Como se dá a integração Lean, Six Sigma e Logística?

Lean, Six Sigma e Logística
04 de novembro de 2018
Última modificação: 04 de novembro de 2018

Autor: Virgilio Marques Dos Santos
Categorias: Blog, Melhoria de Processos

A Logística e o Lean Six Sigma

Uma área que tem recebido crescente atenção nos últimos anos tanto de acadêmicos quanto de gerentes é a área de logística e gestão da cadeia de suprimentos. A gestão eficaz e eficiente da cadeia de suprimentos desempenha um papel fundamental na obtenção de vantagem competitiva. Melhorias em todos os estágios da cadeia de suprimentos resultam em custos reduzidos, melhor utilização dos recursos e maior eficiência do sistema.

Assim, os gerentes de logística devem desenvolver habilidades em ferramentas de qualidade e aplicá-las com frequência, particularmente em funções essenciais, como transporte, armazenagem e controle de estoque. Serviços de logística de alta qualidade tornaram-se fundamentais para prever o sucesso de uma empresa no mercado. Os Yellow Belts, Green Belts e Black Belts passam a dominar a logística e os projetos de melhoria.

Lean e Six Sigma foram trazidos da manufatura para o setor de serviços. Isto é impulsionado pelo fato de que a economia mundial é amplamente baseada em serviços. No entanto, apesar da importância da gestão da cadeia de suprimentos, não há muitos estudos disponíveis na literatura que investigue a implementação do LSS em um ambiente de serviço logístico.

O que é o Lean Six Sigma (LSS)?

O LSS pode ser definido como um método de tomada de decisões estratégicas de longo prazo que maximiza o conteúdo de valor agregado e minimiza a variação na qualidade e nas características do processo, melhorando assim a satisfação do cliente. Seus objetivos são:

  • melhorar a satisfação do cliente,
  • aumentar a velocidade do processo, e
  • reduzir custos.

O LSS tornou-se uma popular abordagem de melhoria contínua e muitas organizações públicas e privadas como a BAE Systems Control ou a Northrop Grumman a implementaram. Sua implementação nesses ambientes levou a inúmeros benefícios, como aumento da qualidade dos produtos, maior confiabilidade dos processos, eliminação do tempo de retrabalho, aumento da produtividade ou aumento da flexibilidade do sistema.

Como o Six Sigma e o Lean foram integrados?

O LSS integra a metodologia Six Sigma e a filosofia enxuta. O Six Sigma, originado na Motorola, é definido como: “uma estrutura organizada para reduzir a variação nos processos organizacionais usando especialistas em melhoria, um método estruturado e métricas de desempenho com o objetivo de alcançar objetivos estratégicos”.

A metodologia Six Sigma vai além da garantia de qualidade ou controle de qualidade e está próxima do conceito de gestão da qualidade total (TQM). Por exemplo, observa-se que o Six Sigma é desenvolvido com os cinco componentes principais de TQM:

  • foco no cliente,
  • envolvimento do funcionário,
  • melhoria contínua,
  • liderança, e
  • tomada de decisões baseada em fatos.

A literatura concorda com os efeitos positivos do Six Sigma em questões operacionais, como:

  • a economia de projetos;
  • entregas no prazo;
  • redução de estoque,
  • tempo de setup;
  • aprendizagem, e
  • qualidade ou inovação.

Como o Lean participa do Lean Six Sigma?

A filosofia enxuta é derivada do Sistema Toyota de Produção. Essa filosofia persegue a redução de lead times, prazos de entrega, incertezas de qualidade, estoques, tempos de montagem, tempo de parada de equipamentos, sucata, retrabalho e outros desperdícios.

Consequentemente, a implementação enxuta está positivamente relacionada a melhorias de desempenho. No entanto, ainda há confusão sobre sua implementação correta e como ela funciona. A filosofia Lean coleta ideias de manutenção preventiva, produção puxada, gerenciamento de recursos humanos e gerenciamento de qualidade; suas ferramentas originais, como planejar, fazer, checar e agir (PDCA) são fundamentais.

O Lean baseia-se em procedimentos de trabalho padronizados, juntamente com o uso de um conjunto de ferramentas e técnicas como Kaizen, seiri, seiton, seiso, seiketsu, shitsuke (5S) mapeamento de fluxo de valor / processo, Kanban ou Poka yoke para identificar e remover os desperdícios processos.

Quais os benefícios da integração Lean Six Sigma?

O Six Sigma e a integração enxuta trazem mais benefícios do que aqueles obtidos com a implementação de cada iniciativa separadamente. Com o uso de ambos os métodos, mais maneiras são criadas, nas quais melhorias significativas podem ser feitas em termos de custo, qualidade e lead times. É possível mostrar como o Six Sigma modera a relação entre os pacotes enxutos e o desempenho de manufatura, confirmando a interdependência e a complementaridade entre as duas iniciativas.

O Six Sigma fornece uma estrutura adequada para implantar projetos de melhoria que beneficiam o gerenciamento enxuto. Além disso, a integração entre Lean e Six Sigma aumenta a autonomia dos colaboradores, fortalecendo a solidez dos processos de melhoria contínua. Portanto, a integração de Lean e Six Sigma oferece um alto potencial de melhorias; lean e Six Sigma individualmente não podem alcançar as melhorias necessárias na taxa em que a LSS pode.

Como estrutura-se a operação logística?

Os serviços são geralmente uma parte dominante das economias. A literatura no domínio da logística e da gestão da cadeia de fornecimento tem sido geralmente criticada devido a um foco de produção dominante. O termo logístico tem sido tradicionalmente usado nos negócios para descrever o gerenciamento de fluxos de materiais e informações.

De acordo com a CSCMP (2015), a logística inclui serviços como transporte, armazenagem, gerenciamento de estoque, embalagem e manuseio de materiais, atendimento de pedidos, projeto de redes logísticas, planejamento de oferta / demanda, etc. Outros autores definem logística como uma extensão do gerenciamento de distribuição física, referente ao gerenciamento dos materiais e fluxo de informações de um negócio, por meio de um canal de distribuição para os clientes finais.

A logística de serviços, por outro lado, é um conceito muito diferente. Coordena a interação entre o cliente (individual) e a organização. A logística de serviços está envolvida na redução do lead time entre o agendamento, o desempenho e a avaliação do procedimento.

Serviços de logística são integrados com compras, operações e marketing, tendo o cliente final como seu foco principal. Todas essas atividades estão intimamente ligadas ao fluxo de produtos em uma cadeia de suprimentos.

Um aspecto importante ao modelar uma cadeia de suprimentos é a forma como uma empresa pode interagir com o cliente. Uma empresa pode planejar internamente o que oferecerá ao cliente, e este pode aceitar ou rejeitar a oferta posteriormente. Uma empresa também pode planejar a capacidade de responder às necessidades individuais do cliente à medida que estas surgem.

Nesse caso, o cliente interage com o provedor para definir quais serviços serão fornecidos. É importante lembrar que os processos que envolvem entradas de clientes (processos de serviço) são fundamentalmente e gerencialmente diferentes dos processos que não são de serviço. Além disso, processos envolvendo até mesmo insumos leves de clientes diferem drasticamente de processos desprovidos de insumos do cliente.

O que significam os serviços logísticos?

Serviços logísticos podem significar coisas diferentes para várias organizações, e a ênfase pode ser colocada em conceitos diferentes. Se há um foco na qualidade logística, isso pode significar que as organizações desenvolvem estratégias com o objetivo de tornar os tempos de ciclo de pedidos mais curtos e previsíveis, além de manter certos níveis de disponibilidade em estoque e determinadas taxas de preenchimento nos pedidos dos clientes.

Quando há um foco nos processos de serviço, a ênfase deve estar nas características de pontualidade (por exemplo, tempo de entrega) e nas características de não conformidade do serviço (como proporção de reclamações de clientes todos os meses e número de erros de faturamento). No geral, nos serviços de logística, o trabalho humano é uma força dominante.

Além disso, os serviços de logística são muitas vezes terceirizados. A necessidade de levar em conta muitos aspectos diferentes e as partes interessadas envolvidas dificulta o controle preciso. Esses aspectos tornam importante para o expedidor manter uma visão geral precisa do desempenho logístico, tornando os serviços de logística uma área interessante para aplicar os princípios lean e de qualidade.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − nove =