Entrevista: ex-aluno FM2S aborda a importância da Gestão de Processos

Gestão de Processos
20 de outubro de 2021
Última modificação: 20 de outubro de 2021

Autor: Jessica Mobilio
Categorias: Cases

Ter uma gestão de processos bem estruturada ainda é um desafio para qualquer porte de empresa. É preciso ter em mente que todos os setores devem estar alinhados desde o planejamento estratégico do negócio até a entrega do produto final.

Quando falamos sobre isso, às vezes, esquecemos de mencionar a importância de elencar os procedimentos necessários para atingir determinado objetivo.

A seguir, você encontrará os destaques de uma entrevista realizada com o ex-aluno, Luiz Braghetti, Master Black Belt pela FM2S. Ele exemplificará como implantou processos em uma área corporativa que atuava, além das dificuldades durante todo o percurso e os resultados obtidos.

O que é Gestão de Processos?

  • É gerenciar um negócio por meio do controle de processos, ou seja, sob a perspectiva da visão sistêmica da organização;
  • Equilibrar e promover o alto desempenho de todos os processos e a interação entre eles;
  • Isso pode ocorrer a partir de estratégicas como: projetar e implementar arquiteturas de processos e estabelecer sistemas de medição que se alinham com os objetivos organizacionais.

Entrevista FM2S

“Obrigado pelo convite, Virgílio. Você que foi meu professor e tutor, sempre deu força nesse caminho da melhoria (…) desde que entrei na Engenharia, a minha vontade sempre foi trabalhar com melhoria de processos, Lean Six Sigma e entender aquela simplicidade que os livros da Toyota passam para nós, mas que na realidade é completamente diferente.”, reforçou Luiz.

A seguir, A conversa foi realizada pelo cofundador e CEO da FM2S, Virgilio F. M. dos Santos. Atenção: destacamos Luiz Braghetti (LB) e Virgilio (V).

Como foi seu primeiro contato com a gestão de processos?

LB: “Inicialmente entrei numa farmacêutica americana onde o Lean é tão forte quanto a Toyota, claro que com as devidas mudanças em seus processos. Fiquei um bom tempo lá e depois tive a oportunidade de entrar numa multinacional.

E lá, trabalhei na área corporativa. Toda a parte do controle do mindset do negócio, focado na área de melhoria de processos e no Lean. Nessa empresa, fiz alguns treinamentos e viagens para França, Inglaterra, África do Sul, e tive a oportunidade de aplicar conceitos que aprendi na universidade e em cursos paralelos como Green Belt, Lean, Black Belt… quase um MBA prático.”

Quais dificuldades enfrentou para implantar a gestão?

LB: “Nós que somos industriais, muito mais da área de shop floor, de produção , levamos muito em consideração a nossa realidade e necessidades, e deixamos de lado um pouco o pessoal do comercial.

Que sempre tem o mesmo problema: precisa vender muito e quando vende muito, o nosso lead time aumenta, e isso aumenta também a demanda sem previsão tão concreta de recursos, e aí quando eles deixam de vender, a gente aumenta demais a nossa capacidade e o inventário e isso vira um bolo.

Isso me trouxe uma bagagem de entender a realidade deles. Enfim, todas essas experiências ajudam a entender e aplicar a gestão de processos. Saber por onde começar e quais as necessidades, até chegar a função de coordenador de Supply Chain para 2 países.”

Como identificou os problemas?

V: “Lembro quando você assumiu a operação e me ligou. Eu disse: vamos focar no que é básico e no que é importante na teoria. Aplicar a gestão de processos para resolver o problema, e eu queria que você comentasse quando começou a fazer as rondas pela fábrica. Como foi lidar com isso?”

LB: “Como uma pessoa muito focado em melhoria de processos, nunca fui o especialista em máquina ou no produto. Sempre fui de gerir independentemente de onde era, a área sempre foi relacionada a processos.

Então, a primeira coisa era entender qual era o termômetro do negócio. Ok, vamos montar uma planta ou pegar uma área do zero. Normalmente, você tem uma mudança porque os indicadores-chave que são os termômetros das áreas e da empresa em si não vão bem e estão no vermelho ou amarelo.

Entender quais eram os indicadores globais da companhia para medir seus resultados e baseado nisso entender o que cada área fazia. Uma coisa é você cuidar de projetos, outra coisa é cuidar de Supply Chain, e outra coisa é cuidar de operações (hoje é basicamente tudo, menos financeiro e comercial).

Então aí entra as áreas de meio ambiente, saúde, segurança que eu particularmente não tinha conhecimento. Tem muita legislação, tinha a área de melhoria de processos que já era conhecida por mim, qualidade, produção, planejamento, trade, compliance, importação, exportação.”

mapeamento de processos

Quais as principais lições durante essa jornada de melhoria?

LB: “A primeira grande lição é quebrar o elefante em vários pedacinhos. E quebrar por prioridades. Se a área de logística precisa despachar 10 materiais para o cliente A e ela está despachando 5, e desses 5 ela mandou banana ao invés de abacaxi, esse é um problema gravíssimo porque impacta cliente e é ele quem impõe receita.

Se você não cuida do seu cliente internamente, desde a hora que caiu o pedido em Customer Service até o despacho final em logística, quem sofre vai ser o comercial e consequentemente toda a planta.

A gestão de processos é para qualquer porte de empresa. Já fiz Gestão de Processos em grandes empresas como a farmacêutica escocesa que trabalhei, assim como em uma loja de utensílios gerais em Ubatuba na praia.

O que depende é se você quer fazer. Dá para ser feito, mas obviamente precisa ser estruturado. Então, qual é a sua prioridade, ajustar a produção? Se sim, o foco deve ser esse. Quais são os drives da produção? É OEE? O que está ruim?”

Com a sua bagagem, quais os ensinamentos sobre a gestão de processos até agora?

LB: “Simples é diferente de fácil. Sempre disse para o meu time: não vamos tentar enfeitar. E sim pegar a literatura e tentar traduzir da forma mais simples e reta possível.

Mesmo que o profissional de gestão de processos seja visto como um vetor de mudança, é complicado implantar na prática até mesmo por resistência de quem já está inserido. Por isso, é preciso ser resiliente e saber ouvir não, sabendo resistir. Criar fórmulas de como alcançar o que almeja e focar.”

Assista a entrevista na íntegra

Curso Gestão de Processos FM2S

FM2S tem o curso Gestão de Processos, que poder contribuir para aumentar o desempenho dos seus negócios e, ao mesmo tempo, ajudar você a tirar o máximo proveito dos recursos disponíveis, com processos claros e bem definidos. Ao final do curso você irá:

  • Desenvolver a cultura de gestão de processos na sua empresa;
  • Mapear processos de alta complexidade;
  • Elaborar a descrição de um processos, bem como extrair sua missão e seu nível de prioridade;
  • Construir plano de ação para melhoria dos processos;
  • Convencer os colaboradores a trabalharem dentro dos procedimentos, por meio de técnicas de motivação e influência;
  • Influenciar a liderança na adoção da gestão de processos.

Leia mais no blog

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *