Jidoka: o que é e como essa ferramenta Lean poderá ajudar?

jidoka
08 de junho de 2017
Última modificação: 28 de julho de 2021

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Melhoria de Processos

O que é Jidoka?

Fornecer para máquinas e operadores a capacidade de detectar quando uma condição anormal ocorreu e imediatamente parar o trabalho. Isso permite que as operações criem qualidade em cada processo e separem homens e máquinas para um trabalho mais eficiente. O Jidoka é um dos dois pilares do Toyota Production System, junto com just-in-time.

Jidoka destaca as causas dos problemas porque o trabalho para imediatamente quando ocorre um problema. Isso leva a melhorias nos processos que adquirem qualidade ao eliminar as causas raiz de defeitos.

Jidoka às vezes é chamado de autonomização, o que significa automação com inteligência humana. Isso ocorre porque dá aos equipamentos a habilidade de distinguir boas peças de ruins de forma autônoma, sem serem monitorados por um operador. Isso elimina a necessidade dos operadores observarem continuamente as máquinas e, por sua vez, gerarem grandes ganhos de produtividade, porque um operador pode lidar com várias máquinas, muitas vezes chamadas de multiprocessamento.

O conceito de jidoka se originou no início dos anos 1900, quando Sakichi Toyoda, fundador do Grupo Toyota, inventou um tear têxtil que parou automaticamente quando alguma linha quebrava. Anteriormente, se um fio quebrasse o tear ira espalhar montes de tecido defeituosos, então cada máquina precisava ser assistida por um operador. A inovação de Toyoda permite que um operador controle muitas máquinas. Em japonês, jidoka é uma palavra criada pela Toyota e pronunciada exatamente (e escrita em kanji quase o mesmo) como a palavra japonesa para automação, mas com as conotações adicionadas de humanística e criação de valor.

Por que o Jidoka é um pilar muitas vezes esquecido?

Jidoka é o pilar frequentemente esquecido do sistema de produção Toyota e fabricação enxuta, mas é um dos princípios mais importantes de lean que podem ajudá-lo a alcançar a verdadeira excelência. Jidoka é sobre qualidade na fonte, ou construído em qualidade. Nenhuma empresa pode sobreviver sem uma excelente qualidade de produto e serviço e o jidoka é a rota por meio da qual isso é alcançado.

O termo jidoka usado no TPS (Toyota Production System) pode ser definido como “automação com toque humano”. A palavra jidoka tem suas raízes no tear automático, criado por Sakichi Toyoda, fundador do Grupo Toyota. O tear automático é uma máquina que gira linha para pano e tece têxteis automaticamente.

Antes que os dispositivos automatizados fossem comuns, os teares de tiras traseiras, os teares à terra e os teares de alta urdidura eram usados para tecer manualmente o pano. Em 1896, Sakichi Toyoda inventou o primeiro tear autônomo do Japão chamado “Toyoda Power Loom”. Posteriormente, ele incorporou inúmeras invenções revolucionárias em seus teares, incluindo o dispositivo de parada automática de quebra de trama (que parou automaticamente o tear quando uma quebra de fio erai detectada), o dispositivo de alimentação de urdidura e o trocador de transporte automático. Então, em 1924, Sakichi inventou o primeiro tear automático do mundo, denominado “Tear Loom Toyoda Tipo-G” (com movimento de mudança de transporte sem parar) que poderia mudar os passeios sem interromper a operação.

O termo Toyota “jido” é aplicado a uma máquina com um dispositivo interno para fazer julgamentos, enquanto o termo japonês regular “jido” (automação) é simplesmente aplicado a uma máquina que se move por conta própria. Jidoka refere-se à “automação com toque humano”, ao contrário de uma máquina que simplesmente se move sob o monitoramento e supervisão de um operador.

Como surgiu o jidoka?

Como o tear parou quando surgiu um problema, nenhum produto defeituoso foi produzido. Isso significava que um único operador poderia ser encarregado de inúmeros teares, resultando em uma tremenda melhoria na produtividade.

Inicialmente, Jidoka começou sua vida com a invenção por Sakichi Toyoda em 1896 de um dispositivo simples que poderia parar o tear automático se o fio falhasse. Isso significava que impedia a máquina de não apenas criar defeitos, mas também alertava o operador para um problema, o que significava que um operador agora poderia operar vários teares em vez de ficar parado observando apenas um caso ocorresse algo errado. Este princípio tornou-se conhecido como Autonomação ou automação com um toque humano.

A venda da patente para esta invenção a uma usina do Reino Unido forneceu o financiamento, para a criação do novo negócio da família Toyoda, a Toyota. Mas os princípios que foram aplicados às máquinas com autonomia logo foram aplicados a todo o processo por Taiichi Ohno.

Quais os princípios do Jidoka?

Os princípios do Jidoka podem ser divididos em alguns passos simples:

  • Descubra uma anormalidade
  • PARE
  • Corrigir o problema imediato
  • Investigue e corrija a causa raiz

 Este princípio não se limita a usar as máquinas por meio da autonomização. O jidoka é visível em quase todos os aspectos da fabricação e enxuta quando você começa a examiná-lo. Trata-se de construir a Qualidade em um processo ao invés de inspecioná-lo apenas ao final do processo, a inspeção ainda tem um lugar mesmo na Toyota, e apesar do que as pessoas pensam ainda pode ser uma maneira poderosa de prevenir defeitos que chegam ao cliente.

Qual é a linha de parada do Jidoka?

Eles descobrem uma anormalidade, é assim que os defeitos e os problemas são destacados e as ações são tomadas. Este é um passo que muitas empresas ocidentais não conseguem fazer, pois temem uma perda de produtividade devido às linhas serem constantemente interrompidas por problemas “menores”.

Este medo, no entanto, mina uma das ferramentas mais importantes da Lean Manufacturing; Jidoka. E por meio do jidoka, não acabamos de interromper o processo, destacamos o problema, corrigimos e abordamos a causa raiz para evitar que o problema volte a ocorrer.

Assim, por meio de uma série de paradas de linha às vezes inicialmente dolorosas, começamos a remover problemas do nosso processo, dentro de um curto período de tempo. O número de paradas de linha começa a reduzir à medida que os problemas são removidos e a produtividade começa a melhorar à medida que as causas raiz dos problemas são removidas.

Em empresas como a parada de linha da Toyota é um modo de vida, se um operador detectar um problema, eles puxam um cabo ou pressionam um botão para parar a linha de produção no final desse ciclo de produção. Isso acende uma placa do Andon que alerta o líder da equipe ou o supervisor que se apressarão imediatamente para ajudar a resolver o problema. Se pode ser facilmente corrigido, então eles fazem isso e reiniciam a linha, caso contrário eles chamam o suporte necessário para resolver o problema.

Como o Jidoka resolve problemas?

Muitas máquinas produzidas hoje incorporaram ideais de autonomia no seu design, que são vistos agora como um senso comum, e com a tecnologia baratas e simples de incorporar em um design de máquinas. Onde tendemos a falhar, não está tendo o problema destacado, mas em tomar medidas para corrigir o problema e resolver a causa raiz. É importante que nós não só demos aos nossos operadores e funcionários de supervisão a autoridade e a responsabilidade de parar a produção quando eles encontrarem um problema, mas também treinamos todos em ferramentas adequadas de resolução de problemas para nos permitir remover a causa raiz do problema. Em seguida, precisamos garantir que qualquer documentação do processo seja atualizada para incorporar as mudanças e que comuniquemos essas mudanças em processos e produtos similares para difundir a aprendizagem.

Como o Jidoka se conecta ao Lean Manufacturing?

O primeiro passo de Jidoka é o de detectar uma anormalidade, de modo que, para a autonomia, a máquina usa sensores simples para detectar um problema e para, destacando os problemas para o operador. Para parar a linha, o operador detecta uma anormalidade e para a linha e destaca o problema para que todos vejam uma placa andon.

Outras ferramentas Lean usam vários aspectos do gerenciamento visual para destacar anormalidades, considere 5S. Nós identificamos os locais para ferramentas, componentes e trabalhos em andamento, se vemos coisas que não estão em seu lugar alocado, vimos uma anormalidade e devemos agir. Por que temos ferramentas perdidas? Por que ações adicionais estão sendo armazenadas onde não deveriam ser?

Outras ferramentas, como Kanban, também rapidamente ressaltarão os problemas, por que esses produtos foram movidos sem a autoridade Kanban?

Olhe para TPM (Total Productive Maintenance). Nela, substituímos as capas da máquina por capas transparentes que nos permitem ver quando temos problemas com mais clareza, usamos placas Kamishabi para agendar manutenção e outras tarefas, se as cartas não forem ativadas, podemos ver de relance que temos problemas.

Nossos números de realização diária exibidos no local de trabalho mostram quais são os objetivos de produção e a nossa realização atual, se não conhecemos o alvo por que não?

Lean confia os princípios do Jidoka nas várias ferramentas e nos leva a usar técnicas de gerenciamento visual para destacar sempre que ocorre uma anormalidade para que possamos agir. Como líderes de equipe, supervisores e gerentes precisamos manter nossos olhos abertos enquanto caminhamos pelo nosso local de trabalho para essas anormalidades e seguimos os princípios de Jidoka;

  • Descubra uma anormalidade
  • PARE
  • Corrigir o problema imediato
  • Investigue e corrija a causa raiz

E o que podemos concluir do Jidoka?

O Lean, tal qual falamos em nosso curso de Lean, é ótimo. Todos nossos Green Belts e Black Belts saem daqui levando uma baita bagagem desse tema. E aí? Você quer aprender mais? Quer entrar para o time?

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *