Fluxograma de Processo: O que é? Como funciona?

09 de janeiro de 2020
Última modificação: 09 de janeiro de 2020

Autor: Paula Louzada
Categorias: Blog

O que é um Fluxograma de Processo?

Um Fluxograma de Processo (PFD) tem como função ilustrar os relacionamentos entre os principais componentes de uma planta industrial. Embora seja mais usado em Engenharia Química e Engenharia de Processos, seus conceitos também podem ser aplicados a outros processos. Isso porque, no geral, ele é usado para documentar um processo, melhorá-lo ou modelar um novo. Dependendo de seu uso e conteúdo, aliás, pode ser chamado, além de Fluxograma do processo, de Fluxograma, Diagrama de fluxo de blocos, Diagrama de fluxo esquemático, Fluxograma de macro, Fluxograma de cima para baixo, Diagrama de tubulação e instrumento, Diagrama de fluxo do sistema ou Diagrama do sistema. Por fim, essa ferramenta usa uma série de símbolos e notações para representar um processo. Os símbolos podem variar de lugar e os diagramas, de rabiscos simples desenhados à mão ou notas autocolantes a diagramas de aparência profissional com detalhes expansíveis, produzidos com software.

História

Esse tipo de diagrama tem suas raízes na década de 1920. Em 1921, o engenheiro industrial e especialista em eficiência Frank Gilbreth apresentou o “fluxograma” à Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos (ASME). Nas décadas seguintes, o conceito se espalhou por toda a Engenharia Industrial, manufatura e até negócios, na forma de diagramas de processos de negócios; assim como no processamento de informações, na forma de diagramas de fluxo de dados e outros tipos de gráficos.

Objetivo e benefícios

Um fluxograma de processo tem vários propósitos, como:

  • Documentar um processo para melhor compreendê-lo, controle de qualidade, além de treinamento dos funcionários;
  • Padronizar um processo para obter eficiência e repetibilidade ideais;
  • Estudar um processo de eficiência e melhoria. Ajuda a mostrar etapas desnecessárias, gargalos e outras ineficiências;
  • Modelar um processo de forma melhorada ou criar um processo totalmente novo;
  • Comunicar e colaborar com diagramas que falam para várias funções na organização ou fora dela.

Símbolos e elementos do Fluxograma de Processo

Os símbolos PFD mais comuns em uso atualmente são provenientes de agências como a Organização Internacional de Padronização (ISO 10628 – Diagramas de fluxo para plantas de processo, regras gerais), o Instituto Alemão de Padronização (DIN) e o American National Standards Institute (ANSI). No entanto, muitas empresas usam seus próprios símbolos, que geralmente são semelhantes aos padronizados, mas variam à medida que se tornam mais detalhados.

Um PFD típico para um processo de unidade única incluirá estes elementos:

  • Equipamento principal: incluindo nomes e números de identificação. Exemplos incluem compressores, misturadores, vasos, bombas, caldeiras e refrigeradores;
  • Tubulação do processo: move o produto, geralmente fluidos, entre as peças do equipamento;
  • Direção do fluxo do processo;
  • Válvulas de controle e válvulas críticas ao processo;
  • Principais sistemas de derivação e recirculação;
  • Dados operacionais: como pressão, temperatura, densidade, vazão mássica e balanço de energia e massa. Os valores geralmente incluem mínimo, normal e máximo;
  • Composição de fluidos;
  • Nomes do fluxo de processo;
  • Conexões com outros sistemas.

O que excluir em um Fluxograma de Processo

Normalmente, estes itens mais detalhados são omitidos:

  • Classes de tubulação e números de linha de tubulação;
  • Instrumentos de controle de processo;
  • Valores mínimos de desvio;
  • Válvulas de isolamento e fechamento;
  • Aberturas e drenos de manutenção;
  • Válvulas de alívio e válvulas de segurança;
  • Informações da classe de código.

Outros tipos de Fluxograma de Processo

Quando o fluxograma precisa mostrar vários processos unitários em uma planta, ele se torna uma visão geral,  pois contém menos detalhes. Estes também são chamados de Diagramas de Fluxo de Bloco e Diagramas de Fluxo Esquemático. Cada bloco pode representar uma única peça de equipamento ou um estágio de um processo. Um retângulo é geralmente usado para mostrar uma peça de equipamento, enquanto etiquetas são usadas para ilustrar sua função. Aliás, o fluxo do processo geralmente é mostrado da esquerda para a direita e as setas mostram a direção do fluxo.

Por outro lado, um fluxograma de tubulação e instrumentos (P&ID) é mais técnico, descrevendo detalhes mecânicos para projetistas de tubulações, engenheiros elétricos, engenheiros de instrumentos e outros especialistas técnicos que precisam mais desse detalhe do que de detalhes do processo. Assim, os P&IDs consideram os aspectos conceituais de um PFD e adicionam detalhes sobre o equipamento, sequência do processo, tubulação de processo e utilidade, linhas de desvio, instrumentos, válvulas, respiradouros, drenos e outros itens.

Como pesquisar e planejar o fluxo do processo

  1. Defina o escopo do seu processo a ser estudado e o que você espera obter.
  2. Decida qual nível de detalhe é necessário para seus propósitos. Para um processo sofisticado, diferentes versões do diagrama podem ser desenhadas para se comunicar com pessoas em diferentes funções.
  3. Já para um processo avançado, como em uma planta industrial, a pesquisa pode ser feita através de uma equipe de projeto, grupo de controle de qualidade ou consultor. Enquanto para um processo menor e mais básico, você pode fazer isso sozinho, talvez até começando com notas adesivas.
  4. Estude o equipamento, atividades e relacionamentos através de observação e entrevistas. Se você estiver modelando um processo totalmente novo, estude os dados disponíveis, incluindo os padrões para o que estiver sendo produzido no processo.
  5. Desenhe um diagrama preliminar e confirme-o com as pessoas envolvidas no processo. Faça as alterações, adições ou exclusões necessárias em colaboração com eles.
  6. Agora, o (s) diagrama (s) pode ser usado para a finalidade pretendida de documentação, garantia de qualidade, melhoria ou qualquer outro objetivo que possa haver.

Dicas para fluxograma de processo

Esses diagramas podem ter muito valor, mesmo para um processo básico. Dessa forma, se você é novo nos PFDs, experimente-o, reunindo detalhes suficientes para o seu objetivo. Não se preocupe com o gráfico em primeiro lugar, pois nesse primeiro momento basta capturar as informações em notas adesivas ou folhas de papel.

Vá para um software de diagrama assim que tiver suas informações, sendo então possível destacar os dados ausentes no seu diagrama. Seja consistente com seus símbolos para evitar confusão. Ademais, lembre-se de quem é o seu público-alvo e escolha o que fizer mais sentido para dar-lhe o que ele precisa para o objetivo pretendido. Se você estiver usando um software de diagrama, ele incluirá um conjunto de símbolos a serem usados.

Vale destacar, além disso, que em um PFD sofisticado, pode ser necessário usar símbolos padrão, como ISO 10628, para comunicar e colaborar claramente com diversos públicos, como outras empresas ou agências. Por fim, para maior clareza, inclua uma legenda de símbolos em seu diagrama.

 

Se interessou pelo assunto? Quer decolar sua carreira?

Não deixe de conferir nosso Curso de Ferramentas da Qualidade, que aborda, juntamente com o Fluxograma,  SIPOC e Mapeamento de Processos.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =