Mapa mental: aprenda a dar forma às suas ideias

Mapa mental
24 de setembro de 2021
Última modificação: 29 de setembro de 2021

Autor: Victor Gabry
Categorias: Carreira, Design Thinking

Que a nossa cabeça funciona de jeitos misteriosos, você não precisa ler esse texto para saber. No entanto, nesses caminhos tortuosos é onde se escondem as melhores ideias. Por isso, o mapa mental é uma ferramenta indispensável para gestores.

O que é um mapa mental?

Mapa Mental é o termo patenteado por Tony Buzan referente a representações gráficas de associações de ideias. Embora rabiscar ideias possa parecer algo de uso comum, o mapa mental se vale de técnicas específicas para ativar a memória e reforçar relações traçadas no inconsciente.

Origem do mapa mental

Tony Buzan é reconhecidamente o autor do termo Mapa Mental (mind mapping em seus trabalhos originais), sobretudo em seu uso para o autoaprendizado e para a performance pessoal. Em 1996 lançou o livro “O Livro do Mapa Mental” e a partir daí suas ideias se popularizaram, com softwares e palestras se multiplicando.

Buzan desenvolveu a teoria aliando duas áreas: a psicologia da educação e o estudo de mentes brilhantes. O livro é resultado de estudos de figuras como Leonardo da Vinci e Albert Einstein, sobretudo de seus métodos de estudo. A partir dos cadernos de gênios e dos seus conhecimentos de técnicas de memorização, Buzan formulou o Mapa Mental.

Porque usar um mapa mental

O uso de mapas mentais facilita a visualização de relações, foca a equipe e centra os objetivos. Tudo que uma equipe funcional precisa. Um mapa mental funcionará como uma síntese objetiva e ao mesmo tempo dinâmica do conteúdo de uma reunião, palestra ou brainstorm.

Para um gestor, os benefícios são redobrados: um gestor que possa expressar as relações entre as áreas e atuações dessa forma consegue passar sua mensagem melhor para seus colaboradores. Um líder é aquele que te faz ver para onde ir, e um mapa mental será, bem… um mapa até lá.

Por mais que isso soe como algo fantasioso, o próprio mapa do tesouro, não precisa ser. A criatividade possui princípios e abordagens próprios, que você pode dominar. Para um líder ou gestor, poucas competências são mais necessárias do que essa.

Como fazer na prática

Um mapa mental será uma forma livre e flexível de expor seu raciocínio, mas possui método. Esse método dialoga diretamente com noções de Design Thinking, o que acaba aproximando muito das áreas criativas de qualquer negócio. 

Primeiro, precisamos determinar o tema do mapa mental: no universo dessa metodologia o termo correto é Pensamento Radiante. Ele tem esse nome pois as demais noções “irradiam” desse centro em várias direções. A essas irradiações chamamos Ramificações.

Apostila Design Thinking

Como determinar um Pensamento Radiante? 

Sugerimos que comece pelo Brainstorm. O brainstorm, ou “toró de ideias”, será uma mesa-redonda com a sua equipe ou os responsáveis pelo projeto. Em um brainstorm todas as ideias são válidas de serem ditas, mas nem todas sobrevivem. 

Aquelas que sobreviverem deverão ser anotadas, assim como os detalhes sobre elas e suas correlações. É aqui que as particularidades do mapa mental entram.

O Pensamento Radiante precisa então ser definido com uma palavra-chave e uma imagem (de preferência). Os estímulos vão funcionar como um gatilho mental, ativando a sua memória e as relações com outros objetos. A partir daí, as demais ramificações que surgiram durante o brainstorm são acrescentadas à pauta.

Exemplo de mapa mental

Você está preocupado com a dispersão no seu ambiente de trabalho. A partir disso, você organiza um brainstorm com pessoas-chave da sua equipe. Alguns termos como “cafezinho”, “conversa”, “memes”, “logística” e “cansaço” surgem no meio do debate. Você julga que eles são pertinentes, e então organiza seu mapa mental.

No centro, seu Pensamento Radiante: dispersão. O pingo no “i” é uma bolinha de papel, sua própria dispersão no colégio. Você faz uma xícara de café, um emoji, e olhando as palavras “conversa” e “logística”, desenha um mapa da sala do escritório com duas pessoas conversando.

No desenho, você coloca o local do café e começa a nomear as estações de trabalho: a Mariana fica logo ali, o Igor mais perto da janela, e por aí vai. Aos poucos você percebe que talvez a Ana não precise ficar tão perto do Maurício, pois já os viu conversando muito. E porque não colocar o Igor mais perto da cafeteira? Ele pega várias xícaras ao dia mesmo…

Logo, você usa o seu mapa para traçar as relações entre o ambiente de trabalho, as possíveis causas de dispersão e como resolvê-los. Escorrega o mapa discretamente para a sua gaveta. Toda vez que ver algum problema na organização, vai dar uma segunda conferida.

Mapa Mental: papel ou digital?

Existem várias pesquisas que apontam para as vantagens, em termos de fixação, do uso de mapas mentais físicos. A pesquisadora Maryanne Wolf, neuropsicóloga que estuda o efeito do contato com a palavra escrita, indica que esse material tem aumentos significativos frente ao digital. Menor custo dos materiais também entra na lista de benefícios.

As desvantagens do mapa mental físico são mais logísticas e de habilidade: é fácil falar, mas eu mesmo não acho tão simples desenhar uma bolinha de papel. Para isso os mapas mentais virtuais, normalmente montados com o auxílio de softwares, acabam tendo vantagem.

Além da facilidade de desenvolver mapas mais complexos, a logística de carregá-los no celular ou compartilhá-los no grupo de WhatsApp da empresa com certeza dão destaque para esse formato.

Um adendo em criatividade

Embora os mapas impliquem em uma boa dose de criatividade, isso não é coisa de gênios. Buzan estudou gênios, mas não porque eles tinham algo diferente, mas porque todos temos o potencial de chegar lá. Por isso, não deixe de conferir o curso de princípios e abordagens da criatividade da FM2S.

Separamos alguns dos favoritos do mercado para você conferir o mais adequado para o seu negócio:

  • Canva: conhecido do marketing, o Canva possui interface gratuita com diversos graus de personalização.
  • MindMaster: com conexão com apresentações PowerPoint também é rico em recursos na sua versão gratuita.
  • Ayoa: impossível não estar, uma vez que foi desenvolvido pelo próprio Buzan – você terá 7 dias grátis antes de precisar trocar de versão.
  • Coggle: para os fãs de texto, esse também é feito pensando na integração com celulares.

Não se esqueça de que os mapas mentais visam facilitar o seu modelo de aprendizagem e representação. Se o texto funcionar para você, invista nele! Se imagens engraçadas ou um sticker de jedi prendem sua atenção, use e abuse! O errado é não usar essa excelente ferramenta.

Leia mais no blog:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *