carteiras está acontecendo mais devagar, mas, é importante destacar que essa é uma tendência global. 

Em uma sociedade cada vez mais preocupada com o meio ambiente, que valoriza empresas sustentáveis e se organiza para atender às demandas humanas de dentro e fora da instituição, investidores e fundos de investimento passaram a olhar para critérios que antes não eram prioridade – como sustentabilidade e governança corporativa.

Leia mais no blog

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *