O que é o Pensamento Divergente no Design Thinking

12 de julho de 2017
Última modificação: 12 de julho de 2017

Autor: Virgilio F. M. dos Santos
Categorias: Design Thinking

O que é o Pensamento Divergente no Design Thinking?

A técnica do Pensamento Divergente é uma das ferramentas centrais de quem pratica o Design Thinking. Consiste
em testar diferentes opções, para multiplicar as opções de escolhas. Ao testar ideias concorrentes, comparando-as umas com as outras, são maiores as chances de o resultado ser mais ousado, mais criativo, e mais atraente. Entretanto, mais escolhas implicam mais complexidade.

O Pensamento Divergente pode se tratar de diferentes insights sobre o comportamento do consumidor, visões alternativas de novas ofertas de produtos, ou escolhas entre formas alternativas de se criar experiências interativas.

Como o Design Thinker utiliza o Pensamento Divergente em projetos?

Assim como o método Getting Things Done, para Gestão do Tempo, o Design Thinking também pode ser utilizado como uma poderosa ferramenta de gerenciamento de projetos e, neste contexto, o Pensamento Divergente será uma das principais ferramentas de Design Thinking empregadas.

Resultado de imagem para design thinking diverge convergeO design thinker separa um projeto em uma fase divergente, na qual surgem novas opções, e uma fase convergente, na qual opções são eliminadas e são feitas escolhas. Após realizar a coleta de dados, ele procede à análise, para identificação de padrões significativos, e então à síntese, o ato coletivo de juntar as partes para criar ideias complexas.

O período de síntese pode ter longa duração – horas, dias, semanas ou mais – e consiste em começar a se organizar, interpretar e montar os vários conjuntos de dados de modo a formar uma história coerente.Neste contexto, o design thinker é um talentoso “contador de histórias” – um storyteller – cuja habilidade é mensurada por sua capacidade de elaborar uma narrativa cativante, coerente e verossímil.

Por também ser uma das ferramentas centrais do Design Thinking, dedicaremos artigos apenas para discutir o que é e como aplicar o storytelling.

No que exatamente consiste o Pensamento Divergente?

O pensamento divergente consiste na realização de perguntas de alto nível, ou seja, perguntas mais genéricas, realizadas com a finalidade de criar conceitos em cima dos quais os componentes convergentes possam agir.

Em um projeto, como é preciso iniciar a etapa do Pensamento Divergente?

O Pensamento Divergente é, por definição, uma etapa de construção de conceitos, de modo que é iniciada logo ao começo de um projeto.

Tudo começa quando o cliente realiza a definição do problema, isto é, o cliente explicita seus objetivos. O design thinker,então, começa a realizar uma série de perguntas para entender o que o cliente realmente deseja – é comum o problema estar mal formulado.

Existem perguntas comuns para a etapa divergente, que possam ser utilizadas para guiar uma pessoa inexperiente no Design Thinking?

Com certeza, existem algumas perguntas de tipo relativamente padronizada, que são utilizadas de forma corriqueira
por profissionais mais experientes no método. Algumas delas, para servirem de exemplo e começarem a ajudá-lo já no seu próximo projeto são dadas a seguir. Não hesite em fazer estes questionamentos ao seu cliente, pois eles são essenciais para a verificação de se o problema está ou não bem formulado. Além disso, elas ajudarão a você compreender o problema em maior profundidade:

  • O que você considera um produto/processo seguro?
  • O que você considera um produto/processo barato?
  • Qual você considera que seja o melhor produto/processo no mercado? Descreva-o.

Existe algum pré-requisito que a organização deva atender, para que o Pensamento Divergente possa ser aplicado de forma correta?

Man Wearing Black and White Stripe Shirt Looking at White Printer Papers on the WallNão só é necessário iniciar um processo gradual de mudança das estruturas da organização, como também é preciso provocar mudanças nas pessoas que compõem a organização.

O pensamento divergente exige que se deixe de lado vários modelos mentais tradicionais, em busca de ideias inovadoras, e isto pode se tornar extremamente desafiador, principalmente para especialistas. Isto se deve ao fato de que especialistas precisam se apoiar em sólidos conhecimentos técnicos e formais, o que pode tornar ainda mais difícil a eles o processo de questionar seus próprios conhecimentos.

Desafiar os pressupostos e o senso comum – pensar de forma divergente – é especialmente difícil, pois dependemos da construção de padrões e modelos mentais para não precisar aprender todas as tarefas novamente a cada vez que formos repetir uma ação. Nós dependemos de realizar vários processos de uma forma mais ou menos inconsciente no dia-a-dia, por exemplo nos atos de acordar de manhã, dar uma caminhada, comer, ler, e também para várias atividades de rotina, tanto do trabalho quanto da vida privada.

E o que são exatamente estes modelos mentais?

Modelos mentais de pensamento são estruturas formadas a partir de padrões, atividades repetitivas diárias e conhecimentos que utilizamos de forma rotineira, e são, portanto, as estruturas de pensamento que tornam possível a realização de várias atividades simultâneas (é a famosa expressão “fazer coisas em automático“), sem que seja preciso aprender tudo novamente, a cada vez que forem realizadas as ações.

Por ser um assunto muito importante e complexo, recomendo que, para entender mais sobre os modelos mentais, sua estrutura e como moldá-los, você confira nosso curso totalmente gratuito e certificado sobre Como Treinar Seus Colaboradores, baseado nos modernos princípios de Andragogia, a educação para adultos: https://ead.fm2s.com.br/curso/como-treinar-pessoas. O que é um modelo mental é um tópico central deste curso.

Qual a diferença entre o Design Thinking e o tema abordado no curso Criatividade?

O Design Thinking é uma metodologia poderosa para gerar inovações, e possui todo um conjunto de ferramentas. O
Pensamento Divergente é uma das principais destas ferramentas, e ele consiste, como vimos, em gerar novas ideias, em analisar os problemas por novas perspectivas, de modo a expandir o leque de possibilidades de escolhas.

Enquanto isso, o assunto abordado em nosso curso de Criatividade é sobre quais são as técnicas de criatividade, sendo abordados alguns métodos como o TRIZ, o Ingenious e a técnica do Pensamento Lateral. Assim, aplicar as técnicas de criatividade é uma forma mais simples e mais metódica de gerar ideias na fase de pensamento divergente.

Se interessou pelo tema?

Preparamos um treinamento completo na metodologia Design Thinking, com diversos exemplos práticos, estudos de caso reais, e dinâmicas que permitirão a você entender como funciona a metodologia. Você será apresentado a todo a formação teórica necessária, ao conjunto de ferramentas e a como aplicar tais ferramentas.

Caso tenha se interessado, ou tenha alguma dúvida sobre a melhoria contínua ou sobre o Design Thinking, que gostaria de ver abordada em uma postagem, não deixe de escrever: marco@fm2s.com.br

Nosso curso ocorrerá primeiramente de forma presencial, em Campinas, e em seguida será disponibilizado no ambiente EAD!

Até a próxima!

FM2S:

Aprenda, aplique, destaque-se!

por: Marco César Prado Soares – consultor associado FM2S e instrutor dos cursos EAD Lean Logistics, Excel e Gestão do Tempo

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *