Passo a Passo: Design Thinking Problem Solving

Design-thinking-problem-solving
06 de abril de 2020
Última modificação: 06 de abril de 2020

Autor: Guilherme Mendes
Categorias: Blog, Design Thinking

Design Thinking Problem Solving – Introdução

Existem diversas metodologias de Solução de problemas que podem ser utilizadas no dia a dia. Um exemplo destas, já citadas em outras postagens é o A3 Problem Solving ou Folha A3. Este nome na verdade é uma derivação de um tamanho de papel europeu (A3) padrão e a metodologia é baseada no ciclo PDCA/PDSA, podendo ser utilizada de diversas formas. Porém, aqui iremos abordar uma outra metodologia de inovação em solução de problemas chamada Design Thinking Problem Solving.

Aproveite para se especializar em solução de problemas. Conheça o curso A3 Problem Solving FM2S.

Vamos agora, refinar o conceito de Design Thinking, conhecendo sua trajetória e também os proventos que esta metodologia pode trazer ao seu negócio.

O que é Design Thinking?

O design thinking é um processo inovador de solução de problemas, enraizado em um conjunto de habilidades. É um processo iterativo, que envolve tentativa-e-erro, por meio do qual nós tentamos entender um problema, desafiar conceitos, hipóteses e pressupostos, e redefinir constantemente os problemas que estamos encarando, em uma tentativa de identificar estratégias e soluções alternativas que possam não estar aparentes no início. Porém, a metodologia não se baseia apenas em identificar problemas, mas também em solucioná-los. Desde então, o processo de design thinking foi aplicado ao desenvolvimento de novos produtos e serviços e a toda uma gama de problemas, desde a criação de um modelo de negócios para a venda de painéis solares na África até a operação do Airbnb.

Em um nível alto, as etapas envolvidas no processo de design thinking são simples: primeiro, entenda completamente o problema; segundo, explore uma ampla variedade de soluções possíveis; terceiro, itere extensivamente por meio de prototipagem e teste; e, finalmente, implemente através dos mecanismos habituais de implantação.

As habilidades associadas a essas etapas ajudam as pessoas a aplicar a criatividade para resolver efetivamente os problemas do mundo real melhor do que de outra forma. Eles podem ser facilmente aprendidos, mas exigem esforço. Por exemplo, ao tentar entender um problema, deixar de lado seus próprios preconceitos é vital, mas é difícil.

O brainstorming criativo é necessário para o desenvolvimento de possíveis soluções, mas muitas pessoas não o fazem particularmente bem. E durante todo o processo, é essencial se envolver na modelagem, análise, prototipagem e teste, e realmente aprender com essas muitas iterações.

Depois de dominar as habilidades centrais da abordagem do design thinking, elas podem ser aplicadas para resolver problemas na vida cotidiana e em qualquer setor.

Vamos agora, entender cada parte do método Design Thinking Problem Solving passo a passo.

Entenda o problema

Tomemos o exemplo de um serviço de entrega de refeições. Quando uma equipe começou a analisar o problema de má nutrição e desnutrição entre os idosos da cidade, muitos dos quais receberam refeições do serviço, pensava que simplesmente atualizar as opções do menu seria uma solução suficiente. Mas, após uma observação mais detalhada, a equipe percebeu que o escopo do problema era muito maior e que precisaria redesenhar toda a experiência, não apenas para quem recebe as refeições, mas principalmente para quem prepara as refeições.

A mudança mais importante que a empresa fez ao repensar seu modelo de negócios estava mudando a maneira como os funcionários viam a si mesmos e a seu trabalho. Isso, por sua vez, os ajudou a criar refeições melhores (que também foram drasticamente alteradas), gerando clientes mais felizes e mais nutridos.

O primeiro passo no design thinking é entender o problema que você está tentando resolver antes de procurar soluções. Às vezes, o problema que você precisa resolver não é o que você originalmente pensou em resolver.

A maioria das pessoas não se esforça muito para explorar o espaço do problema antes de explorar o espaço da solução. O erro que eles cometem é tentar simpatizar, conectando o problema declarado apenas às suas próprias experiências, limitando-o. Isso falsamente leva à crença de que você entende completamente a situação. Mas o problema real é sempre mais amplo.

Envolver usuários

Imagine que você está projetando um novo andador para pacientes de reabilitação e idosos, mas nunca o usou. Você conseguiu entender completamente o que os clientes precisam? Certamente que não, se você não observou e falou extensivamente com clientes reais.

Como você começa a entender como construir um andador melhor? Quando uma equipe, juntamente com a empresa de design se reúne com usuários caminhantes para entrevistá-los, observá-los e entender suas experiências.

O ponto central do processo de design thinking é a prototipagem e o teste (que abordaremos mais tarde), que permite aos designers tentar, falhar e aprender o que funciona. Os testes também envolvem clientes e esse envolvimento contínuo fornece feedback essencial do usuário sobre projetos e casos de uso em potencial.

Também é importante entrevistar e entender outras partes interessadas (stakeholders), como as pessoas que vendem o produto ou aquelas que dão suporte aos usuários durante todo o ciclo de vida do produto.

Soluções

A segunda fase do design thinking problem solving é o desenvolvimento de soluções para o problema (que você agora entende completamente). Isso começa com o que a maioria das pessoas conhece como brainstorming.

Para entender melhor, confira: Brainstorming: como gerar muitas ideias e criar soluções criativas.

Não esconda nada durante as sessões de brainstorming, exceto críticas. Ideias inviáveis ​​podem gerar soluções úteis, mas você nunca chegaria lá se abater todas as ideias impraticáveis ​​desde o início.

Um dos princípios fundamentais do brainstorming é suspender o julgamento. Quando estamos explorando o espaço da solução, primeiro ampliamos a pesquisa e geramos muitas possibilidades, incluindo as ideias loucas e loucas.

Isso não significa que você nunca julgue as ideias. Essa parte vem depois, na seleção descendente. Mas se quisermos escolher 100 ideias, não podemos ser muito críticos.

No caso da empresa de delivery de comida, os funcionários da cozinha receberam novos uniformes. Por quê? Os uniformes não afetam diretamente a competência dos cozinheiros ou o sabor dos alimentos.

Mas, durante entrevistas realizadas com funcionários da cozinha, os designers perceberam que o moral era baixo, em parte porque os funcionários estavam entediados preparando os mesmos pratos repetidamente. Também porque sentiam que os outros tinham uma percepção ruim deles. Os novos uniformes de chef deram aos cozinheiros um maior orgulho. Era apenas parte da solução, mas se a ideia tivesse sido rejeitada de imediato, ou talvez nem sugerida, a empresa teria perdido um aspecto importante da solução.

Prototipagem e teste iterativos

Você definiu o problema. Falou com os clientes. Fez um brainstorming, apresentou todos os tipos de ideias e trabalhou com sua equipe para resumir essas ideias às que você acha que podem realmente resolver o problema que você definiu.

Qual o próximo ponto?

Especialistas dizem que não desenvolvemos uma boa solução apenas pensando em uma lista de ideias, marcadores e esboços aproximados. Exploramos possíveis soluções por meio de modelagem e prototipagem. Nós projetamos, construímos, testamos e repetimos – esse processo de iteração do projeto é absolutamente crítico para um pensamento eficaz do projeto.

Repetir esse ciclo de criação de protótipos, testes e coleta de feedback do usuário é crucial para garantir que o design esteja correto, ou seja, ele funciona para os clientes, você pode construí-lo e suportá-lo.

Após várias iterações, podemos obter algo que funcione, validá-lo com clientes reais e muitas vezes descobrir que o que pensávamos ser uma ótima solução, na verdade, é apenas OK. Mas podemos melhorar muito com apenas mais algumas iterações.

Implementação

O objetivo de todas as etapas anteriores é ter a melhor solução possível antes de você implementar o projeto. Sua equipe gastará a maior parte do tempo, dinheiro e energia nesse estágio.

A implementação envolve projeto detalhado, treinamento, ferramentas e produção. É uma quantidade enorme de esforço, portanto, faça tudo certo antes de “gastar” esse esforço.

Pense grande

O design thinking problem solving não é apenas para “coisas”. Se você está aplicando apenas a abordagem a produtos físicos, não está aproveitando ao máximo. Ele pode ser aplicado a qualquer problema que precise de uma solução criativa.

O Processo Iterativo

Como vimos, o Design Thinking Problem Solving segue um processo iterativo. No modelo mais amplamente adotado, o Design Thinking compreende cinco estágios – Entender o Problema, Envolver os Usuários, Soluções, Prototipagem e Teste.

Outra metodologia que também segue um processo iterativo similar é o Seis Sigma. Ele segue o roteiro DMAIC, que significa Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar. Esse processo iterativo depende da remoção sistemática de resíduos do sistema, resultando em um processo mais enxuto, com resultados melhores.

Se deseja aprender mais sobre a metodologia Seis Sigma, acesse nossa Plataforma EAD e confira o nosso curso Green Belt.

Pra você que não sabe por onde começar, conheça o nosso White Belt Gratuito.

Confira também:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *